This site is operated by a business or businesses owned by Informa PLC and all copyright resides with them. Informa PLC's registered office is 5 Howick Place, London SW1P 1WG. Registered in England and Wales. Number 8860726.

Hospital Anis Rassi investe em tecnologia para aumentar segurança

By 23 de julho de 2020 Hospital, Você Informa

Equipamentos para a desinfecção de máscaras e ambientes, além de impressões 3D de dispositivos para auxílio na assistência estão entre as inovações implantadas pela instituição

Buscando superar alguns desafios impostos pela pandemia de Covid-19, o Hospital Anis Rassi, de Goiânia (GO), investiu em criação e inovação para tornar o trabalho dos profissionais da saúde mais eficaz e, principalmente, para proporcionar mais qualidade na assistência e segurança a pacientes e colaboradores.

Assim, diante de dificuldades em encontrar equipamentos de proteção individual (EPIs) no mercado, a equipe de Engenharia Clínica e Manutenção do hospital desenvolveu um equipamento que desinfeta as máscaras N95, também chamadas de PFF2. De acordo com a nota técnica 04/2020 da Anvisa, que libera a reutilização dessas máscaras de uso único, o hospital se viu na obrigação de criar algo que promovesse a qualidade dessa reutilização.

Trata-se de uma caixa que utiliza lâmpadas “germicidas” do tipo ultravioletas tipo C (UV-C), de 254 nanômetros de comprimento de onda, capazes de desabilitar os micro-organismos, como explica o gerente de Engenharia Clínica do Hospital Anis Rassi, Marcelo Moura. “Vários estudos de universidades brasileiras e estrangeiras já comprovaram que os raios ultravioletas desativam o vírus”, explica o especialista.

Porém, a máscara precisa estar íntegra, sem nenhum dano, como rasgos e sujeiras, segundo ordena a Anvisa. O processo de desinfecção também não prolonga a vida útil do EPI por mais de 14 dias, mas descontamina e melhora as condições de reuso das máscaras durante esse período.

A criação da equipe focou na qualidade em todos os detalhes. “A máquina possui um temporizador para expor a máscara pelo período necessário para desabilitar o vírus. Tem ainda um sensor que protege os colaboradores, para que os raios UVC não atinjam o rosto e o corpo dos mesmos, pois esses raios são maléficos para a pele e visão de quem opera o equipamento”, explica Marcelo.

Impressora 3D e criação

Outros equipamentos que se tornaram difíceis de encontrar com a pandemia foram as máscaras VNI (Ventilação Não Invasiva), que são essenciais para o atendimento de pacientes com dificuldades respiratórias e para evitar que precisem de um ventilador pulmonar, em uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

“Quando o departamento de compras do hospital apontou o problema da falta de máscaras VNI no mercado, procuramos por máscaras de mergulho para adaptação, foi quando vimos que os italianos haviam tido uma ideia semelhante e nos inspiramos neles”, explica o engenheiro.

O Departamento de Engenharia do Anis Rassi já possuía uma impressora 3D, que era utilizada para a impressão de peças diversas, mais a título de estudos e pesquisa. Então, esse equipamento 3D passou a ser usado também para a impressão de válvulas, que foram utilizadas para adequar as máscaras de mergulho para a utilização tanto com o ventilador pulmonar no módulo de VNI, quanto em outro aparelho de ventilação, o BiPAP.

Outras impressões feitas são de itens simples, mas que auxiliam muito no dia a dia dos profissionais do hospital. “Foram criados clipes para colocar nas máscaras e impedir o embaçamento dos óculos, além de extensores que evitam que os elásticos machuquem as orelhas”, cita Marcelo Moura.

Desinfecção de todo o ambiente

Mais um investimento em segurança foi outro equipamento que também utiliza os raios ultravioletas, mas para desinfetar ambientes. Marcelo Moura explica que o funcionamento é semelhante ao do equipamento criado para esterilizar as máscaras.

“São utilizadas as mesmas lâmpadas, mas com uma potência maior. Nós evacuamos o ambiente e colocamos o equipamento no local e ligamos por cerca de 30 minutos com intervalos e mudanças de posição, para que todas as áreas sejam atingidas”. No entanto, ele ressalta que esse procedimento não substitui a higienização padrão do hospital.

Outro objetivo da instituição é não deixar essas inovações restritas ao Anis Rassi. Segundo o diretor Técnico Médico, Raimundo Nonato Diniz Rodrigues Filho (CRM/GO – 12140), as criações podem ser compartilhadas com outras unidades de saúde.

“Nesse momento de pandemia, não tem como não contribuir de maneira colaborativa. O Marcelo tem trazido soluções de utilização adequada do recurso, sem se esquecer de tratar de maneira mais humanizada todos os pacientes que adentram o hospital. Portanto, acreditamos que essas inovações possam ser replicáveis e utilizadas por outras instituições”, afirma Raimundo Nonato.

Releases

About Release enviado por rosany rodrigues da cunha

Assessoria de Imprensa - Hospital do Coração Anis Rassi