This site is operated by a business or businesses owned by Informa PLC and all copyright resides with them. Informa PLC's registered office is 5 Howick Place, London SW1P 1WG. Registered in England and Wales. Number 8860726.

⚠️ Hospital Albert Einstein, Rede D'Or, Amil, DASA, Fleury... todos no HIS. E você? Clique aqui

Rastreabilidade e a garantia de mais segurança e conhecimento ao paciente

By 8 de fevereiro de 2019 TI e Inovação

As Órteses, Próteses e Materiais Especiais (OPMEs) têm representado no setor saúde um valor expressivo dentro dos custos assistenciais, incrementando a sinistralidade tanto no setor público quanto na saúde suplementar. Além disso, a mídia tem demonstrado o aumento de número de fraudes na cadeia produtiva desses produtos médicos. Existem inúmeras legislações relacionadas às OPMEs – norteadas por órgãos como a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), Conselho Federal de Medicina (CFM) e Associação Médica Brasileira (AMB) – que buscam o maior controle da utilização e monitoramento da qualidade dos materiais. E, neste contexto, encontra-se diferentes “players” de mercado.

As operadoras de saúde são responsáveis pela liberação das OPMEs para a realização de um determinado procedimento e os médicos devem solicitar os materiais necessários (tipo, característica, quantidade, dimensão, entre outros). Os hospitais, por sua vez, disponibilizam toda estrutura física, além dos materiais e equipe, podendo ainda participar do processo de aquisição dos produtos médicos. E, por fim, as indústrias, empresas importadoras e empresas distribuidoras, apresentam diferentes atividades que contemplam desde a produção à distribuição, de acordo com as legislações vigentes. Portanto, a utilização de um determinado OPME em uma cirurgia envolve inúmeras etapas, com diferentes tipos de atuações, e a integração do processo é de extrema importância para a qualidade da assistência prestada e segurança do paciente.

Neste contexto, a identificação e rastreabilidade das OPMEs a serem utilizadas nas cirurgias e/ou procedimentos médicos é fundamental para o acompanhamento dos resultados, maior controle de fabricação, avaliação de desempenho e correção de possíveis falhas. Dentre os seus principais objetivos (além de assegurar que os produtos atendam à legislação, normas e regulamentos técnicos vigentes) buscou-se oferecer subsídios às instituições médico-hospitalares e aos profissionais de saúde no atendimento ao paciente, de forma a garantir segurança na utilização desses produtos. Ou seja, maior segurança quanto à eficácia dos procedimentos cirúrgicos e do controle

da ocorrência de adventos adversos. A rastreabilidade já é conhecida há décadas por diferentes indústrias, sendo a National Aeronautics and Space Administration (NASA) citada por alguns autores como uma das pioneiras na sua utilização. A empresa usava a rastreabilidade para aumentar o controle da qualidade dos sistemas espaciais. De forma genérica, o conceito consiste na capacidade de recuperar um histórico de um produto em qualquer etapa de seu processamento, de modo que ações corretivas possam ser tomadas de forma rápida, se necessário. Para que isso aconteça, a ação de rastreabilidade envolve a identificação única de cada produto e uma rígida política de documentação.

De acordo com Manual de Boas Práticas de Gestão das Órteses, Próteses e Materiais Especiais (OPME), do Ministério da Saúde, a rastreabilidade é a “capacidade de traçar o histórico, a aplicação ou a localização de um item por meio de informações previamente registradas”. As rotinas de rastreabilidade envolvem todos os signatários do setor (fabricante, importador, distribuidores, hospitais e os patrocinadores) sejam públicos e privados, e os produtos implantáveis devem ter histórico completo do caminho percorrido até ser implantado no paciente e processado para controle e pagamento.

Um dos métodos utilizados para a rastreabilidade dos produtos médicos implantáveis é a utilização das etiquetas. Não vamos aqui discorrer sobre as legislações vigentes, mas sim enfatizar que é direito do consumidor receber todas as informações detalhadas de um produto implantado no seu corpo, mesmo que este produto seja retirado após determinado período. Também é direito receber todas as informações sobre o procedimento realizado, materiais e medicamentos utilizados. Gosto sempre de exemplificar que, quando compramos um liquidificador, recebemos todas as informações sobre fabricação, lote, instruções de uso, termo de garantia, dados para contato no caso de dúvidas, entre outras informações. E por que isso não se aplica no contexto das OPMEs? Em casos nos quais o paciente é submetido a uma cirurgia, onde são implantados materiais em seu corpo, na maioria das vezes ele não possui nenhuma informação sobre o material em questão.

Sobre o Autor:
Andréa Bergamini, diretora-técnica da Gestão OPME

Portal Saúde Business

About Portal Saúde Business

Formar e informar o executivo de saúde é o que fazemos todos os dias. Há mais de 15 anos desenvolvendo um conteúdo proprietário e centrado nos principais gestores do país, acompanhamos as notícias e tendências que impactarão no dia-a-dia dos hospitais, operadoras, centros diagnósticos, farmacêuticas e clínicas do país.

Leave a Reply