This site is operated by a business or businesses owned by Informa PLC and all copyright resides with them. Informa PLC's registered office is 5 Howick Place, London SW1P 1WG. Registered in England and Wales. Number 8860726.

⚠️ Hospital Albert Einstein, Rede D'Or, Amil, DASA, Fleury... todos no HIS. E você? Clique aqui

3 maneiras de obter cuidados centrados no paciente

By 3 de maio de 2019 Destaques, Você Informa

A tecnologia digital tem o potencial de melhorar a eficiência e os resultados da assistência médica em países do mundo todo. Recentemente, eu estava em Sydney falando na Conferência de Informática de Enfermagem da Austrália (NIA), onde tive a oportunidade de me envolver com enfermeiras e vários outros profissionais de saúde sobre esse mesmo tópico.

O sistema de saúde australiano parece notavelmente bem-sucedido na obtenção de bons resultados com razoável controle de custos. No entanto, como em muitos países, o sistema continua fragmentado. Isso resulta em uma duplicação de serviços e deixa lacunas no atendimento prestado ao paciente.

A fragmentação do cuidado vivenciada pelos pacientes hoje está enraizada na falta de integração e coordenação dos cuidados devido à ausência de uma “história do paciente” e um plano de cuidado longitudinal compartilhado entre os membros da equipe interprofissional quando os pacientes passam de uma para a outra.

Como colocar os pacientes no centro dos cuidados

Para alcançar um processo de planejamento de cuidados verdadeiramente bem-sucedido, o paciente deve estar no centro dos cuidados. Gostaria de compartilhar três coisas importantes que as equipes de atendimento podem fazer para promover o cuidado centrado:

1. Siga um processo de avaliação eficaz

A reflexão escrita do progresso do paciente, na qual o clínico “recua” e avalia se os cuidados prestados estão funcionando e documenta o progresso geral em relação aos resultados e objetivos esperados, geralmente é ausente ou, na melhor das hipóteses, muito difícil de encontrar na maioria dos sistemas de Registro Eletrônico de Saúde (EHR). Para que o processo de avaliação seja eficaz são necessários os seguintes elementos-chave:

• Vigilância contínua e consistente é um aspecto do cuidado frequentemente omitido. Essa omissão pode levar a lesões decorrentes da doença subjacente do paciente que poderiam ter sido prevenidas por meio de detecção precoce e intervenção apropriada e oportuna.

• Plano de cuidados e intervenções são continuamente revisados, atualizados e individualizados com base nas necessidades dos pacientes avaliados e na sua resposta aos cuidados prestados.

• Avaliação deve ser documentada seguindo uma estrutura padronizada que facilita a comunicação e o compartilhamento de conhecimento do status geral do paciente. A informação obtida torna-se parte integrante do processo de troca profissional (mudança do relatório de turnos).

2. Use uma ferramenta de apoio à decisão clínica para planos de cuidados

Um grande erro que a maioria das organizações comete quando cria planos de cuidado é desenvolvê-los como uma série de tarefas/atividades que são programadas e agendadas para preencher as listas de trabalho. Com essa abordagem, o planejamento é frequentemente reduzido para tarefas de limpeza da lista. As equipes clínicas precisam ver os planos de cuidados como uma oportunidade de fornecer a seus colegas uma ferramenta poderosa de suporte à decisão clínica (CDS) que seja totalmente integrada ao fluxo de trabalho diário no ponto de atendimento. Para que um plano de cuidados seja uma ferramenta de CDS, ele deve ser baseado em evidências, projetado para padronizar os cuidados prestados e fornecer informações concisas e relevantes ao clínico. Essa informação promove o conhecimento que, combinado com a ação, leva a melhores resultados.

3. Concentre-se na educação do paciente

Um dos aspectos mais frequentemente omitidos do cuidado é a educação do paciente. A prática mais comum é que a educação seja feita no momento da alta. Envolver os pacientes, proporcionando-lhes uma educação relevante e oportuna, é fundamental para assegurar transições adequadas de cuidados. Um programa bem-sucedido de educação começa na admissão e o objetivo deve ser um componente vital do planejamento da assistência.

Garantir que o paciente e o cuidador principal tenham conhecimento sobre o que fazer após a hospitalização reflete a responsabilidade de toda a equipe interprofissional. Avaliar a compreensão e fornecer folhetos educativos e vídeos interativos específicos para as necessidades avaliadas durante a internação ajudam as equipes de atendimento a criar conexões significativas com seus pacientes, levando a melhores perguntas, conversas e aprendizado. Um paciente instruído e/ou um cuidador principal com um plano de alta apropriado afeta as taxas de readmissão, minimiza a ansiedade e melhora a experiência geral. A educação e o envolvimento são, em última instância, sobre o paciente e o provedor trabalhando juntos para melhorar a saúde e o bem-estar do paciente.

Os benefícios da colaboração interdisciplinar e da integração EHR

Temos exemplos de hospitais-clientes que alcançaram colaboração interdisciplinar e melhoraram os resultados dos pacientes com o planejamento de cuidados integrados em seus EHR. A maioria desses hospitais lutava com sistemas de documentação e planejamento de cuidados manuais e baseados em papel que impediam a prestação de cuidados colaborativos, individualizados e padronizados. Desde a implementação do Care Planning da Elsevier, nossos hospitais-clientes alcançaram práticas padronizadas baseadas em evidências, aprimoraram os cuidados centrados no paciente, reduziram redundâncias e melhoraram a produtividade e a conformidade normativa. Eles também obtiveram mais de 90% de adesão ao uso de planos de cuidados apropriados baseados nos sintomas e na admissão do diagnóstico.

Conectando os pontos

O ditado de que “o trabalho em equipe faz o trabalho dos sonhos” nunca foi mais verdadeiro do que na área da saúde.

Aqueles na linha de frente do cuidado devem reconhecer que o planejamento longitudinal de cuidados é uma ferramenta crítica para assegurar o cuidado centrado no paciente. Como resultado, a coordenação longitudinal deve passar de uma aspiração pelas organizações de saúde para um imperativo. Isso pode ser feito abraçando a cultura do trabalho em equipe e o “conhecimento que fortalece”, que está essencialmente transformando os dados e o conhecimento que temos em ações que podemos tomar para melhorar a qualidade do atendimento.

A coordenação eficaz do cuidado longitudinal requer uma abordagem abrangente, incluindo a adoção de soluções de CDS baseadas em evidências para orientar a transformação da cultura total necessária para criar metodologias de prestação de cuidados que diminuam a fragmentação e melhorem os resultados dos pacientes.

Sobre o Autor:
Robert Nieves é Vice-Presidente Global para Informática em Saúde da Elsevier

About Release enviado por Elsevier

INFORMAÇÕES PARA A IMPRENSA: DFREIRE Comunicação e Negócios – (11) 5105-7171 Cassia Larrubia – cassia@dfreire.com.br Carolina Amaral – assistente@dfreire.com.br

Leave a Reply