This site is operated by a business or businesses owned by Informa PLC and all copyright resides with them. Informa PLC's registered office is 5 Howick Place, London SW1P 1WG. Registered in England and Wales. Number 8860726.

Saúde pública pode economizar R$ 22 bilhões

By 7 de novembro de 2019 Destaques, Você Informa

Saúde pública pode economizar R$ 22 bilhões e ter maior eficiência em seus processos, somente no Estado de São Paulo. Inovação tecnológica é um dos pilares para economizar, agilizar, ter maior eficiência no processos e dar maior assistência aos pacientes do sistema de saúde pública, indica AFIP – Associação Fundo de Incentivo à Pesquisa

Análise realizada pela AFIP – Associação Fundo de Incentivo à Pesquisa, com dados disponibilizados pelo Banco Mundial, indica que o sistema de saúde pública brasileiro, somente no Estado de São Paulo, poderia economizar, ao menos, R$ 22 bilhões ao ano, com a implementação de algumas ações, entre elas o uso de um sistema eletrônico integrado. Se projetarmos esse valor para os próximos 10 anos, a economia seria de R$ 220 bilhões, ou seja, um valor maior poderia ser investido no setor.

O próprio Banco Mundial apontou nesta análise que, se nada for feito, os custos alcançarão R$ 701 bilhões, em 2030, sem considerar o envelhecimento populacional, o aumento da carga de doenças crônicas e outros fatores. Com mais eficiência, os gastos poderiam ficar em R$ 585 bilhões, ou seja, uma economia conservadora de R$ 115 bilhões, ou 16,5% nos próximos 12 anos.

A AFIP tem um papel fundamental na saúde pública brasileira, como o maior laboratório de análises clínicas da rede ambulatorial do Sistema Único de Saúde (SUS). Está presente nos principais municípios do País, com mais de 50 unidades em oito Estados brasileiros, direcionando 80% de seus serviços para o SUS, e produzindo mais de 6 milhões de exames/mês. Sobre a produção total em seu setor de atuação, representou 6,4% do Brasil e 22% de São Paulo, em 2018.

Além da redução de custos necessária para melhorar este cenário, a integração de dados agilizaria e possibilitaria, por exemplo, um atendimento mais personalizado ao paciente, com a implantação de um prontuário eletrônico único, evitando-se, por exemplo, que um exame seja solicitado desnecessariamente por médicos diferentes que procederam ao atendimento do paciente em locais distintos.

“O investimento em tecnologia para pesquisa é fundamental, desde a colheita até a produção dos dados. Todos os investimentos que fazemos com a parte de inovação está permeado pela tecnologia, tanto nos equipamentos, quanto nas ferramentas utilizadas para transformar toda a cadeia”, destacou Tânia Noquelli, diretora comercial e administrativa da AFIP.

Tânia ressaltou ainda que o Ministério da Saúde tem um orçamento de R$ 132,8 bilhões para 2019, e pretende direcionar esse valor na gestão focada no tripé: integração digital de dados, expansão de equipes da ESF (Estratégia Saúde da Família), que atendem nas unidades de saúde, e a criação de redes de saúde para prover os municípios pequenos na média e alta complexidades. O governo também pretende criar a Secretaria Nacional de Atenção Básica, que com o apoio da tecnologia vai gerar e armazenar dados dos pacientes para que seja possível trabalhar a prevenção de doenças.

“Para que esses investimentos de fato aconteçam é preciso mais maturidade na gestão de saúde, conduzindo a uma mudança de paradigma para reestruturar esse modelo atual. Hoje, o modelo preocupa-se muito com o tratamento e a cura, mas o foco deve ser sempre nos cuidados com o paciente e com a prevenção, colocando o paciente no centro dos cuidados da saúde”, disse, lembrando que a situação pode se agravar ainda mais devido ao processo de envelhecimento da população. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o índice de envelhecimento que estava em 8% em 2015 tem projeção de atingir 12,3%, em 2027, e isso pode causar um impacto muito grande na saúde como um todo.

Nesse sentido, a Shift, empresa brasileira de Tecnologia da Informação para medicina diagnóstica, uma das parceiras da AFIP, trabalha para que os processos dos laboratórios da Associação sejam monitorados da melhor forma e, assim, o risco de retrabalho ou erros da qualidade sejam mitigados, permitindo fluxos que garantem a segurança do paciente. Ao utilizar as soluções Shift, a Associação consegue entregar ações para o setor público com alto grau de produtividade, qualidade e custo/benefício competitivo.

“Como a AFIP trabalha com volumes muito altos de exames por mês, a necessidade de agilidade nos processos e um sistema LIS robusto é de importância estratégica. É neste contexto que as tecnologias da Shift permitem velocidade com qualidade na realização de exames”, destacou Marcelo Lorencin, presidente da Shift.

