✉️ NEWSLETTER Assine gratuitamente e atualize-se semanalmente Assinar

Soluções de apoio à decisão clínica são fundamentais para diminuir os graves números de óbitos por erros médicos no Brasil

Publicidade

Em 2017, 148 pessoas morreram no país devido a erros em hospitais públicos e privados. Ou seja, mais de 54.000 pacientes perderam a vida por sofrerem com eventos adversos graves

> A Elsevier participa do HIS 2018 com soluções tecnológicas que têm como objetivo auxiliar na diminuição da variabilidade no cuidado com o paciente

> Robert Nieves, Vice-Presidente Global de Informática em Saúde da Elsevier Clinical Solutions, realiza palestra e painel cujo tema principal é tecnologia para suporte em decisão clínica

> Empresa lança Clinical Skills, solução multidisciplinar com conteúdo em português para hospitais públicos e privados, além de instituições de ensino na área de saúde. E ainda apresenta as plataformas Order Sets e Care Planning integradas ao prontuário eletrônico.

Recentemente, veio a público o 2º Anuário da Segurança Assistencial Hospitalar no Brasil, produzido pelo IESS (Instituto de Estudos de Saúde Suplementar) e pelo Instituto de Pesquisa Feluma, da Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais. Os dados revelados não poderiam ser menos preocupantes: por dia, 148 pessoas morrem no país devido a erro em hospitais públicos e privados. Ou seja, mais de 54.000 pacientes perderam a vida por esta razão em 2017.

O estudo também observa que pacientes vítimas de erros médicos (também conhecidos como eventos adversos) graves estão mais suscetíveis à mortalidade e também a permanecerem mais tempo internados. E mais: aproximadamente 30 a 36% dos óbitos determinados por eventos adversos graves podem ser prevenidos.

Na lista de problemas considerados “eventos adversos graves” estão: infecção generalizada, pneumonia, infecção urinária, infecção do sítio cirúrgico, complicações com acessos e dispositivos vasculares. Também são preocupantes os erros causados com uso de medicamentos e complicações cirúrgicas.

O setor de saúde pode mudar essa triste realidade do Brasil com a utilização de Soluções de Apoio à Decisão Clínica (CDS, na sigla em inglês) baseadas em evidências que sejam incorporadas à prática cotidiana dos profissionais de saúde.

Para colaborar com a revolução do setor no país, a Elsevier, uma das mais conceituadas provedoras de informação clínica e científica do mundo e referência na área de saúde, apresenta no HIS (Healthcare Innovation Show) 2018 soluções tecnológicas que têm como objetivo auxiliar na diminuição da variabilidade no cuidado com o paciente e, consequentemente, dos eventos adversos graves.

“As Soluções de Apoio à Decisão Clínica são definitivas para colaborar com a mudança do atual cenário brasileiro, pois ajudam a evitar os erros operacionais e de conhecimento. Elas fornecem informações atuais, confiáveis e baseadas em evidências diretas no ponto de atendimento a médicos, enfermeiros, profissionais de saúde no geral e pacientes. Assim, as melhores práticas podem ser adotadas e os exames e procedimentos desnecessários podem ser evitados em toda a jornada do paciente. As ferramentas CDS, preferencialmente integradas ao prontuário eletrônico, permitem aos profissionais de saúde a redução drástica dos erros médicos evitáveis”, explica Claudia Toledo, Diretora de Clinical Solutions da Elsevier.

Palestras e debates

Além de ter especialistas para apresentar suas soluções no estande, a Elsevier traz para o HIS 2018 Robert Nieves, Vice-Presidente Global de Informática em Saúde da Elsevier Clinical Solutions. O executivo realiza uma palestra sob o tema “Experiências de Digitalização da Decisão Clínica”, dia 20 de setembro, às 10h45. Além disso, Robert participa da roundtable “Qual o papel da tecnologia na decisão clínica?” às 11h40 e ainda apresenta “Protocolos clínicos e planos de cuidados sempre atuais” mostrando a importância e as soluções de apoio a decisão e cuidados do paciente, às 14h40.

“Para mim, o HIS 2018 é uma grande chance de aprendizado. Para o segmento de saúde brasileiro, também é uma oportunidade para se informar sobre o que está acontecendo na indústria e o que outros países estão fazendo. Para a Elsevier, esta é uma oportunidade para conhecer mais sobre o que as organizações estão enfrentando e quais são suas necessidades. Isso nos ajuda no desenvolvimento de produtos, prioridades e áreas de foco”, explica Robert Nieves.

Soluções avançadas de decisão clínica

A Elsevier apresenta em seu estande as seguintes plataformas:

Clinical Skills: é uma plataforma digital de educação continuada que combina o poder de desenvolver a prática com base em evidências, com o gerenciamento das competências da equipe multidisciplinar, podendo ser customizada a partir da necessidade da instituição. Colabora com a padronização da assistência ao paciente, com o objetivo de melhorar a segurança e a qualidade no ponto de assistência. A plataforma oferece suporte por intermédio de procedimentos, casos clínicos, avaliações iniciais, alertas de segurança, vídeos e animações, imagens, check-lists, testes de conhecimento e relatórios gerenciais.

O Clinical Skills também foca em reduzir riscos, gerar diminuição de custos, organizar e disseminar treinamentos atualizados frequentemente à equipe do hospital. A solução é acessível por dispositivos móveis e oferece uma análise de desempenho da equipe hospitalar.

ClinicalKey: abrangente fonte de busca clínica para tomada de decisão em mais de 40 especialidades médicas e cirúrgicas. Vencedora do Prêmio de Inovação em Saúde do HIMSS LA 2015, oferece evidências que garantem a qualidade da assistência, segurança do paciente e melhor gestão das glosas hospitalares. O ClinicalKey está integrado aos prontuários eletrônicos de diversas instituições de saúde.

Order Sets: solução completa de normalização e padronização dos protocolos institucionais. É baseada em nuvem, o que permite aos médicos e outros profissionais clínicos acessar, criar, revisar e gerenciar os protocolos em um ambiente colaborativo, melhorando resultados. O Order Sets é facilmente integrado ao EHR e adapta-se às organizações, trabalhando em seu fluxo de trabalho e usando sua terminologia.

Care Planning: cria um plano de cuidados totalmente centrado no paciente, por intermédio da combinação do seu histórico, avaliações padronizadas e mais de 500 orientações de prática clínica. Tais práticas são baseadas em evidências e contribuem para o conhecimento, pensamento crítico e apoio à decisão. Além disso, o Care planning pode ajudar a organização, reduzindo a variabilidade e melhorando a coordenação dos cuidados com o paciente.

“Acredito que a maior mensagem que o evento pode trazer ao segmento brasileiro é a importância de aprendermos uns com os outros, com os aspectos de sucessos e fracassos. Não temos tempo e

recursos para que as organizações “inventem a roda” e, por essa razão, é importante que nos unamos para compartilhar. Juntos podemos avançar muito mais rapidamente”, finaliza Robert Nieves.

 

       
Publicidade

Deixe uma resposta