This site is operated by a business or businesses owned by Informa PLC and all copyright resides with them. Informa PLC's registered office is 5 Howick Place, London SW1P 1WG. Registered in England and Wales. Number 8860726.

Impressão 3D: mais barata e acessível, inclusive para médicos

By 11 de agosto de 2014 Mercado
Um busto feminino, uma arcada dentária, uma tala para o dedo, uma peça de engrenagem, um câmbio de carro, todos esses objetos aparentemente desconexos saiam da mala de Cláudio Luís Sampaio, um verdadeiro entusiasta do avanço tecnológico. O que une Sampaio e seu mostruário diverso é a impressão 3D de baixo custo, técnica ainda pouco utilizada no Brasil, mas apontada pelo desenvolvedor de softwares e instrutor da TechTraining como o futuro da produção industrial e, até, da economia. Os objetivos da mala do instrutor simbolizam as possibilidades infinitas das impressões que já acontecem no mundo inteiro de maneira colaborativa e o setor de Saúde é só mais uma das áreas que podem se beneficiar, e muito, com essa técnica. 

Para Sampaio, que possui um laboratório de impressão em sua própria casa, a solução é para todos, desde pequenas e grandes empresas até consumidores comuns. “Por enquanto as pessoas se perguntam ‘para que eu vou querer uma impressora 3D’, mas esquecem que fizeram essa mesma pergunta quando os computadores começaram a se espalhar”. 

Cláudio Luís Sampaio: desenvolvedor de software e instrutor da TechTraining
Esta acessibilidade só é hoje possível pela quebra de importantes patentes nos últimos anos, o que barateou os preços das máquinas. Hoje, as impressoras de baixo custo são open source e costumam utilizar diferentes tipos de plásticos e nylons. Apesar de impressões mais complexas já estarem sendo testadas mundo afora, incluindo a possibilidade de imprimir órgãos através da chamada bioimpressão, a medicina brasileira já está se beneficiando com modelos mais simples que produzem peças anatômicos, úteis na hora de estudar um tratamento ou intervenção, desenvolvem próteses, reconstroem dentes, além da possibilidade de imprimir recipientes para laboratórios de pesquisa e, inclusive, invólucros de embarcados, presentes em muitos aparelhos médicos. 

A entidade referência em projetos com tecnologias tridimensionais no Brasil é o Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer (CTI), em Campinas, atrelado ao Ministério da Ciência e Tecnologia. Estima-se que, desde 2000, já foram produzidas 3.385 peças para cirurgias, sendo a reconstituição de ossos os casos mais comuns — principalmente crânio, mandíbula e face —, decorrentes de acidentes, tumores ou anomalias genéticas.
 
A Anvisa já selou uma parceria com o CTI para regulamentar o uso da impressão 3D na medicina, entretanto, implantes personalizados ainda não são regulamentados.

Portanto, atualmente já é possível um médico em sua clínica ou um dentista em seu consultório comprar uma impressora 3D por cerca de R$ 3 mil a R$ 4 mil para a imprimir materiais de trabalho por meio de sites que disponibilizam imagens tridimensionais prontas, podendo ser redimensionadas de acordo com a necessidade. Para se ter uma ideia, o quilo de plástico, matéria prima da máquina, custa em média R$ 150 e é capaz de produzir 50 garrafas de 200 ml. 
Com o barateamento dos preços, Sampaio conta que diariamente softwares são melhorados, novos materiais imprimíveis descobertos e experiências realizadas globalmente, inclusive por pequenos grupos, os chamados “makers” – interessados em compartilhar descobertas, aprimorá-las e promover o acesso a todos. Diferente da tradição das patentes, o interesse é não reter boas ideias, desenvolver de forma colaborativa, assim como financiar (crowdfunding). 
“Nessa nova economia, vinda de clube, você produz um protótipo e publica, aí chega um cara da China, mexe, melhora e publica, um mês depois, vem um alemão e finaliza com perfeição”, explica o instrutor. “O objetivo não é o lucro, é não segurar as ideias, mas permitir que elas se aprimorem”. 
Não é difícil de entender o entusiasmo de Sampaio ao falar em revolução, em nova era, pois – ainda com patentes a serem quebradas e experimentos sendo testados – até casas já foram impressas. Este ano, a construtora chinesa Winsun montou uma impressora “gigante”, de 6,7 metros de altura, a um custo de US$ 5 mil, com a mesma técnica das pequenas, camada por camada, para produzir paredes inteiras. O material utilizado foi um combinado de cimento e fibra de vidro. 
Três vetores, na opinião de Sampaio, estão transformando as relações humanas. São eles: a impressão 3D; a microeletrônica de embarcados, presentes em dispositivos e sensores e a comunicação eletrônica. “Essas três coisas permitem a feitura de máquinas sofisticadas, comunicando em massa”. 
Nos dias 26 e 27 de agosto, o especialista estará na 3ª edição da feira MedTec MD&M Brazil (Medical Device and Manufacturing) com um tutorial sobre o funcionamento de uma impressora 3D de tecnologia FDM (fused deposition modeling). A feira, que acontece no Transamérica Expo Center (SP), oferece produtos e soluções em design e fabricação de equipamentos médicos, odontológicos e laboratoriais, um mercado que fatura cerca de R$ 16 bilhões por ano e cresce anualmente 10%, em média. 
COMO FUNCIONA UMA IMPRESSORA 3D? 
Nathalia Nunes

About Nathalia Nunes

Fonoaudióloga formada pela FMUSP, com MBA em Economia e Gestão em Saúde na UNIFESP e apaixonada por comunicação, negócios e tecnologia em saúde. Na Live, trabalho com Marketing, Pesquisa e Conteúdo, tanto na produção de materiais editoriais e de pesquisa, quanto na difusão de temas e ações relacionados a negócios em saúde.

Leave a Reply