INSCREVA-SE para o HIS19 e atualize-se com mais de 70 horas de conteúdo! Inscreva-se

Nova resolução impacta positivamente startups de Psicologia Online

By 14 de janeiro de 2019 TI e Inovação

No último ano uma nova resolução, publicada pelo Conselho Federal de Psicologia, liberou a Psicoterapia online no Brasil. A regulamentação, esperada há tempos por muitos profissionais, pôs fim a uma série de restrições, abriu espaço para discussão e ampliou o acesso de serviços de psicologia a pessoas que vivem em locais remotos.
O que ainda parece novo e pouco familiar para alguns, já vinha sendo praticado há anos por outros. Não é de hoje que alguns psicólogos e pacientes utilizam a internet para suas consultas. Apesar a liberação em 2018, atendimentos psicológicos já ocorrem online desde o início dos anos 2000. Com o surgimento do Skype em 2003, algumas pessoas passaram a usar esse meio de comunicação para conversar com seus terapeutas quando estavam em viagem ou quando precisaram mudar de cidade ou país.
Um pouco de história
Desde o início dos tempos nós, seres humanos, tivemos que descobrir meios para nos comunicarmos à distância. Dos batuques de tambor e sinais de fumaça à criação do telégrafo e telefones, sempre alguma mente inquieta esteve engajada em desenvolver invenções que pudessem facilitar a comunicação. Com a chegada dos computadores, internet e, na última década, os smartphones, temos visto uma mudança não somente na forma de comunicação, como também no modo de contratarmos e recebermos serviços, como por exemplo o de saúde.
Telemedicina já é uma realidade mundial. Quando olhamos para a psicologia, os registros de atendimentos remotos e assíncronos datam da época de Freud, que costumava trocar cartas com seus pacientes. Uma das primeiras vezes que experimentaram uma consulta psicológica online foi em 1972, em uma conferência organizada pelas universidades de Stanford e UCLA, na Califórnia. Se considerarmos a terapia realizada através de ligações telefônicas, a história começa bem antes, por volta do início de 1960.
Em 1995 os primeiros sites e portais começaram a promover discussões sobre saúde mental, atraindo pessoas para salas de bate papo com psicólogos. A expansão do chat criado pelo psicólogo americano John Grohoh se transformou em um dos maiores portais de saúde mental do mundo, o Psych Central.
Terapia online no Brasil
No Brasil, os primeiros estudos sobre o tema começaram nos anos 2000, onde a psicoterapia online era realizada para fins de acadêmicos, inicialmente através de troca de e-mails. A primeira resolução que versou sobre o atendimento através de meios digitais é de 2005. Em 2012, anos depois do lançamento do primeiro iphone, essa resolução foi revisada, sendo publicada sob o nome de Resolução CFP 11/2012. Ela autorizava a prática de uma modalidade que ficou conhecida como orientação psicológica online. Já considerada defasada na época da sua publicação, o documento de 2012 possuía diversas restrições como um limite de 20 atendimentos por paciente, limitando o atendimento a consultas pontuais e para assuntos específicos. Ao limitar o número de sessões, esbarrava em um ponto ético bem importante, a negligência do atendimento de saúde a quem precisava.
Foi somente em 2016 que as primeiras startups do setor começaram a surgir por aqui. Utilizando-se de tecnologia, conhecimento de telemedicina e tendo como base benchmarks globais como a Talkspace, BetterHelp e Babylon Health, essas empresas ampliaram o acesso a esse tipo de serviço e provocaram debates importantes, que culminaram na liberação da Terapia Online no último dia 14 de novembro de 2018.
Regulamentar um serviço que amplia o acesso a cuidados de saúde mental era fundamental. Vivemos em um país considerado o mais ansioso do mundo pela Organização Mundial da Saúde. Temos o pior índice de depressão da América Latina, mas não só isso. O Brasil possui dimensões geográficas que dificultam o acesso aos mais diversos tipos de serviço, entre eles saúde de qualidade. Estima-se que 50% dos nossos municípios não possuam psicólogos disponíveis para o atendimento clínico.
O impacto da nova resolução é extremamente positivo para a população e também para as startups, em especial às que buscaram, desde o início, ter atenção a requisitos relacionados à segurança da informação. O Consultório Virtual Vittude foi desenvolvido em parceria com uma empresa do Vale do Silício, com o que há de mais moderno na Telemedicina Mundial, atendendo a protocolos internacionais de segurança como HIPAA Act e HITECH Act, protocolos americanos que regulamentam a segurança de dados em saúde.
Terapia online e segurança da informação
Um dos pontos altos da nova resolução é a exigência de um cadastro individual aos psicólogos, juntos aos conselhos regionais de psicologia. Os profissionais agora precisam se cadastrar no e-psi e receber uma autorização para atender online. No momento deste cadastro, o psicólogo é obrigado a informar qual plataforma irá utilizar para os atendimentos e explicar como ele vai garantir o sigilo e segurança dos dados de seus pacientes. Ferramentas de comunicação largamente utilizadas como Skype e WhatsApp, apesar de possuírem criptografia, não seguem protocolos de segurança HIPAA. A política de privacidade do Skype, por exemplo, declara que coleta o conteúdo de suas comunicações, incluindo gravações de vídeo, áudio e mensagens. Essa coleta de dados é autorizada por nós, usuários, ao concordarmos com os termos de uso da plataforma.
Além disso, as startups agregam muito valor ao exercício da própria profissão de psicologia, fornecendo não somente um consultório seguro, mas também funcionando como uma verdadeira ponte entre psicólogos e pacientes. Através de algoritmos, conseguimos promover uma escolha mais assertiva à população e também derrubamos barreiras geográficas. Psicólogos que antes ficavam limitados às indicações de amigos, pacientes e outros profissionais, agora podem ter acesso a pessoas de qualquer canto do mundo. Atualmente a Vittude já atende brasileiros em mais de 40 países, através da terapia online, oferecendo também funcionalidades como prontuário eletrônico e gestão financeira aos seus psicólogos.
Ao meu ver, o grande desafio é mais cultural do que tecnológico. É preciso não somente conectar psicólogos e pacientes, mas também educar toda uma população sobre a importância de cuidar da saúde mental. Infelizmente, a psicologia ainda é rodeada de estigma e preconceito que precisa ser vencido com muita educação. Para isso, estratégias eficientes de marketing de conteúdo serão fundamentais.

Portal Saúde Business

About Portal Saúde Business

Formar e informar o executivo de saúde é o que fazemos todos os dias. Há mais de 15 anos desenvolvendo um conteúdo proprietário e centrado nos principais gestores do país, acompanhamos as notícias e tendências que impactarão no dia-a-dia dos hospitais, operadoras, centros diagnósticos, farmacêuticas e clínicas do país.

Leave a Reply