✉️ NEWSLETTER Assine gratuitamente e atualize-se semanalmente Assinar

“Médico parado é como avião no chão”

Publicidade

Semana passada conhecemos um pouco mais sobre o Medt, aplicação que promete reduzir o tempo do procedimento de agendamento cirúrgico. Gustavo Perez, CEO da empresa nos explicou que a ideia começou a tomar forma ao analisar algumas áreas de gargalos em hospitais. Após um trabalho em Salvador, inicialmente para entender as demandas de inovação, ele percebeu que a área de agendamento cirúrgico estava muito estressada e era ineficiente devido à falta de comunicação entre os hospitais e médicos.

“A comunicação entre o médico e o hospital é difícil. Cada médico tem um horário e está sempre envolvido em um monte de coisas. Médico parado é como avião no chão, não está produzindo.”, disse Gustavo. Por isso o desejo da otimização do tempo do profissional, neste caso para agendamento de cirurgia têm tanto valor.

Para os hospitais, a decisão rápida é fundamental, uma vez que existem inúmeras interações entre eles. Ora porque um item não foi aprovado pelo plano de saúde, outra por questionamentos de materiais… O médico é peça chave na cirurgia e deve estar ciente de todos os recursos e operação. Segundo ele, hoje os hospitais alternam a comunicação entre WhatsApp, email, mensagens, prints de tela e ligações, mas nenhuma ferramenta era de fato efetiva. Problemas comuns eram a falta de resposta, dificuldade de acesso ou falta de registro histórico entre as conversas.

A Medt entra justamente como uma ferramenta que auxilia na comunicação estruturada entre hospital e médico. A instituição recebe o pedido da cirurgia, e solicita junto ao plano de saúde a aprovação da mesma. Quando há a recusa ou questionamento, o hospital precisa notificar o médico para ele se reorganizar ou enviar uma justificativa pleiteando a autorização. De acordo com o CEO, esse processo demora muito e há possibilidade de melhoria na qualidade, especialmente para evitar surpresas indesejadas no momento da cirurgia e diminuir a chance de glosas no pós-cirúrgico.

“A solução pega informações da base de dados do sistema de gestão do hospital e traz tudo para o ambiente do Medt, e a partir daquele instante a equipe de agendamento consegue visualizar todas as informações da cirurgia na plataforma, todos os detalhes. Para cada fase, a plataforma tem uma área para a interação intensa do médico com o hospital.”, explicou Gustavo. A principal vantagem é a comunicação centralizada. Para o médico, por exemplo, há a opção se visualizar de forma consolidada todos os hospitais em que ele atua em um só lugar. “A ideia é ter uma ferramenta que não substitui o sistema de agendamento cirúrgico, mas integra e acelera a troca de informações”, finaliza.

Segundo ele, os dois primeiros meses de uso do MEDT registraram uma aceleração da aprovação de procedimentos cirúrgicos de 26.57% em relação ao bimestre anterior, e de 33% se utilizarmos a média do semestre como comparação. Já na velocidade de agendamento, houve uma aceleração de 14,35% na relação do bimestre.

Para exemplificar, em um hospital no qual, 1000 cirurgias são realizadas mensalmente, a ferramenta economizou 182 horas de trabalho dos operadores de agendamento ao mês. Outro dado interessante é em relação à redução do tempo de resposta entre o médico e a instituição, de 3.7 dias em média, para 1.8 dias.

O modelo de negócios da empresa é baseado no número de cirurgias que a instituições executa. Quanto maior a otimização pela ferramenta, mais cirurgias são realizadas e maior é o valor percebido, comenta Gustavo.

Para finalizar, o executivo comenta sobre os desafios da transformação digital que estamos vivendo no setor de saúde, e destaca: “Muitas pessoas pensam somente na tecnologia, e não em qual solução se adequa mais. A implantação tem que ser pensada ativamente e como esse processo vai refletir na experiência do usuário.”

       
Publicidade

Deixe uma resposta