This site is operated by a business or businesses owned by Informa PLC and all copyright resides with them. Informa PLC's registered office is 5 Howick Place, London SW1P 1WG. Registered in England and Wales. Number 8860726.

Por que não falar em Educação?

By 20 de setembro de 2020 Educação

Muito se tem falado em saúde e economia como setores afetados pela pandemia. Outra tragédia silenciosa vem se configurando, porém em outro setor: a educação. Segundo dados da Unesco, Bain e McKinsey, 1,7 bilhões de alunos ao redor do mundo foram afetados pelo fechamento das escolas; no Brasil serão 52,8 milhões do primário ao ensino superior, das redes públicas e privadas. Portanto, uma geração inteira prejudicada definitivamente com redução significativa do aprendizado e consequências graves no futuro, que vão desde as faixas salariais que estes alunos vão atingir quando chegarem ao mercado profissional até a entrada no próprio mercado de trabalho nas áreas pretendidas.

Segundo um estudo do Insper, quem cursa o ensino médio hoje pode ter uma perda média anual de renda na vida adulta entre 11 a 70 mil reais. Tudo depende da resposta que o setor público tem dado para recuperar os tópicos prejudicados neste período. Para calcular este impacto, o estudo considerou que a perda média será de um ano letivo. Através de um modelo matemático, projetou-se uma perda ao longo da vida destes estudantes na futura empregabilidade de cada um. Considerando-se o impacto da pandemia nos 35 milhões de estudantes da rede pública (MEC), a perda na economia será de 350 bilhões a 1,4 trilhão de reais (5,3 % a 23% do PIB).

A situação dos professores é dramática. Pesquisa do Instituto Península demonstrou que 88% não têm experiência anterior com ensino à distância e acima da metade deseja receber ajuda quanto a sua saúde mental. São 2,2 milhões de professores no Brasil, a maioria com mais de 40 anos de idade. Apenas 36% dos professores da rede pública cursaram pós-graduação, segundo o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). No Brasil, os professores ganham, em geral, 75% da remuneração média de outros profissionais com ensino superior.

Dois outros aspectos merecem destaques na questão educacional: os conteúdos de aulas on-line e o alto índice de evasão do ensino médio para o universitário. Com relação aos conteúdos on-line, é preciso separar categoricamente conjuntos de conceitos aglomerados e transcritos para ditas “plataformas digitais” de aulas criadas especificamente para serem utilizadas neste meio. Embora as atividades presenciais estejam sendo substituídas provisoriamente por aulas remotas, o formato usado é diferente da modalidade EAD (Educação a Distância) tradicional, em que o conteúdo é, na maioria das vezes, assíncrono, autoinstrucional e conta com apoio de tutores. Cerca de 39% dos alunos da rede pública não têm acesso adequado a meios digitais, segundo Centro de Educação para a Educação Brasileira (CIEB)

Finalmente, os índices de evasão escolar do ensino médio em relação à universidade. Entre 2017 e 2028, os índices de evasão escolar nesta fase aumentaram cerca de 1%: de 27,5% para 28,8%. Para 2029-2029 o economista e diretor-executivo do Semesp, Rodrigo Capellato, apresenta uma estimativa de 35%, ou seja, 461 mil alunos devem desistir das faculdades particulares.

Um cenário assombroso que trará consequências sobre toda a comunidade caso ela como um todo não se mobilize para exigir do setor público um choque de gestão com medidas que corrijam ou aliviem essa situação.

Sobre o autor

Omar Genha Taha é Médico, presidente da Unimed Londrina e especialista em gestão executiva de negócios em saúde.

Referências

1 – Unesco , Bain e McKinsey
2 – Conselho Nacional das Secretarias de Educação
3 – Instituto Península
4 – Insper, Todos pela Educação e Explora
5 – Revista Exame: “Todos Perdem” 1/07/20
6 – SEMESP
7 – Centro de Inovação para a educação Brasileira (Cieb)

Portal Saúde Business

About Portal Saúde Business

Formar e informar o executivo de saúde é o que fazemos todos os dias. Há mais de 15 anos desenvolvendo um conteúdo proprietário e centrado nos principais gestores do país, acompanhamos as notícias e tendências que impactarão no dia-a-dia dos hospitais, operadoras, centros diagnósticos, farmacêuticas e clínicas do país.