✉️ NEWSLETTER Assine gratuitamente e atualize-se semanalmente Assinar

Gestão do amanhã: a digitalização do setor de saúde

Por Margareth Amorim, Especialista em Transformação Digital para a Saúde e Educação na SAP Brasil.

Nos dias 31/05 a 03/06 tive a oportunidade de participar da edição do Saúde Business Fórum deste ano em Comandatuba/BA. Neste grande encontro de líderes da Saúde e, consequentemente, palco de grandes discussões e ideias, gostaria de refletir um pouco sobre uma das apresentações (dentre outras) que me chamou a atenção.

No dia 02, participei da palestra do José Salibi Neto, cofundador da HSM, e autor do livro Gestão do Amanhã, que fala sobre a nova era que estamos vivendo, mais conhecida como  4ª Revolução Industrial, uma revolução tecnológica que não transforma apenas as coisas, mas a forma como os indivíduos vivem, trabalham e se relacionam uns com os outros. Numa era em que as tecnologias como inteligência artificial, big data, internet das coisas, robótica, algoritmos e blockchain estão impactando a sociedade como um todo, não é difícil imaginar os impactos negativos nas empresas que acreditam que repetir fórmulas do passado irão continuar a garantir ganhos no presente e no futuro. Quem não se surpreendeu na semana passada com a notícia da saída da GE (General Electric) do Dow Jones, com queda de quase 80% no valor da ação em relação ao pico atingido na década dos anos 2000?

Na era digital, é uma questão de sobrevivência para as companhias repensarem seus modelos de negócios, seus processos e sua força de trabalho, ou seja, é imperativo se reinventar. Neste contexto, gostaria de fazer referência a um trecho do livro do Salibi, mencionado acima:

“Empresas como Google, Facebook, Amazon são referências deste novo contexto. São organizações que catalisam os desejos e anseios de um novo consumidor e atuam como plataformas de negócios, consolidando em seus grupos outras organizações e competências que, apesar de, em um primeiro momento, transmitirem a percepção de serem desconexas têm um eixo comum: a centralidade no consumidor. É a reinvenção do foco.”

Vamos então analisá-lo do ponto de vista do segmento da Saúde:

Para as organizações de saúde, a digitalização abre um mundo de novas oportunidades para entregar valor e melhorar o resultados dos pacientes. A nova era de conexão digital verdadeira está dando às pessoas maior acesso às informações de saúde através de recursos via internet, direcionando inovações na pesquisa médica e tecnologia e criando a promessa de uma nova abordagem personalizada para a saúde. Mas o real valor dos cuidados de saúde só pode ser obtido se todas as partes interessadas não só repensarem o seu negócio a partir de sua própria perspectiva, mas começarem a criar uma cadeia de valor.

Nos mercados de saúde, as partes interessadas (operadoras, prestadores, farmacêuticas, etc.) não tem operado na maior parte do tempo fora do seu próprio interesse e não compartilham informações ou alinham os seus serviços ao longo da cadeia de valor centrada no paciente. Uma rede de saúde digital integrada é como a espinha dorsal de um ecossistema no qual os participantes devem operar, cada vez mais, em interesse comum mútuo.

Dessa forma, a visão do futuro é criar uma rede de saúde que habilite a medicina de precisão. Quer se trate de hospitais ou empresas farmacêuticas ou laboratórios ou operadoras e empresas de seguros ou entidades de saúde pública, os dados estão bloqueados em silos e não há fluxo livre de informações, inibindo a pesquisa médica e os resultados dos pacientes.  Nossa visão na SAP é criar uma rede de Saúde com nossos clientes e parceiros, onde fornecemos uma plataforma digital em que as informações fluirão livremente e aprimorarão a pesquisa e os resultados dos pacientes.

Captura de Tela 2018-07-23 às 13.12.53

Em vez de centralização, uma intermediação e compartilhamento federalista de certas fatias de dados/conhecimento/conteúdo é a estratégia adequada para o futuro. Uma plataforma federada permite conectar diferentes sistemas, e acessar diversos tipos de dados. A plataforma desempenha apenas o papel de facilitador. Os direitos e o controle sobre os dados – que são considerados pela maioria de nós como a moeda do futuro – permanecem nos participantes individuais. Além disso, os pacientes terão a opção de compartilhamento ou retenção de seus dados privados relacionados à saúde.

Como em todas as redes, quanto mais se juntam, mais forte se torna o poder da rede. Nós da SAP atuamos e queremos desempenhar um papel fundamental de permitir essa troca no interesse de um melhor atendimento ao paciente a um custo menor.

Se este texto lhe pareceu um pouco um discurso futurista, saiba que já temos clientes que habilitaram uma rede digital na Saúde. Há pouco mais de três anos, a SAP e a Sociedade Americana de Oncologia Clínica (ASCO) uniram forças para desenvolver uma plataforma de saúde de aprendizado rápido que tinha uma missão ambiciosa: capacitar a comunidade de oncologia para melhorar a qualidade dos cuidados e os resultados dos pacientes por meio da análise de dados transformacionais. Esta iniciativa de transformação digital ofereceu aos profissionais de saúde um meio de superar um dos maiores desafios no tratamento do câncer: obter acesso aos dados sobre o câncer no mundo real.

A ASCO e a SAP perceberam que a chave para empoderar a comunidade de oncologia – e melhorar o tratamento do câncer – era liberar silos de dados de centros de tratamento em todo o país, permitindo que conjuntos de dados fossem acessíveis e que pudessem ser analisados e compartilhados pela maior comunidade de tratamento do câncer. Essa visão tornou-se realidade com o CancerLinQ®, uma plataforma de coleta de dados, com mais de 1 milhão de registros médicos de pacientes, e que oferece aos oncologistas informações de tratamento reais que podem melhorar os resultados dos pacientes.

Atualmente, uma iniciativa baseada nos EUA, o CancerLinQ ajuda os provedores de câncer participantes a melhorar a qualidade do atendimento, analisando múltiplas e complexas fontes de dados extraídas de registros médicos de pacientes. A plataforma permite que os médicos descubram padrões e tendências e avaliem seus cuidados em relação aos de seus pares e recomendam diretrizes.

Se quiser saber mais sobre esta importante iniciativa, acesse:

https://news.sap.com/2018/06/sap-cancerlinq-accelerate-precision-oncology-cancer-care/.

Nos vemos no próximo artigo!

       

Deixe uma resposta