This site is operated by a business or businesses owned by Informa PLC and all copyright resides with them. Informa PLC's registered office is 5 Howick Place, London SW1P 1WG. Registered in England and Wales. Number 8860726.

Principal autor do estudo Sepse 3.0 esclarece dúvidas dos médicos intensivistas

By 5 de agosto de 2016 Você Informa

A segunda semana de agosto será especial para os médicos brasileiros. A AMIB organiza em São Paulo (SP) a palestra do dr. Mervyn Singer, principal autor do estudo Sepse 3.0, terceiro consenso internacional de definições de sepse e choque séptico. O evento Sepse 3.0 – Novas definições e implicações acontecerá no dia 8 de agosto, às 19h30, no Centro de Convenções Rebouças.

O médico inglês é professor de Medicina Intensiva na University College de Londres e realiza pesquisas especialmente nas áreas de sepse, falência múltipla de órgãos, choque e monitoramento hemodinâmico. Durante sua passagem pelo Brasil, pretende esclarecer dúvidas sobre as novas diretrizes desse importante problema das UTIs.

A AMIB considera que é extremamente importante que os médicos intensivistas conheçam sobre o estudo em detalhes. O dr. Singer comenta que “os padrões antigos para identificação da sepse foram estabelecidos há mais de 10 anos e não davam instruções claras do que é choque séptico ou falência de órgãos, por exemplo”. “Como resultado, nós tínhamos uma grande confusão na literatura, com grandes variações de incidência de sepse e mortalidade”, comenta o professor.
Programação

A palestra do intensivista inglês será aberta a médicos de todas as especialidades. Segundo o dr. Murillo Santucci Assunção (SP), presidente do Comitê de Infecção da AMIB, Gestão 2016-2017, a vinda do dr. Singer é extremamente importante, pois ele fez parte do time de especialistas que traçou as novas especificações para a sepse. “Esses eventos têm como principal objetivo que o médico esclareça suas dúvidas sobre esse importante tema, de altos índices de mortalidade”, explica o dr. Murillo Assunção.

Sobre sepse e seus dados epidemiológicos
Antes conhecida como infecção generalizada, a sepse é uma inflamação generalizada do organismo contra uma infecção que pode estar em qualquer órgão. Essa inflamação tem como consequência a parada de funcionamento de um ou de mais órgãos, com risco de morte se não tratada rapidamente.

Qualquer tipo de infecção, leve ou grave, pode evoluir para sepse. As mais comuns são a pneumonia, infecções na barriga e infecções urinárias. Os principais sintomas são febre, aceleração do coração, respiração mais rápida, fraqueza intensa e tonteiras e pelo menos um dos sinais de gravidade, como pressão baixa, diminuição d quantidade de urina, falta de ar, sonolência excessiva ou ficam confusos.

O estudo PROGRESS, último sobre o assunto realizado no Brasil, apontou que o país tem uma alta letalidade de sepse quando comparado a outros países, de acordo a antiga metodologia de diagnóstico. Temos uma letalidade de 67,4% dos pacientes, quando mundialmente a porcentagem é de 46%. Em termos numéricos, estima-se que 400 mil novos casos são diagnosticados por ano e 240 mil pessoas chegam a óbito.

O Dr. Singer aponta que, com a nova metodologia de identificação da síndrome, a tendência é que as estatísticas caiam. “Muitas vezes, os altos ou baixos números de morte por sepse nos países vinham de diferenças na forma de classificar e notificar a doença”, explica o autor do estudo. O pesquisador espera que o estudo Sepse 3 incentive as autoridades sanitárias a padronizar o que é considerado sepse.

Serviço
Sepse 3.0 – Novas definições e implicações
Palestra com dr. Mervyn Singer
19h30
Centro de Convenções Rebouças
av. Rebouças, 600
Pinheiros – São Paulo – SP
Associados AMIB: gratuito
Não-associados: R$ 150
Inscrições: www.amib.org.br

Portal Saúde Business

About Portal Saúde Business

Formar e informar o executivo de saúde é o que fazemos todos os dias. Há mais de 15 anos desenvolvendo um conteúdo proprietário e centrado nos principais gestores do país, acompanhamos as notícias e tendências que impactarão no dia-a-dia dos hospitais, operadoras, centros diagnósticos, farmacêuticas e clínicas do país.

Leave a Reply