This site is operated by a business or businesses owned by Informa PLC and all copyright resides with them. Informa PLC's registered office is 5 Howick Place, London SW1P 1WG. Registered in England and Wales. Number 8860726.

Quais são as empresas de saúde mais inovadoras?

By 30 de julho de 2015 TI e Inovação
acreditação-hospitalar

Estamos carecas de saber que falta uma cultura de inovação no Brasil. Isso quer dizer que os brasileiros não têm criatividade? Não. Não é isso. O fato é que tem uma série de obstáculos para que a inovação seja considerada um aspecto estratégico dentro das organizações brasileiras.

As reclamações de empresários e investidores se assemelham nos quesitos: falta apoio governamental; o custo da inovação é alto, ou seja, vários fatores no sistema de produção, infraestrutura e educação encarecem a atividade de P&D no País; excesso de burocracia atrelada aos processos P&D; distanciamento entre empresas e academias; entre outros.

No índice global de inovação de 2014, organizado pela Organização Mundial de Propriedade Intelectual (Wipo, na sigla em inglês), o Brasil ocupa a 61° posição de 143 países. Na Europa, por exemplo, o registro de um produto leva seis meses para acontecer e de uma patente até três anos. Já no Brasil, o tempo de três anos é para o registro de produtos e acima de sete anos para patentes.

Apesar de estarmos atrás em relação a muitos outros países, a inovação já virou assunto recorrente, principalmente depois da Lei de Inovação, promulgada no fim de 2004, e o advento de políticas públicas de fomentos nos últimos anos. Segundo o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), a soma dos aportes públicos e privados em P&D foi de R$ 54,93 bilhões em 2012, o equivalente a 1,24% do PIB – percentual ainda longe da meta de 2%.

Quais são as empresas de saúde mais inovadoras? 
De acordo com a publicação “As 100 Maiores Empresas mais Inovadoras”, do Valor Econômico em parceria com a Strategy& (julho de 2015), as farmacêuticas e as empresas de Ciências da Vida aparecem em primeiro lugar como as que mais investem em inovação, 100% das que participaram do estudo do Valor, com 136 empresas de diferentes ramos, afirmaram investir mais do que 5% de seu faturamento em P&D. O estudo contempla apenas instituições que faturam acima de R$ 750 milhões.

Em seguida, os nichos que mais investem são: TI e Telecom (38% delas investem mais do que 5% do faturamento); Serviços Financeiros (18% investem acima dos 5% do faturamento); Bens de Capital (8%); e Bens de Consumo (6%).

Na divisão por setor, a pesquisa traz as cinco que mais se destacaram entre as farmacêuticas:

  • Aché
    Única empresa nacional entre as primeiras do ranking
    Investiu R$ 58 milhões em P&D em 2014
    Em 2014 lançou 19 novos produtos
    O pipeline contém 184 projetos a serem desenvolvidos
    Em 2015, vai manter 10% da geração de caixa operacional em P&D e Inovação
  • Bayer
    Previsão de investir R$ 213 milhões no Brasil em P&D este ano
    Líder no segmento de Saúde da Mulher
    Responsável por 10% das exportações da indústria farmacêutica brasileira
  • Novartis
    Receita anual: R$ 3,3 bilhões
    De 3000 pessoas no Brasil, 300 são dedicadas à inovação
    R$ 170 milhões investidos em estudos clínicos no Brasil
    Com faturamento anual de US$ 58 bilhões (sede Suíça), US$ 9,9 bilhões vão para P&D (2014)
  • Janssen
    Áreas mais importantes: oncologia, imunologia, doenças infecciosas, sistema nervoso central, cardiologia e metabolismo
    Laboratório tem 679 pesquisas em diferentes moléculas
  • Sanofi
    Com unidade de estudos clínicos em São Paulo, a empresa emprega cem funcionários
    Produz 54 testes clínicos, entre estudos globais e regionais para quatro empresas de saúde humana do grupo – Farma, Medley, Sanofi Pasteur e Genzyme
    Na última década, a empresa investiu mais de U$$ 125 milhões em P&D

LEIA MAIS:
5 farmacêuticas que mais produzem valor aos stakeholders

Crise no Mercado Farma? 3 Dicas essenciais para crescer

Como um país tão empreendedor pode ser tão pouco inovador?

 

Nathalia Nunes

About Nathalia Nunes

Fonoaudióloga formada pela FMUSP, com MBA em Economia e Gestão em Saúde na UNIFESP e apaixonada por comunicação, negócios e tecnologia em saúde. Na Live, trabalho com Marketing, Pesquisa e Conteúdo, tanto na produção de materiais editoriais e de pesquisa, quanto na difusão de temas e ações relacionados a negócios em saúde.

Leave a Reply