🚀 HIS18 Já conferiu os primeiros palestrantes do HIS? Já são mais de 15! CLIQUE AQUI

MP 495 beneficia empresas nacionais da área da saúde

Publicidade

Publicada no dia 20 de julho passado, a Medida Provisória 495/2010 do Governo Federal consiste em importante mecanismo de apoio à inovação no País por trazer alterações na Lei 8.666/93 (Lei Geral de Licitações e Contratos Administrativos) que possibilita margem de preferência nas licitações públicas. Ou seja, ela visa a utilização do poder de compra do estado como forma de privilegiar processos de inovação realizados por empresas nacionais.
e receba os destaques em sua caixa de e-mail.   
O cerne das alterações está no Artigo 3º da Lei de Licitações. A partir de agora, o “desenvolvimento nacional” passa a ser um dos objetivos das licitações públicas. Referida margem de preferência está inserida nos parágrafos 5º a 12º, incluídos neste artigo pela MP, estando limitada a 25%.
A aplicação dessa margem de preferência deverá ser estabelecida a partir de estudos que considerem a geração de empregos, a arrecadação de tributos e o desenvolvimento de inovação tecnológica, valendo também para empresas do Mercosul. Também poderá ser estendida a outros países com os quais o Brasil possa vir a firmar tratados de cooperação.
Outra mudança importante e que merece destaque é o fato de que, para critério de desempate nas licitações, será levado em conta o fato de os produtos serem produzidos no país. A redação original da Lei de Licitações dava preferência apenas a produtos produzidos no país por empresas de capital nacional. Agora, a produção nacional de empresas multinacionais será considerada.
Saem na frente com as referidas alterações, as empresas nacionais que privilegiaram nos últimos anos a obtenção de certificações, bem como aquelas que já possuem projetos de inovação homologados pelo Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT). São inúmeras as empresas, notadamente da área da saúde que ao longo dos últimos anos investiram bastante em tecnologia e inovação, aplicando volumosos recursos em pesquisas de desenvolvimento, pessoal especializado e produção.
Entretanto, de maneira contraditória, o Estado não reconhecia esse esforço e com base nas disposições da Lei n. 8.666/93 estabelecia obstáculos para que as inovações fossem aceitas, ou até mesmo disponibilizadas ao mercado, fruto de interpretações mal feitas acerca das hipóteses de direcionamento e valor agregado.
Ou seja, muitas vezes, quando competiam em licitações públicas, com outras empresas e produtos sem o mesmo critério de inovação, acabavam sofrendo o ônus pelo seu vanguardismo, pois se não igualassem seus preços aos de outros equipamentos e produtos sem a mesma qualidade tecnológica, se viam alijadas da competição.
Além do fator preço, quando o Estado exige equipamento ou produto, com determinado critério inovador em seus Editais, empresas sem a tecnologia desenvolvida, argumentam que se trata de direcionamento e impugnam os certames, atrasando o desenvolvimento do próprio acervo de produtos do Estado, que se vê impedido de adquirir os produtos diferenciados pela burocracia legalista.
Por fim, o que se espera desta MP, é que não seja mera hipótese de reserva de mercado e cumpra sua finalidade precípua de gerar maior desenvolvimento à indústria nacional, estimulando a pesquisa, a inovação e, principalmente, beneficiando aqueles que ao longo dos anos investiram em qualidade, segurança e inovação, principalmente na área da saúde.
*Evaristo Araujo é sócio do Gandelman Advogados Associados e diretor da  Associação Brasileira das Empresas Certificadas em Boas Práticas de Fabricação (ABECbpf)
A opinião do artigo aqui publicado reflete unicamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da IT Mídia ou quaisquer outros envolvidos nesta publicação.
Você tem Twitter? Então, siga http://twitter.com/SB_Web e fique por dentro das principais notícias do setor.

       
Publicidade

Deixe uma resposta