A Shift utiliza o conhecimento da realidade de diversos tipos de laboratórios para compartilhar as melhores práticas de processo. “Assim, é possível espalhar conhecimento de ponta com vantagens para a cadeia como um todo”, comenta Lorencin, complementando que a AFIP é um drive estratégico para o desenvolvimento de produtos. “Eles possuem características particulares e um grande volume e, com isso, precisamos desenvolver soluções que atendem a toda essa complexidade.” Este ciclo de retroalimentação AFIP – Mercado – Shift – torna a parceira SHIFT – AFIP mais eficiente e com maior valor agregado, ajudando a todos terem mais eficiência operacional e melhorias contínuas, que contribuem para redução de custos e automatizam os processos, reduzindo inclusive erros.

Sobre AFIP
A AFIP – Associação Fundo de Incentivo à Pesquisa é uma instituição privada, sem fins lucrativos e filantrópica, fundada na década de 1970 por profissionais da área da saúde, professores universitários e pesquisadores, com o objetivo de fornecer suporte financeiro para atividades de docência, pesquisa científica e atendimento médico à comunidade, com ênfase no serviço público de saúde.

Considerado o maior laboratório de análises clínicas da rede ambulatorial do o Sistema Único de Saúde (SUS), a AFIP hoje tem um papel fundamental na saúde pública brasileira, presente em mais de 50 unidades em oito estados brasileiros, direcionando 80% de seus serviços para SUS. Para cada R$ 1,00 de imunidade, a AFIP retorna R$ 11,51 ao País.
Sobre a produção total no setor de análises clínicas, representou 6,4% do Brasil e 22% de São Paulo, em 2018, onde tem uma atuação de destaque com 72% dos exames imunogenéticos para identificação de receptor de órgãos, 52,3% dos exames imunogenéticos para identificação de doador de órgãos e 90,1% da atenção domiciliar (distrofias musculares, ELA e síndrome pós-poliomelite). As informações são do SIASUS – Unidades de Apoio Diagnose e Terapia, 2018 – Ministério da Saúde. É 32,8 vezes mais produtiva que os laboratórios de análises clínicas de médio e grande porte que atuam no SUS.

Sobre a Shift Consultoria e Sistemas
A Shift é uma empresa brasileira de Tecnologia da Informação voltada para medicina diagnóstica e preventiva. Fundada em 1992 e atuante em 22 Estados brasileiros, vem desenvolvendo inovações tecnológicas para fornecer mais eficiência, agilidade e competitividade para o segmento laboratorial no Brasil e na América Latina.
Presente entre as Melhores Empresas para Trabalhar na área da Saúde no Brasil, pelo ranking Great Place to Work, e reconhecida como uma das principais companhias de Tecnologia da Informação para laboratórios clínicos do País, é responsável pelo processamento de mais de 35 milhões de exames de pacientes por ano e também está nos principais laboratórios dos países sul-americanos, localizados na Argentina e no Uruguai.
Com mais de 20 mil usuários do sistema, que anualmente processa cerca de 250 milhões de análises clínicas, a empresa tem apresentado crescimento anual de 20%, nos últimos seis anos.
Possui equipes multidisciplinares compostas por analistas de negócios, desenvolvedores, biomédicos e consultores, que criam e administram o sistema de informação, integrações e automação de equipamentos, que dão segurança e inteligência aos processos, do começo ao fim da operação do laboratório.
Focada no conhecimento, a Shift tem como diretriz estratégica a vanguarda tecnológica e a inteligência empreendedora. Cerca de 80% de seus clientes possuem pelo menos uma das principais certificações de qualidade do País, o que demonstra a relevância e exigente perfil do grupo de laboratórios que contam com as soluções da companhia.

Releases

About Release enviado por CRISTIANE PINHEIRO

Sobre a Shift Consultoria e Sistemas A Shift é uma empresa brasileira de Tecnologia da Informação voltada para medicina diagnóstica e preventiva. Fundada em 1992 e atuante em 22 Estados brasileiros, vem desenvolvendo inovações tecnológicas para fornecer mais eficiência, agilidade e competitividade para o segmento laboratorial no Brasil e na América Latina. Presente entre as Melhores Empresas para Trabalhar na área da Saúde no Brasil, pelo ranking Great Place to Work, e reconhecida como uma das principais companhias de Tecnologia da Informação para laboratórios clínicos do País, é responsável pelo processamento de mais de 35 milhões de exames de pacientes por ano e também está nos principais laboratórios dos países sul-americanos, localizados na Argentina e no Uruguai. Com mais de 20 mil usuários do sistema, que anualmente processa cerca de 250 milhões de análises clínicas, a empresa tem apresentado crescimento anual de 20%, nos últimos seis anos. Possui equipes multidisciplinares compostas por analistas de negócios, desenvolvedores, biomédicos e consultores, que criam e administram o sistema de informação, integrações e automação de equipamentos, que dão segurança e inteligência aos processos, do começo ao fim da operação do laboratório. Focada no conhecimento, a Shift tem como diretriz estratégica a vanguarda tecnológica e a inteligência empreendedora. Cerca de 80% de seus clientes possuem pelo menos uma das principais certificações de qualidade do País, o que demonstra a relevância e exigente perfil do grupo de laboratórios que contam com as soluções da companhia.

Leave a Reply