This site is operated by a business or businesses owned by Informa PLC and all copyright resides with them. Informa PLC's registered office is 5 Howick Place, London SW1P 1WG. Registered in England and Wales. Number 8860726.

Grupo Fleury participa de estudo brasileiro inédito publicado na Revista Science

Rede de medicina diagnóstica forneceu amostras analisadas em pesquisa conjunta com USP, Universidade de Oxford e outras instituições; resultados apontam a disseminação a partir de três cepas diferentes do novo coronavírus (SARS-CoV-2) e que vírus foi levado de avião para outras regiões do país

Nesta quinta-feira (23), a Science, uma das revistas científicas mais importantes do mundo, publicou um artigo inédito sobre as características de disseminação pelo novo coronavírus (SARS-CoV-2) no Brasil. Intitulado “Evolution and epidemic spread of SARS-CoV-2 in Brazil”, o artigo  é fruto de um estudo coordenado pela cientista Ester Sabino, pesquisadora do Instituto de Medicina Tropical da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (IMT-FM-USP), em parceria com a Universidade Oxford, no Reino Unido, e tem como coautores Celso Granato, diretor clínico e infectologista do Grupo Fleury, e Carolina Lázari, também infectologista do Grupo, além de pesquisadores de outras instituições.

O estudo traz duas principais conclusões sobre a forma como o novo coronavírus começou a se espalhar pelo Brasil.  A primeira mostra que a transmissão do novo coronavírus foi causada por três cepas diferentes do SARS-CoV-2, todas vindas da Europa. A segunda indica que a disseminação ocorreu inicialmente dentro das cidades de São Paulo e Rio de Janeiro, avançou pelo interior destes estados e, depois, chegou a outras regiões por pessoas contaminadas que viajaram de avião.

“O estudo nos traz informações sobre a trajetória de disseminação do vírus pelo território brasileiro. Concluímos que o vírus foi levado a partir de centros urbanos como São Paulo e Rio de Janeiro por transporte aéreo interestadual para regiões como Amazonas, Pará e Ceará, o que também nos ajuda a entender a explosão de casos de COVID-19 nesses estados logo no início da pandemia no Brasil”, explica Celso Granato, diretor clínico do Grupo Fleury e um dos coautores da pesquisa. “Essa informação é importante também porque conseguimos avaliar a eficácia das medidas de controle da epidemia que foram adotadas no Brasil, como, por exemplo, os deslocamentos de pessoas por voos domésticos”, completa.

Os cientistas chegaram às conclusões a partir do sequenciamento genético de material recolhido em 427 amostras de exames positivos para SARS-CoV-2, realizado pelo método tipo RT-PCR. As amostras foram coletadas entre 5 de março e 30 de abril de 2020, em 18 estados brasileiros. Do total de amostras, parte foi cedida pelo Grupo Fleury à pesquisa. A participação do Grupo Fleury foi possível em razão da liderança da marca no desenvolvimento do teste para detecção do novo coronavírus pelo método RT-PCR para identificação de pacientes com COVID-19 logo nas primeiras semanas da epidemia no Brasil.

Para se ter uma ideia, a área de Pesquisa e Desenvolvimento do Grupo Fleury desenvolveu o teste em apenas uma semana e disponibilizou aos seus hospitais parceiros em São Paulo, Rio de Janeiro, Pernambuco e Rio Grande do Sul e Distrito Federal no dia 14 de fevereiro, 11 dias antes da confirmação do primeiro caso brasileiro, em 25 de fevereiro.

Mais informações sobre o estudo pelo link.

Portal Saúde Business

About Portal Saúde Business

Formar e informar o executivo de saúde é o que fazemos todos os dias. Há mais de 15 anos desenvolvendo um conteúdo proprietário e centrado nos principais gestores do país, acompanhamos as notícias e tendências que impactarão no dia-a-dia dos hospitais, operadoras, centros diagnósticos, farmacêuticas e clínicas do país.