This site is operated by a business or businesses owned by Informa PLC and all copyright resides with them. Informa PLC's registered office is 5 Howick Place, London SW1P 1WG. Registered in England and Wales. Number 8860726.

HIS19 Já conferiu os 40 primeiros palestrantes dessa edição? 🚀 Clique aqui

Saúde populacional: um debate mais amplo do que a assistência

By 17 de abril de 2015 Gestão, Mercado, Saúde Pública

Você, profissional do setor de saúde, já parou para pensar que muitas são as determinantes para a boa saúde? E que a qualidade dos serviços assistenciais são uma pequena peça de uma complexa engrenagem? Muitos são os assuntos diariamente discutidos que tomam a atenção dos atores do segmento; como formação médica, novas tecnologias, gestão de recursos e processos, etc. Apesar da relevância de todos eles, muitas vezes são debatidos sem um olhar mais amplo, sem levar em conta a origem da falta de saúde que acomete milhares de pessoas.

“Health (Saúde) é muito diferente de Health Care (Assistência Médica)”, assim proferiu Kaveh Safavi, diretor de saúde global da Accenture, durante o Forum Asap (Aliança para a Saúde Populacional) na última quinta-feira (09).

Safavi fez questão de mostrar os diferentes vetores que devem convergir para a gestão da saúde de uma população.
Uma constatação interessante, segundo ele, é de que as pessoas acreditam que os comportamentos pessoais e sociais são os principais responsáveis pela sua condição saudável ou não.

Apesar da evidente consciência, a responsabilidade dos pacientes sobre os cuidados de sua saúde e a efetiva participação junto ao sistema de saúde ainda é algo a ser construído. Aos poucos os serviços assistenciais migram do foco na doença para a promoção e prevenção e, nesta fase, a colaboração do paciente consigo mesmo é fundamental. O slide abaixo mostra aspectos determinantes para o bem-estar das pessoas como estilo de vida (hábitos), alimentação e meio ambiente (família, moradia, trabalho, etc.).

slide-comportamentos

Safavi mostra que complicações médicas são a menor causa de mortes em geral, tendo componentes comportamentais, genéticos e sociais muitos mais fortes.

slide-mortes

Isso colocado sobre a mesa, deixa evidente que os tratamentos, os médicos, as inovações tecnológicas, a boa assistência, não são a panaceia para a cura e, muito menos, para a sustentabilidade da saúde.
No entanto, é óbvio que ainda há muito a se fazer nesta parte da engrenagem e as estratégias de país para país são e devem ser diferentes segundo o executivo da Accenture.

Cerca de 60% dos custos da saúde advêm de casos complexos, que acometem apenas 4% da população, e doenças crônicas, abrangendo 13% apenas. O restante da pirâmide é composta por pessoas com riscos bem menores de saúde. A pergunta que fica é priorizar em termos de planejamento a maioria das pessoas ou aquelas que mais custam?

slide-piramide-saúde

Os EUA, por exemplo, têm priorizado as doenças de alto custo, enquanto outros preferem atrelar políticas sociais com as de saúde, como é o caso do Canadá, Dinamarca, Singapura, Escócia, Inglaterra e Japão.

estrategias-slide

politicas-sociais

“Melhorar substancialmente o custo é mais do que coordenar cuidados e gerenciar doenças, exige melhorias na produtividade”, disse Safavi e, de acordo com ele, as tecnologias digitais (redes sociais entre profissionais e pacientes e telemedicina) são extremamente necessárias, embora também não suficientes para melhorar a saúde da população.

O slide mostra o quanto a Saúde tem a evoluir no quesito produtividade, apresentado como “chave” para a sustentabilidade do setor.

Produtividade-selide

Nathalia Nunes

About Nathalia Nunes

Fonoaudióloga formada pela FMUSP, com MBA em Economia e Gestão em Saúde na UNIFESP e apaixonada por comunicação, negócios e tecnologia em saúde. Na Live, trabalho com Marketing, Pesquisa e Conteúdo, tanto na produção de materiais editoriais e de pesquisa, quanto na difusão de temas e ações relacionados a negócios em saúde.

Leave a Reply