This site is operated by a business or businesses owned by Informa PLC and all copyright resides with them. Informa PLC's registered office is 5 Howick Place, London SW1P 1WG. Registered in England and Wales. Number 8860726.

⚠️ Hospital Albert Einstein, Rede D'Or, Amil, DASA, Fleury... todos no HIS. E você? Clique aqui

6 passos para evitar o fracasso em cuidados de transição

By 14 de junho de 2016 Voz da Marca

Embora haja dados concretos (inserir link do texto 14: 5 perguntas para entender os cuidados de transição) sobre a efetividade dos cuidados de transição – redução de custos e readmissões e melhores resultados assistenciais – a literatura médica aponta, também, para o fracasso da iniciativa, a depender das circunstâncias.

Um levantamento feito pelo organismo de acreditação Joint Commission International (JCI) mostra que cuidados de transição ineficientes levam a eventos adversos, readmissões e custos assistenciais mais altos.

Baixe aqui o ebook Cuidados de Transição e Case Management

A principal causa, que responde por 80% dos erros assistenciais, é a comunicação inefetiva durante a passagem do paciente de um serviço ou profissional para outro, especialmente nessas três situações:

1) Quebra da comunicação: os profissionais que prestam o serviço não compartilham informações importantes entre eles, os pacientes ou seus cuidadores. Entre os principais riscos estão: expectativas diferentes entre quem presta e quem recebe o serviço; uma cultura que não promove trabalho em equipe e respeito nas passagens de plantão ou de um serviço para outro; tempo inadequado e falta de processos para fazer a transição, como a utilização da metodologia SBAR (da sigla em inglês situation/situação, background/histórico, assessment/avaliação e recommendation/recomendação).

2) Educação do paciente: pacientes e cuidadores são muitas vezes excluídos do planejamento do processo de transição e recebem recomendações conflitantes. Por isso, não se engajam em seguir seu plano de cuidados, por falta de conhecimento ou habilidade.

3) Responsabilidade: em muitos casos, não fica claro quem será o profissional ou entidade que irá se responsabilizar pela coordenação da assistência entre diferentes serviços. Os pacientes ficam confusos e não há garantias de que os recursos necessários estarão disponíveis em outros locais e serviços.

A JCI faz seis recomendações para superar essas dificuldades:

1) A equipe multidisciplinar deve colaborar e coordenar a assistência desde a admissão até a alta: isso inclui ensinar o paciente a praticar o autocuidado e seguir o plano de tratamento.

2) Envolvimento dos médicos e responsabilidade compartilhada em todos os pontos da transição: eles devem ser identificados pelo nome e manter uma troca constante de informações durante a transição.

3) Planejamento abrangente e avaliação de riscos durante a internação hospitalar: é preciso saber se há algo que limite a capacidade de o paciente desempenhar o autocuidado, como doenças crônicas, dificuldade de obter medicamentos e até mesmo baixa capacidade de leitura.

4) Planos de transição, procedimentos e formulários padronizados: os documentos ideais contêm informações como questões ativas, diagnósticos, medicação, serviços requeridos, alertas de piora das condições do paciente e quem contatar em casos de emergência.

5) Treinamento padrão: a organização deve definir o que constitui uma transição de sucesso e, a partir daí, ensinar sua equipe a completar os passos necessários para atingi-la e para oferecer feedback em tempo real.

6) Acompanhamento, apoio e coordenação no tempo correto quando o paciente sai da internação: por telefone ou pessoalmente, follow-ups entre 24 e 48 horas pós-alta hospitalar ajudam no sucesso da recuperação.

GRUPO GERIATRICS

About GRUPO GERIATRICS

Leave a Reply