⚠️ 150 Palestrantes e 8 Congressos Ainda não viu os palestrantes nacionais e internacionais do HIS18? Tá esperando o que? PARTICIPE

Levantamento mapeia as startups brasileiras que trazem inovações para a saúde

Publicidade

Estudo criado pela Liga Ventures – aceleradora especializada em gerar negócios entre startups e grandes empresas – analisou mais de 10 mil startups brasileiras e, dessas, 263 foram consideradas startups de Health Tech

No Brasil, existem 263 startups Health Techs referentes a questões médicas e de saúde. É o que mostra o Liga Insights Health Techs, maior estudo já feito no Brasil sobre startups do segmento – realizado pela Liga Ventures (http://liga.ventures/) – aceleradora especializada em gerar negócios entre startups e grandes empresas – e que analisou 10.085 startups brasileiras e entrevistou mais de 20 empreendedores, profissionais e pesquisadores da área, buscando compreender como o mercado da saúde está inovando e de que forma as Health Techs estão sendo desenvolvidas e aplicadas no Brasil.

O mapeamento das startups foi realizado a partir de diversas fontes, como inscrições para os programas de aceleração e eventos da Liga Ventures, a plataforma DisruptBox, recomendações, notícias em portais de negócios, bases abertas e busca ativa de startups. “Para conduzirmos o estudo, dividimos o setor de saúde em cinco grandes atores, que, individualmente, permitem que os processos da área sejam integrados. São eles: usuários, intermediários, operadores, distribuidores e fornecedores. Depois, os conectamos com 18 categorias de soluções oferecidas por startups”, explica Raphael Augusto, startup Hunter da Liga Ventures e responsável pelo Liga Insights.

As categorias são: bem estar físico e mental (26 startups), BI, AI, BIG DATA, Analytics (18 startups), Buscadores e Agendamentos (27 startups), Espaços (3), Glicemia (5), Hard Science (40), Informação, treinamento, aprendizado (14 startups), IOT para monitoramentos de locais, produtos e pacientes (16 startups), marketplace de medicamentos (startups), nutrição (7 startups), planos (6), prontuário e prescrição (8 startups), próteses (7 startups), saúde on demand (10 startups), Sistema de gestão para hospitais, clínicas, consultórios e laboratórios (44 startups), sistema de imagem e laudo ( 11 startups) e telemedicina ( 7 startups), autismo (2).

Health Techs pelo Brasil

De acordo com o estudo, a categoria de Sistemas de Gestão (17%) e Hard Science (15%), são as com maior número de startups, seguidas pelas soluções de Bem-estar Físico e Mental (10%) e Buscadores e Agendamentos de consultas (10%). As categorias com o menor número de startups são de (2%), Glicemia (1%) e espaços para saúde (1%).

O levantamento apontou ainda que São Paulo é a cidade com o maior número de startups do segmento com 43%, seguido por Belo Horizonte com 9% e Rio de Janeiro, com 6%. Seguindo a lista, os 5 maiores berços de Health Techs no Brasil são: Recife (5%), Florianópolis (5%), Porto Alegre (3%), Curitiba (3%), Ribeirão Preto (3%). No total, 37 cidades brasileiras apareceram no mapeamento como sedes de startups relacionadas a saúde. No ranking de estados, temos como destaques São Paulo com 52%, seguido por Minas Gerais com 12% e Rio de Janeiro com (7%).

“A aplicação de inovações advindas de Health Techs ainda são tímidas no Brasil por inúmeros fatores, entre eles; regulamentação, altos investimentos, prazos longos para desenvolvimento, processos burocráticos e concentração em grandes players. Mas, apesar destes pontos, o mercado está se movimentando para sair da inércia e começa a se abrir, buscando por mudanças, com dois primeiros objetivos: busca pela eficiência operacional e integração”, comenta Rogério Tamassia, co-founder e CEO da Liga Ventures.

72% das organizações de saúde já utilizam inteligência artificial em seus assistentes virtuais

De acordo com o relatório Digital Health Technology Vision 2017, realizado pela Accenture em todo mundo, 72% das organizações de saúde já utilizam inteligência artificial em seus assistentes virtuais e 84% dos executivos da área de saúde entrevistados acreditam que IA (Inteligência Artificial) poderá revolucionar a maneira que eles obtêm informações e a maneira como irão interagir com seus pacientes.

No Brasil, essa realidade vem crescendo todos os dias. Um exemplo é a Qual Farmácia (http://www.qualfarmacia.com.br/), startup que liga estoques das farmácias com a busca das pessoas de maneira remota, incluindo o varejo de medicamentos no mundo digital. Hoje, a Qual Farmácia já possui mais de 300 farmácias cadastradas e tem mais de 30 mil usuários em sua base. A Startup é investida da Porto Seguro e da Plug and Play.

O estudo completo pode ser acessado pelo link: insights.liga.ventures/healthtechs

       
Publicidade

Deixe uma resposta