This site is operated by a business or businesses owned by Informa PLC and all copyright resides with them. Informa PLC's registered office is 5 Howick Place, London SW1P 1WG. Registered in England and Wales. Number 8860726.

+100 PALESTRANTES Saiba quem estará nos palcos do HIS19. 🎙 Clique aqui

Doença digital já preocupa Apple, Google e FB

By 14 de junho de 2018 Colunas, TI e Inovação

Parece uma ironia do destino, mas no momento em que as empesas de tech marcam sua entrada no setor de Saúde Digital, seus usuários mais assíduos começam a manifestar sintomas de doenças digitais que não existiam até o século passado. E todas diretamente relacionadas ao uso da tecnologia desenvolvida por elas próprias. Sinal dos tempos.

Talvez tenha sido essa a razão pela qual o CEO da Salesforce disse, há cerca de um mês, que o Facebook era o cigarro da indústria tech. Na hora teve gente que entendeu aquilo apenas como uma observação sobre o vício que a rede social causa em alguns usuários. Mas a coisa, naturalmente, vai muito além.

Os problemas de saúde que a tecnologia tem causado na população mundial já acendeu alertas dentro e fora de empresas como Apple, Google e o próprio Facebook. Estudos científicos recentes já comprovaram que o excesso de utilização da rede social, por exemplo, tem causado entre os usuários problemas como depressão grave, isolamento crônico e FOMO (Fear Of Missing Out).

Outros estudos, igualmente preocupados com os efeitos das novas doenças digitais, comprovam que o simples fato de manter um smartphone por perto compromete a longo prazo a capacidade de concentração de um usuário. “É uma nova forma de dependência psicológica. Não há resposta fácil para isso” afirma um analista da renomada consultoria Gartner.

Já para o guru Brian Solis, da Altimeter, “os dispositivos móveis deixaram de ser um apêndice e viraram uma conexão física real para tudo o que julgamos relevante”. Imagine só o que pode acontecer após o boom dos vestíveis.

Não foi por acaso, portanto, que o Mark Zuckerberg declarou recentemente, perante uma corte em Bruxelas, que está preocupado que o uso da tecnologia pelas pessoas seja “boa para seu bem-estar”. Na prática muitas grandes empresas de tecnologia já estão pensando seriamente em soluções para esses novos problemas.

Prova disso é que no início de maio o Google lançou o Digital Wellbeing Initiative, um conjunto de ações que visa ajudar os usuários de Android a controlar melhor o tempo que gastam na internet.

Para quem sempre buscou formas de aumentar o tempo de permanência de seus usuários na rede, não deixa de ser surpreendente. Mas quando há apenas dez anos se falava a palavra Saúde Digital, aquilo também soava surpreendente. E hoje a expressão já faz parte do glossário dos mais ortodoxos.

Considerando os estudos em andamento, quem sabe com a doença digital não vá ocorrer o mesmo?

Istvan Camargo

About Istvan Camargo

Atualmente conectado ao universo da Medicina Diagnóstica, tendo ingressado no Grupo Sabin em 2018, Istvan Camargo vem inovando na Saúde há mais de 10 anos. Já desenvolveu serviços e estratégias de impacto para Operadoras de Saúde, Farma e Clínicas Populares. Foi pioneiro na criação de redes sociais de saúde, tendo criado cases de sucesso para grandes centros de pesquisa científica e grupos de apoio a pacientes crônicos. Realizou +30 palestras sobre temas ligados à Saúde Digital em conferências como Social Media Week, Campus Party e Health 2.0 LATAM.

Leave a Reply