150 palestrantes, 8 congressos 📣 Já emitiu sua credencial para participar do HIS18? Estamos no último lote! Saiba mais →

Pesquisa ABRAIDI constata retenções de faturamento de cerca de R$ 0,5 bilhão

Publicidade

A Associação Brasileira de Importadores e Distribuidores de Produtos para Saúde – ABRAIDI acaba de concluir uma pesquisa inédita sobre o mercado e que será apresentada durante o I Fórum Brasileiro de Importadores e Distribuidores de Produtos para a Saúde, em 25 e 26 de abril, no Hotel Meliá Paulista – São Paulo/SP. O estudo elaborado por uma empresa de consultoria especializada no setor revela dados alarmantes sobre a saúde privada e pública brasileira.

O estudo “O ciclo de fornecimento de produtos para a saúde no Brasil” realizado com mais de 300 associados, que geram 13.600 empregos diretos e faturaram R$ 5,5 bilhões, em 2017, constata uma série de distorções. A primeira relacionada na pesquisa é a retenção de faturamento que chega a R$ 539,6 milhões, sendo R$ 331 milhões retidos por convênios, planos de saúde e seguradoras, R$ 113,8 milhões por hospitais privados e R$ 94,8 milhões por hospitais conveniados ao SUS.

“O objetivo do levantamento não é culpar ninguém, mas traçar um raio-x do segmento, jogar luz no problema e, juntos, encontrarmos uma solução comum”, defende o presidente da ABRAIDI, Sérgio Rocha, que convida todos a participar do Fórum. A retenção de faturamento é quando uma fonte pagadora (plano de saúde ou hospital), após a realização de uma cirurgia previamente autorizada, não autoriza o faturamento dos produtos consumidos, postergando assim o pagamento. Pela pesquisa, convênios, planos de saúde e seguradoras demoraram 68 dias para autorizar o faturamento, hospitais do SUS 62 dias, e hospitais privados 54 dias. “Somente depois do faturamento autorizado é que correm os 90 dias para pagamento. Em 29% dos casos, o distribuidor demorou 180 dias para receber”, lembra Rocha citando a pesquisa.

Segundo o presidente da ABRAIDI, as distorções provocam uma eterna luta, um verdadeiro ‘cabo de guerra’, entre os players do setor. “Não dá mais para seguir assim e também não mais há espaço para discursos éticos se eles não forem colocados em prática. “A transparência é questão de sobrevivência nos dias atuais. A sociedade irá expurgar quem não agir dessa forma”, completa.

       
Publicidade

Deixe uma resposta