This site is operated by a business or businesses owned by Informa PLC and all copyright resides with them. Informa PLC's registered office is 5 Howick Place, London SW1P 1WG. Registered in England and Wales. Number 8860726.

Telemedicina no Sistema Único de Saúde

Atualmente no Brasil, cerca de 70% da população depende do Sistema Único de Saúde, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, que traz como prerrogativa o princípio constitucional da saúde como o direito de todos e dever do Estado. Criado pela Lei 8.080 em 1990, os princípios são universalidade, integralidade, equidade, descentralização, hierarquização e participação social, que fazem com que este modelo público seja um exemplo de atenção à saúde no mundo.

Devido à alta demanda, os custos relacionados à saúde no Brasil são elevados e tornaram-se mais alarmantes neste ano de pandemia. Estima-se que, para cada brasileiro, são gastos R$ 3,48 por dia e, somente em 2019, cerca de 26 bilhões de reais foram gastos na Atenção Primária e R$57 bilhões na Assistência Hospitalar e Ambulatorial, correspondendo a 32,1% e 49,9% de todos os gastos em saúde, respectivamente. Portanto, os investimentos, sobretudo na Atenção Primária, podem acarretar na redução de internações e reinternações, permitindo uma melhor aplicação dos recursos, gerando economia.

A telemedicina, tanto no teleaconselhamento, telemonitoramento e teleconsulta, pode contribuir favoravelmente para o acesso, acompanhamento e promoção da saúde, na manutenção da linha de cuidados, no engajamento dos pacientes e, na ponta final, na redução de internações, sequelas e óbitos. Como resultante, há uma geração de valor com impacto econômico e social.

Dentre as várias iniciativas, podemos citar que durante a pandemia do coronavírus, a W3.Care contribuiu na criação e desenvolvimento de uma plataforma que permitiu de forma anônima e gratuita a inserção dos sintomas, doenças pré-existentes e medicações para cálculo do risco de complicações frente à infecção do COVID-19. Os sintomáticos eram divididos em baixo e alto risco e, nos casos de baixo risco, eram dadas as orientações do Ministério da Saúde e solicitado retorno à plataforma, caso houvesse alteração do quadro clínico. Já os casos de alto risco eram direcionados para uma sala de espera onde profissionais de saúde voluntários faziam o atendimento por telemedicina, todos os dias, das 07 às 19 horas.

Durante o teleatendimento, os profissionais avaliavam os sintomas, bem como o grau da dificuldade respiratória e, orientavam qual a melhor conduta, conforme a geolocalização do indivíduo. Durante os meses de abril e setembro de 2020, foram cerca de 3.500 teleatendimentos, sendo 90% dos pacientes orientados a permanecer em casa, reduzindo assim uma possível transmissão viral e contribuindo para o controle da pandemia. Considerando o valor da consulta no setor público de R$ 10,00 e a redução das consultas presenciais, estima-se que houve uma economia de R$ 31.500, sem incluir os custos relacionados aos exames complementares, medicações e risco de propagação da pandemia.

É notória a necessidade de investimento em tecnologia, pois estima-se que a cada R$ 1 investido, a gestão pública economiza, em média, R$ 9,79 no ano seguinte. Portanto acredito que a utilização dos meios tecnológicos, dentre eles a telemedicina, permitirá uma melhor adequação da medicina baseada em valor, e que no setor público se faz urgentemente necessário. A telemedicina no setor público talvez seja o catalisador para a necessária mudança cultural que devemos fomentar, buscando alterar a visão do paciente em relação ao seu cuidado, mudando o paradigma de tratar doenças para a promoção da saúde.

Sobre o autor

Jamil Cade, médico há 20 anos e CEO da W3.Care, healthtech pioneira e referência no desenvolvimento de tecnologias com inteligência artificial para atendimento de urgência e emergência.

Portal Saúde Business

About Portal Saúde Business

Formar e informar o executivo de saúde é o que fazemos todos os dias. Há mais de 15 anos desenvolvendo um conteúdo proprietário e centrado nos principais gestores do país, acompanhamos as notícias e tendências que impactarão no dia-a-dia dos hospitais, operadoras, centros diagnósticos, farmacêuticas e clínicas do país.