✉️ NEWSLETTER Assine gratuitamente e atualize-se semanalmente Assinar

Evolução tecnológica oferece mais liberdade ao usuário de marcapasso na hora de realizar ressonância magnética (RM)

Publicidade

Nova tecnologia MRI AutoDetect reprograma automaticamente os dispositivos cardíacos implantáveis dos pacientes que necessitam de exame de ressonância magnética.

Pioneira em soluções tecnológicas para melhorar a qualidade de vida dos pacientes, a BIOTRONIK trouxe ao Brasil os novos marcapassos Edora e Evity com função MRI AutoDetect, que reconhece automaticamente quando um paciente entra no campo de ressonância magnética e converte o dispositivo para o modo MRI. