This site is operated by a business or businesses owned by Informa PLC and all copyright resides with them. Informa PLC's registered office is 5 Howick Place, London SW1P 1WG. Registered in England and Wales. Number 8860726.

ATENÇÃO HIS19 - Virada de lote dia 1/7. Economize até R$ 160,00 ⚠️ Clique aqui

Onde está a sua voz?

By 25 de setembro de 2015 Gestão, Profissionais

Nesses mais de dez anos cobrindo o mercado, sempre ouvi dizer que faltava à Saúde uma voz forte, que levasse as demandas dos players aos órgãos governamentais e agências reguladoras, uma liderança que congregasse fontes pagadoras, prestadores de serviços, fornecedores e usuários do sistema em busca de objetivos comuns: a qualidade de vida da população e a viabilidade financeira do setor.

Participei de muitos debates com os gestores e algumas boas ideias chegaram a ser testadas, mas por que será que não encontraram eco em toda a cadeia?

Arrisco um palpite: essas instituições, fundadas e muitas ainda geridas por médicos de referência em seus ramos de atuação, tendem a guardar para si os resultados. Não têm o hábito de compartilhar seus fracassos e sucessos e preferem manter seus líderes próximos do anonimato.

Se, ao ocultar essas informações, a vantagem imediata parece ser guardar para si estratégias de negócio que o diferenciem da concorrência, as desvantagens também logo se tornam claras: redundâncias e riscos desnecessários ao colocar em prática processos que já foram testados por outras organizações; falta de entrosamento com os médicos, para quem a gestão dos hospitais parece uma caixa preta; e baixa motivação dos funcionários, que só têm acesso a fragmentos do dia a dia e do planejamento da instituição.

E o pior de tudo: ao invés de se diferenciar, as instituições acabam se commoditizando, já que as tecnologias e procedimentos são todos muito parecidos. Se os pacientes e fontes pagadoras não mantêm um relacionamento estreito com seu hospital, não se identificam com seus valores e não sabem o que você faz de melhor, como cativá-los e fidelizá-los? Onde está o hi-touch nessa equação?

É hora de dar um passo à frente e fazer sua voz ser ouvida, estabelecendo de fato um canal de comunicação direto com seus públicos de interesse, mesmo em meio a essa avalanche de informações em que vivemos hoje. Utilize as ferramentas disponíveis: redes sociais, sites, blogs, revistas, jornais, eventos presenciais… A plataforma você escolhe, de acordo com seu perfil e aspirações, mas não perca a chance de ser pessoal e original. De lembrar-se das melhores histórias da sua carreira e da sua vida e compartilhá-las. De contar acertos e, por que não, erros. Busque, enfim, a empatia e identificação com seu interlocutor.

Como líder sincero e cativante, você pode contribuir para  levar a Saúde às transformações necessárias. E pode ter certeza que essa exposição compensa: não só porque você, dessa forma, contribui para solucionar as questões que tiram o sono de todos os players do setor, mas também porque, ao estabelecer relações de confiança, você ganha clientes e parceiros fiéis e dispostos a advogar em seu nome, o que é sempre muito bom para os negócios.

P.S.: Eu e minhas sócias, Adriele Marchesini e Silvia Noara Paladino, adoraríamos continuar essa conversa com você no Hospital Innovation Show. Venha nos visitar!

[youtube]https://www.youtube.com/watch?v=NpThs6EPOcg[/youtube]

 

Cylene Souza

About Cylene Souza

Mãe da Eva, Cylene Souza é prática e acelerada por natureza e necessidade. Iniciou sua carreira de jornalista no Jornal da Tarde e atuou por oito anos na IT Mídia, primeiro como editora de saúde e, posteriormente, como editora de eventos, na liderança do conteúdo do IT Forum, Saúde Business Forum e IT Business Forum. Acumula conhecimento na produção de revistas, sites e eventos. Tem pós-graduação em Comunicação com o Mercado pela ESPM e em Jornalismo Literário pela Academia Brasileira de Jornalismo Literário. É co-fundadora da Integrare - Marketing de Conteúdo 360º.

Leave a Reply