This site is operated by a business or businesses owned by Informa PLC and all copyright resides with them. Informa PLC's registered office is 5 Howick Place, London SW1P 1WG. Registered in England and Wales. Number 8860726.

Brasil cogita aderir à regulação sobre nanotecnologia

By 7 de agosto de 2014 TI e Inovação

O governo federal, por meio do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), começa a debater a inclusão no NanoReg, projeto europeu para regular internacionalmente o setor de nanotecnologia, coordenado pelo Ministério de Infraestrutura e Meio Ambiente da Holanda. O convite ao Brasil foi realizado em junho do ano passado durante o Euro Nano Forum, na Irlanda.

O NanoReg envolve 64 instituições de 15 países na Europa, além de Austrália, Canadá, Coreia do Sul, Estados Unidos e Japão. Além do Brasil, com o coordenador geral de micro e nanotecnologia do MCTI, Flávio Plentz, China e Rússia também estão em processo de adesão ao projeto.

Para a Secretaria de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação (Setec), o debate recém-iniciado responde a “uma grande demanda interna” do país para que a nanotecnologia seja regulada e regulamentada, em busca de transparência sobre seus benefícios e eventuais malefícios.

O titular da secretaria, Alvaro Prata, define a ligação com o NanoReg como uma oportunidade para o Brasil “se apoiar na experiência de países que já começaram a se preocupar com isso antes de nós” e sugeriu a redação de uma carta sobre a finalidade de aderir ao projeto europeu para submeter a decisão ao Comitê Interministerial de Nanotecnologia (CIN), coordenado pelo MCTI.

Objetivos
“A grande vantagem de se entrar no NanoReg é que a gente não vai precisar de fazer tudo que precisaria para regular nanomateriais. Quer dizer, os produtos são compartilhados, de comum acesso entre todos os países e instituições que fazem uso da iniciativa”, expõe o coordenador-geral de Micro e Nanotecnologias do MCTI, Flávio Plentz.

Ainda assim, isso não implicaria seguir um modelo de regulação, pois essa responsabilidade é prerrogativa de cada país. “O que o projeto quer garantir é que essas respostas estejam lá harmonizadas de uma maneira internacionalmente referenciada. Todos os métodos e protocolos utilizados têm reconhecimento mútuo, de tal forma, por exemplo, que se um nanoproduto brasileiro é certificado no Brasil, de acordo com os métodos e protocolos criados no NanoReg, automaticamente já vai estar aceito por um organismo fiscalizador ou regulamentador de fora”, esclarece.

Antes de aderir ao NanoReg, porém, o país precisa se organizar para responder a exigências do projeto. “Essa estruturação interna, em termos científicos, já está basicamente avançada, com a criação do SisNano, que é um sistema de laboratórios bastante maduros e preparados para fazer pesquisa, mas que teriam que se adequar para fazer pesquisa regulatória.”

* com informações do MCTI

Portal Saúde Business

About Portal Saúde Business

Formar e informar o executivo de saúde é o que fazemos todos os dias. Há mais de 15 anos desenvolvendo um conteúdo proprietário e centrado nos principais gestores do país, acompanhamos as notícias e tendências que impactarão no dia-a-dia dos hospitais, operadoras, centros diagnósticos, farmacêuticas e clínicas do país.

Leave a Reply