NEWSLETTER Assine gratuitamente e atualize-se semanalmente Assine

Como seu computador pode juntar esforços contra o câncer

Por 31 de março de 2016 Colunas, TI e Inovação

Existem belezas admiráveis na sociedade conectada. Como quando o mundo financiou R$ 1 milhão para ampliações da ONG Santuário Animal em Cotia-SP e tantas outras campanhas de crowfounding cheias de significado. Nesse espectro terno da sociedade conectada que o World Community Grid, definitivamente, reside.

O World Community Grid é uma iniciativa para usar, voluntariamente, o poder de processamento computacional ocioso dos nossos dispositivos – como celular ou notebook – para ajudar a resolver problemas globais, incluindo a cura para o câncer e a melhoria do tratamento para a AIDS. Para entender o que isso representa, precisamos levar em conta que processar grandes quantidades de dados leva tempo e que analisar esses dados tem muita importância para para o avanço científico.

Esse super computador público foi criado pela IBM em 2004. Inicialmente, apenas usuários do Windows podiam contribuir. De lá para cá, ele ganhou suporte a vários outros sistemas operacionais, incluindo iOS e Android, e já contribuiu com diversos projetos. Um dos projetos que utilizou o poder computacional do World Community Grid foi relacionado ao vírus da varíola. Foram analisados 35 milhões de moléculas de drogas com ações potenciais ao vírus da varíola e o resultado foi de 44 tratamentos potenciais.

O World Community Grid não é uma iniciativa única. Outros serviços com foco no avanço científico utilizam também o que chamamos de computação voluntária. Até há pouco tempo, o maior deles era o SETI@HOME, que processa dados coletados por radiotelescópios na casa de centenas de milhares de pessoas ao redor do mundo procurando por sinais de vida no universo. Atualmente, o Folding@home, administrado pelo universidade de Stanford, o ultrapassou e se tornou a maior iniciativa do gênero em funcionamento no mundo, seus esforços são voltados para entender doenças como o Alzheimer e a doença da vaca louca.

Na computação voluntária, você baixa um programa ou aplicativo e se cadastra no projeto. Normalmente, nunca usamos a capacidade total de processamento dos nossos dispositivos e o processador fica com poder computacional ocioso. O programa, então, detecta essa ociosidade e a utiliza em segundo plano, sem atrapalhar a tarefa principal que está sendo executada, em prol do projeto escolhido.

O World Community Grid está com projetos abertos na área da saúde voltado para análise de assinaturas genéticas do câncer, entendimento sobre a bactéria da tuberculose, drogas efetivas contra o vírus do Ebola e a melhoria dos tratamentos da AIDS. Ao todo, a iniciativa já processou o equivalente a 880 mil anos em poder computacional, apoiou 22 projetos e tem mais 65 mil voluntários espalhados em 80 países. Então que tal você juntar os seus esforços? Se você se interessou, pode começar aqui.

Filipe Boldo

Sobre Filipe Boldo

Gerente de TI da Live Healthcare Media, desenvolvedor, empreendedor e entusiasta da cultura startup.

Deixe uma resposta