🚀 HIS18 Já conferiu os primeiros palestrantes do HIS? Já são mais de 15! CLIQUE AQUI

Oferta de equipamentos cresceu, mas continua desigual

Publicidade

Divulgado hoje, 2, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o estudo Indicadores Sociodemográficos e de Saúde no Brasil 2009, informa que em 2005 o Brasil contava com 39.254 equipamentos de diagnóstico por imagem, 20% a mais que em 1999. O aumento é reflexo do expressivo crescimento de aquisições no setor público, que cresceu 58,9%, de 1999 para 2005. O aumento foi maior entre os aparelhos de ressonância magnética (93% de aumento), mamógrafos com comando simples (71%), ultrassom doppler colorido (58%) e raio-X para hemodinâmica (51%). O aumento, no entanto, não garantiu o acesso para toda população. Ainda há uma desigualdade na distribuição dos equipamentos de imagem por região.
Segundo o estudo, nas regiões Norte e Nordeste há oferta menor que o preconizado para os equipamentos mais complexos e caros, mantendo-se lá uma taxa mais baixa que nas demais regiões para todos os equipamentos. Por outro lado, as regiões Sudeste, Sul e Centro-Oeste mostram valores semelhantes, sendo que o Centro-Oeste supera as outras duas no raio-X para densitometria óssea e no ultrassom. Já os mamógrafos são equipamentos com a distribuição mais igualitária no país, quatro vezes mais numerosos que o parâmetro estipulado pela Portaria do Ministério da Saúde (Pt 1101/02). Quanto ao crescimento dos raios-X, o número ficou abaixo da média (9%) assim como o dos ultrassons ecógrafos (4%). Para o IBGE, isso pode mostrar que os equipamentos mais simples, embora em número maior, têm um crescimento menor frente aos mais complexos.
No setor privado, houve um aumento de 11,4% na aquisição de equipamentos, no período de 1999 a 2005. Ao mesmo tempo, observa-se uma redução, de 1999 para 2002, na proporção de equipamentos privados disponíveis ao SUS, passando de 42% para 35% do total e se estabilizando nesse patamar.
Você tem Twitter? Então, siga http://twitter.com/SB_Web e fique por dentro das principais notícias do setor.

       
Publicidade

Deixe uma resposta