150 palestrantes, 8 congressos 📣 Já emitiu sua credencial para participar do HIS18? Estamos no último lote! Saiba mais →

Hospital Maternidade Maria Amélia Buarque de Hollanda celebra 6 anos com cerca de 30 mil partos realizados

Publicidade

Pertencente a rede municipal, instituição é referência em partos humanizados no Rio

Hospital Maternidade Maria Amélia Buarque de Hollanda (HMMABH) está completando seis anos de funcionamento com cerca de 30 mil partos realizados, e apenas 28% de cesarianas. Esse resultado é melhor do que a média registrada no país, que é 55,5%, de acordo com o Ministério da Saúde. A média de partos realizados por mês é de 495, com cerca de 590 internações obstétricas. Ao longo do ano passado, foram realizadas 5.487 consultas pré-natais de alto risco. Já os atendimentos de emergência obstétrica ultrapassam os 110 mil, desde a fundação.

“A Maternidade comemora seis anos de participação expressiva na saúde materno-infantil do Rio de Janeiro. Os indicadores de desempenho demonstram a relevância dessa unidade de saúde para a população, mas mais do que os números, os sorrisos e as diversas histórias das famílias que passaram pela Maria Amélia falam de algo muito maior e especial”, acredita o diretor médico da unidade, o obstetra Wallace Mendes.

Os números que ajudam a contar a história de sucesso da HMMABH foram apresentados a convidados e colaboradores nesta segunda-feira, durante a comemoração pelo sexto aniversário da unidade. A cerimônia contou com as presenças da superintendente de Maternidades e Hospitais Pediátricos da Secretaria Municipal de Saúde, Carla Brasil, da assessora da Superintendência, Patrícia Barbastefano, e da assessora da Coordenação Técnica de Neonatologia, Suzane Menezes. Na ocasião, foi ainda realizada a abertura oficial da VI Semana da Enfermagem da unidade.

Para Carla Brasil, um importante programa oferecido no HMMABH é o Cegonha Carioca, que oferece às mulheres atendimento humanizado, da gestação ao momento do parto. “Com o Cegonha Carioca, a mulher é acompanhada desde o pré-natal, etapa fundamental para a saúde da mãe e do bebê. A mulher deve passar pelo menos por sete consultas. Assim, conseguimos detectar alguma alteração e tratar precocemente”, explica. Mais perto da hora do parto, a gestante visita a maternidade de referência para conhecer o espaço e sentir-se mais segura. “Na hora do parto, ela pode ligar e a ambulância ‘Cegonha’ vai buscá-la em qualquer local da cidade”, conta a superintendente.

O secretário municipal de saúde, Marco Antonio de Mattos reafirma um dos principais propósitos da Secretaria Municipal de Saúde, que é oferecer assistência completa às gestantes: “Não à toa, o Programa Cegonha Carioca registra crescimento a cada ano, com cada vez mais mulheres buscando essa assistência na rede municipal de Saúde, que hoje é responsável por mais de 90% dos partos SUS na cidade do Rio”.

Para o diretor médico do HMMABH, os resultados obtidos são fruto do trabalho de uma equipe dedicada e constantemente preocupada com a qualificação e aprimoramento. “Desenvolvemos o trabalho com uma equipe multidisciplinar que trata os pacientes de forma holística. A vontade de fazer sempre o melhor nos impulsiona a vencer os desafios que se apresentam no dia a dia. Queremos avançar ainda mais na atenção ao parto e nascimento para oferecer um serviço cada vez melhor à população”, diz Wallace Mendes.

A Maternidade

O Hospital Maternidade Maria Amélia Buarque de Hollanda conta com uma equipe formada por 526 funcionários e conta com 111 leitos (68 em alojamento conjunto, 43 na unidade neonatal: 13 na Unidade de Terapia Intensiva Neonatal, 22 na Unidade de Cuidado Intermediário Neonatal Convencional e 8 na Unidade de Cuidado Intermediário Neonatal Canguru). Além de realizar partos humanizados, a instituição presta assistência a mulheres vítimas de violência e realiza abortos autorizados por lei; promove campanhas de planejamento reprodutivo e inserção de DIU, além de prestar atendimento psicológico e social a gestantes, puérperas e familiares.

Em parceria com a Associação Saúde Criança, profissionais da Maternidade acompanham famílias em situação de vulnerabilidade social após a alta. Mães que encontrem dificuldade para amamentar podem contar com total suporte durante a internação e mesmo após a alta, com o atendimento presencial ou pelo telefone SOS Mama. Há também atividades educativas no período do pré-natal, como no projeto Família Grávida, curso de orientação ao casal grávido, e durante a internação, como a reunião para a preparação para a alta hospitalar.

O HMMABH conta ainda com o Núcleo de Atenção Interdisciplinar ao Recém-Nascido de Risco (NAIRR), com profissionais especializados em diversas áreas, como pediatria, fisioterapia, fonoaudiologia, nutrição para bebês até 1 ano e atendimento de crianças que precisaram de internação na UTI Neonatal ou que apresentem problemas de desenvolvimento.

A Maternidade recebe alunos de graduação e pós-graduação de instituições como UFRJ, UERJ e IFF/Fiocruz para treinamento, e ainda desenvolve diversos projetos de pesquisa, como por exemplo o PREPARE (Prevenção da Prematuridade na Pré-Eclâmpsia), projeto de colaboração internacional que é uma das 21 iniciativas de pesquisa em saúde materno-infantil do programa Grandes Desafios Brasil, financiado pela Fundação Bill & Melinda Gates e pelo Ministério da Saúde.

Atendimento diferenciado

O HMMABH tem um compromisso com a prestação de uma assistência humanizada para as gestantes. Para isso, a unidade utiliza uma série de métodos não farmacológicos para alívio da dor durante o trabalho de parto, como massagens, banhos quentes, aromaterapia, entre outros, e revisa constantemente os processos de trabalho para a manutenção do padrão de qualidade da assistência.

       
Publicidade

Deixe uma resposta