INSCREVA-SE para o HIS19 e atualize-se com mais de 70 horas de conteúdo! Inscreva-se

Como estimular a inovação em hospitais?

By 23 de setembro de 2015 TI e Inovação

Incremental ou disruptiva, a inovação é buscada por gestores de todos os setores da economia, dentro ou fora da saúde, já que com ela surgem novas oportunidades de negócios e melhorias para redução de custos e aumento da produtividade. A dificuldade está em fomentá-la em meio a processos, metas, métricas e o dia a dia corrido, especialmente em ambientes hospitalares. Para o superintendente do Hospital Brasília e Maternidade Brasília, Erickson Blun, que será palestrante do Hospital Innovation Summit, mesmo nesse ambiente sério e atribulado, é possível envolver as pessoas e levá-las a contribuir com sugestões inovadoras para melhorar a produtividade dos hospitais. Leia a entrevista.

Quer saber mais sobre inovação em hospitais? Inscreva-se para o Hospital Innovation Show

Saúde Business: Hospitais costumam ser vistos como ambientes sisudos, com muitos protocolos e regras. Como estimular a inovação nesse cenário?

Erickson Blun: Na saúde, há um mantra que relaciona inovação à tecnologia e isso é levado muito a sério. A inovação, porém, está nas pessoas. É ótimo investir em TI e tecnologias assistenciais, mas são as pessoas que fazem a diferença na inovação e na produtividade. Para estimulá-las, é preciso que elas se sintam parte da empresa e da estratégia. Se o sentimento do colaborador for de que ele é só mais um funcionário no processo, ele não vai querer inovar. Outro ponto para estimular a criatividade é trabalhar com os sentidos. A inovação é sensorial: envolve tato, olfato, audição, paladar, visão e, nessa época que vivemos hoje, conexão.

SB: Por favor, cite exemplos ou cases de inovação que aumentaram a produtividade em hospitais.

Blun: Fora do ambiente de saúde, temos os exemplos do Google e Facebook, com seus ambientes abertos e criativos. Na Saúde, precisamos tirar as pessoas de suas zonas de conforto. No Paraná, eu levava os colaboradores para reuniões na praia. Aqui em Brasília, periodicamente temos o lanche com o diretor, em que as pessoas se sentam na grama, sem os sapatos, e apenas as equipes da ponta participam, sem os supervisores, justamente para que não se sintam tolhidos. É open minded, para que a pessoa que está no dia a dia de um determinado processo ou procedimento nos conte o que ela acha que funciona melhor ou não. Com isso, já conseguimos melhorar a comunicação interna e externa, e aprimoramos diversos processos, com novas medidas simples e práticas.

Outro caminho para a inovação é ouvir os demais players do setor. Convidamos executivos de operadoras, por exemplo, para fins de semana em hotéis-fazenda, em que a simples mudança de ambiente e o relacionamento mais próximo permitem que as pessoas saiam da caixa, se libertem e passem a dar suas sugestões, porque sentem que realmente fazem parte da estratégia.

SB: Inovações costumam encontrar resistências, por tirar as pessoas de situações conhecidas e de suas zonas de conforto. Como superar isso? 

Blun: Isso depende muito da cultura da empresa e do que é feito pelos líderes. O líder precisa ser acessível. Se é sisudo e distante e muda de uma hora para outra, soa falso. Esse executivo precisa estar no front, saber os nomes das pessoas, conhecer suas histórias pessoais. Quando o colaborador sente que tanto ele quanto o diretor fazem parte do mesmo time, que formam uma família, se estabelece uma relação de confiança e amizade, ele sabe que vai ser ouvido. Aí a produtividade brota, as pessoas se libertam e fazem a inovação acontecer.

Serviço – A Live Healthcare Media convida você a participar desse debate no Hospital Innovation Summit, que acontecerá dentro do Hospital Innovation Show.

O quê: Hospital Innovation Summit

Onde: Hospital Innovation Show – Centro de Convenções Rebouças (Av. Rebouças, 600 – Pinheiros, São Paulo – SP – CEP 05402-000)

Quando: 28 e 29 de setembro de 2015

Inscreva-se

 

Cylene Souza

About Cylene Souza

Mãe da Eva, Cylene Souza é prática e acelerada por natureza e necessidade. Iniciou sua carreira de jornalista no Jornal da Tarde e atuou por oito anos na IT Mídia, primeiro como editora de saúde e, posteriormente, como editora de eventos, na liderança do conteúdo do IT Forum, Saúde Business Forum e IT Business Forum. Acumula conhecimento na produção de revistas, sites e eventos. Tem pós-graduação em Comunicação com o Mercado pela ESPM e em Jornalismo Literário pela Academia Brasileira de Jornalismo Literário. É co-fundadora da Integrare - Marketing de Conteúdo 360º.

Leave a Reply