This site is operated by a business or businesses owned by Informa PLC and all copyright resides with them. Informa PLC's registered office is 5 Howick Place, London SW1P 1WG. Registered in England and Wales. Number 8860726.

HIS19 Já conferiu os 40 primeiros palestrantes dessa edição? 🚀 Clique aqui

EHR avança lentamente no Brasil, diz estudo

By 22 de outubro de 2015 TI e Inovação

Somente 23% dos estabelecimentos de saúde do País fazem o registro eletrônico  de informações dos prontuários dos pacientes (EHR, electronic health record, na sigla em inglês), enquanto 45% ainda fazem o registro totalmente em papel. É o que apontou a edição mais recente do estudo TIC Saúde 2014, feito pelo Comitê Gestor da Internet no Brasil .

O levantamento entrevistou 2.121 estabelecimentos de saúde públicos e privados de todo o País, bem como 1.067 médicos e 2.037 enfermeiros. A pesquisa foi realizada entre setembro de 2014 e março de 2015.

O estudo identificou que 52% dos estabelecimentos que utilizaram a Internet nos últimos 12 meses possuem algum tipo de registro eletrônico das informações presentes nos prontuários dos pacientes. Por outro lado, 45% dos estabelecimentos que utilizaram a Internet nos últimos 12 meses fazem os registros totalmente em papel.

De acordo com Tiago Delgado, sócio-diretor da Medicina Direta, empresa especializada em gestão de prontuários eletrônicos, essa baixa adesão se dá em razão da pouca familiaridade dos profissionais de saúde com ferramentas de Tecnologia da Informação (TI) e a internet. Delgado avalia que para o médico entender e tangibilizar esta necessidade, normalmente ele precisa vivenciar a utilização do prontuário eletrônico em uma clínica.

O estudo TIC Saúde 2014 apontou ainda que falta de recursos para investimento em tecnologia é vista por 79% dos médicos e 78% dos enfermeiros como barreira para a implantação de sistemas eletrônicos. “É comum encontrar médicos reclamando de sistemas no Brasil, desde o consultório até em um grande hospital”, disse Delgado em release para o mercado.

Embora a maioria dos médicos e enfermeiros declare não perceber a diminuição na carga de trabalho por conta do uso de tecnologias, a percepção em relação ao cuidado com o paciente e gestão das rotinas médicas é positiva – para 72% dos médicos e 76% dos enfermeiros, a implantação de sistemas eletrônicos possibilitou a melhora da qualidade do tratamento como um todo.

Delgado afirma que médicos avessos a tecnologia e normalmente atendem os pacientes utilizando papel há muitos anos e por isso preferem não mudar o processo ao qual já estão acostumados. O executivo da Medicina Direta avalia porém que após os médicos aderirem à tecnologia e iniciarem o atendimento com o Prontuário Eletrônico do Paciente (PEP), a percepção é que jamais eles voltam a atender com papel.

*O Saúde Business preparou uma série de infográficos com dados do TIC Saúde 2014 – consulte as informações relevantes de forma resumida AQUI

Uso de Prontuário Eletrônico: saúde privada x pública [Infográfico]
Infraestrutura básica de TI dos estabelecimentos de saúde [Infográfico] Apenas 35% das unidades de Saúde têm Política de Segurança da Informação [Infográfico] 

(…) e outros Aqui 

Portal Saúde Business

About Portal Saúde Business

Formar e informar o executivo de saúde é o que fazemos todos os dias. Há mais de 15 anos desenvolvendo um conteúdo proprietário e centrado nos principais gestores do país, acompanhamos as notícias e tendências que impactarão no dia-a-dia dos hospitais, operadoras, centros diagnósticos, farmacêuticas e clínicas do país.

Leave a Reply