This site is operated by a business or businesses owned by Informa PLC and all copyright resides with them. Informa PLC's registered office is 5 Howick Place, London SW1P 1WG. Registered in England and Wales. Number 8860726.

Como as tecnologias moldarão a saúde no mundo Pós-Covid

By 14 de agosto de 2020 Destaques, Mercado, TI e Inovação

Nos setores de saúde, educação, finanças e manufatura, a quarentena está forçando as empresas a usarem a tecnologia para reimaginar quase todas as facetas de suas operações. Com a reabertura começando aos poucos, a consultoria CB Insights analisou os setores prontos para prosperar em um mundo pós-Covid.

Conforme a pandemia traçou seu caminho sem precedentes em todo o mundo, ela trouxe consigo a pergunta: Qual será o legado da Covid-19? De saúde a educação, entretenimento a manufatura, os inovadores estão dando um passo à frente para ajudar a responder a essa pergunta.

Na sequência do surto, quase tudo, desde consultas médicas a aulas e treinos, foi colocado online. À medida que mais pessoas trabalharam, aprenderam, se exercitaram, relaxaram e até buscaram atendimento médico em casa durante a Covid-19, elas fizeram um curso intensivo sobre o quanto pode ser realizado em casa. Dado o quão longe nós mudamos para os espaços digitais, é difícil imaginar que as pessoas retornem totalmente às alternativas tradicionais.

Em alguns casos, as mudanças tecnológicas inspiradas pela Covid-19 virão na forma de uma aceleração das tendências existentes – por exemplo, automação industrial e pagamentos sem contato. Em outros casos, como realidade virtual, impressão 3D ou telessaúde, a crise pode mudar o rumo do setor, permitindo que as empresas demonstrem um valor que, até agora, os consumidores não conseguiam ou não queriam ver.

Algumas das tendências criadas ou aceleradas pelo início da Covid-19 provavelmente mudarão a maneira como vivemos muito depois que a pandemia acabar. O relatório ainda explora como o futuro dessas inovações provavelmente se desenvolverão. Destacamos aqui, as principais apostas para o setor de saúde.

 Uso de dados, wearables e realidade virtual para tornar o atendimento mais acessível 

Pacientes e provedores de saúde tiveram que adotar rapidamente serviços de telessaúde e monitoramento remoto para lidar com o risco de infecção e as demandas de cada serviço. O que antes encontrava resistência, parece estar mudando à luz do surto de coronavírus.

Para se ter ideia, em 2018, 18% dos médicos americanos relataram tratar um paciente por meio da telemedicina. Durante a pandemia, quase metade (48%) disseram ter tratado os pacientes virtualmente, de acordo com uma pesquisa recente. Do lado do paciente, 60% dos consumidores americanos disseram estar mais dispostos a experimentar os serviços de telessaúde. À medida que a infraestrutura melhora e esses serviços se tornam mais familiares, as tecnologias de telessaúde e de monitoramento tendem a continuar a crescendo, mesmo após a pandemia.

Tecnologia de telessaúde 

As empresas que já trabalham com telemedicina tiveram um impulso dramático em seus negócios. O maior provedor autônomo de telemedicina, Teladoc, relatou um crescimento de 50% em serviços semana a semana logo após a implementação da quarentena nos Estados Unidos.

Entidades governamentais americanas também tomaram medidas para reduzir o atrito com as empresas para oferecer serviços de telessaúde. Restrições de privacidade sob o Health Insurance Portability and Accountability Act (HIPAA) foram relaxadas para permitir que a Apple, o Google e a Microsoft, por exemplo, facilitassem as visitas virtuais dos médicos por meio de seus aplicativos de chat e vídeo existentes. O Food and Drug Administration (FDA) também aprovou testes clínicos virtuais para permitir o desenvolvimento contínuo de medicamentos.

O financiamento para startups de saúde mental aumentou mais de 400% no primeiro trimestre de 2020 em comparação com o trimestre anterior, indicando que os investidores também veem uma oportunidade no espaço.

À medida que mais pessoas adotam a prática regular de cuidar de sua saúde mental durante o curso da pandemia, os serviços de teleterapia provavelmente terão uma demanda contínua depois que o surto diminuir. Além disso, a crise pode ter efeitos prolongados na saúde mental, mesmo depois que as ordens de distanciamento social forem suspensas, garantindo que esses serviços ainda sejam necessários.

O mercado de tecnologia para telessaúde é estimado em USD 43 bilhões, de acordo com o Consenso de Analistas da Indústria da CB Insights.

Diagnóstico contínuo e remoto 

Rastreadores de condicionamento físico e outras tecnologias de “auto-quantificação” já estavam ganhando força na área de saúde e bem-estar antes da Covid-19. Por exemplo, o Google anunciou aquisição da Fitbit em novembro de 2019 como parte de sua iniciativa mais ampla para estabelecer presença no espaço de tecnologia de saúde no mesmo nível da Apple.

Agora, com especialistas enfatizando a importância de testes rápidos e rastreamento no gerenciamento da crise, os dispositivos vestíveis e outras tecnologias de monitoramento de saúde que permitem o diagnóstico estão sob holofotes.

A pandemia destacou o valor dos dados de saúde prontamente acessíveis – especialmente porque os países que alavancaram essas informações tiveram maior sucesso no gerenciamento da crise sanitária. À medida que “Testar e rastrear” se tornou um slogan de saúde pública em todo o mundo, o governo americano e o discurso público rapidamente se voltaram para empresas com recursos para tornar as tecnologias necessárias uma realidade.

A Apple e o Google anunciaram em abril de 2020 que estavam colaborando na tecnologia de rastreamento de contato para incorporação em dispositivos iOS e Android. Depois que os defensores da privacidade levantaram preocupações sobre a segurança dos dados do usuário, as empresas anunciaram mudanças, incluindo o uso de sinais Bluetooth em vez de dados de geolocalização. No entanto, o governo do Reino Unido anunciou que não usaria as tecnologias das empresas em seu aplicativo de rastreamento de contatos, citando preocupações constantes com a privacidade.

Os gigantes da tecnologia não são as únicas empresas que identificaram a oportunidade no diagnóstico remoto – algumas empresas de biotecnologia agiram rapidamente para demonstrar valor e capitalizar sobre as regulamentações flexíveis também.

Por exemplo, a LifeSignals anunciou que está rastreando rapidamente um patch biossensor sem fio de uso único para monitorar pacientes com Covid-19. Enquanto isso, a Spry Health anunciou um serviço de monitoramento conduzido por médicos usando seu wearable Loop, que rastreia a frequência cardíaca, saturação de oxigênio e respiração do usuário.

Cuidado de idosos 

Com a Covid-19 sendo particularmente letal entre pacientes com 60 anos ou mais, a crise iluminou ainda mais a necessidade de soluções que ajudem os idosos a envelhecer em casa com conforto, ao mesmo tempo que proporcionam tranquilidade à família e aos cuidadores.

Antes da Covid-19, alguns idosos e suas famílias já estavam adotando a tecnologia como uma solução que lhes permitiria ficar mais tempo em suas casas. No entanto, a adoção generalizada demorou a se firmar, em grande parte devido à necessidade de maior educação do paciente e conhecimento tecnológico entre a população-alvo. A pandemia apresentou uma oportunidade única para uma série de tecnologias de atendimento ao idoso demonstrarem a importância de seus produtos e serviços.

As instituições residenciais de idosos também tomaram medidas para atualizar sua infraestrutura digital. Além de garantir a continuidade dos cuidados médicos para os residentes, a comunicação e o tratamento da solidão tornaram-se igualmente críticos. Como a densidade populacional dessas instalações e a vulnerabilidade dos residentes tornaram o distanciamento social imperativo, os líderes das instituições de saúde se voltaram para as plataformas de comunicação digital para conectar os residentes com familiares e amigos.

À medida que a tecnologia prova seu valor para a comunidade de idosos durante a crise, a infraestrutura digital provavelmente se tornará um elemento permanente de cuidados para idosos, tanto em casa quanto em instalações de cuidados.

No futuro, as instalações de atendimento no local provavelmente aumentarão os investimentos em tecnologias digitais, incluindo teleconferência, telemedicina e diagnóstico remoto, criando oportunidades para empresas que podem acomodar a demanda.

O texto na íntegra, com a visão inclusive de demais setores, pode ser acessado por aqui.

Pamela Paschoa

About Pamela Paschoa

Farmacêutica pela Unicamp, atuou por 8 anos como farmacêutica clínica em instituições públicas e privadas. Foi tutora e preceptora de programas de residência multidisciplinar. Hoje atua na produção de conteúdo para portal Saúde Business e na curadoria dos eventos Hospitalar, Healthcare Innovation Show e Saúde Business Fórum.