NEWSLETTER Assine gratuitamente e atualize-se semanalmente Assine

Falta de medicamentos para arritmias nos hospitais preocupa

Por 7 de fevereiro de 2019 Você Informa

O principal medicamento utilizado para o tratamento de diversas arritmias cardíacas, como a fibrilação atrial e taquiarritmias ventriculares – doenças potencialmente fatais – está em falta nas farmácias dos hospitais brasileiros. A Amiodarona injetável é praticamente a única opção para o tratamento clínico de arritmias graves.

O ofício encaminhado para a Agência de Vigilância Sanitária – Anvisa, e assinado em conjunto pela SBC e SOBRAC, solicita que seja verificado, com a maior rapidez possível, a situação atual da distribuição da Amiodarona injetável. O documento pede também que a Agência atue de todas as maneiras possíveis para normalizar a situação.

“Nas últimas duas décadas, a Fibrilação Atrial tornou-se um importante problema de saúde pública, com grande consumo de recursos em saúde. O avanço da doença repercute diretamente na qualidade de vida da pessoa, em especial devido a suas consequências clínicas, como a formação de coágulos que podem levar a um infarto, um AVC ou uma trombose de grandes artérias periféricas ou ainda alterações cognitivas”, explica o presidente da SBC, Oscar Dutra.

“Aqui no Brasil estimamos que 1,5 a 2 milhões de pessoas devam ter Fibrilação Atrial e que poderá chegar a 10 milhões em 2.050. Nos Estados Unidos, estima-se que a prevalência da doença será de 15,9 milhões em 2.050.”, completa o presidente da SOBRAC, Jorge Carlos Moura Jorge.

Em outros países, que dispõem de vários outros medicamentos antiarrítmicos por via venosa, o uso da Amiodarona é geralmente a primeira opção. “No Brasil, é praticamente a única opção. Por isso, trata-se de remédio de vital importância, uma vez que o tratamento inadequado de arritmias pode levar a consequências graves, inclusive à morte”, alerta Moura Jorge.

O uso da Amiodarona é recomendado para o tratamento de pacientes com fibrilação atrial por diretrizes nacionais e internacionais, assim como para as arritmias ventriculares. Além disso, dada a sua eficácia e segurança clínica, é particularmente indicada para o tratamento de arritmias em pacientes com doenças cardíacas graves, como insuficiência cardíaca congestiva, especialmente na Doença de Chagas.

Releases

Sobre Release enviado por Vanessa Brauer

Jornalista formado em Comunicação Social com especializações em Jornalismo e Rádio e TV e Pós-graduado em Administração de Empresas pela FAAP. Fez curso de especialização em Marketing Empresarial na FGV. Já trabalhou nas TVs Globo, Bandeirantes, Record e Rede Mulher e nas emissoras de rádio Eldorado e Bandeirantes.

Deixe uma resposta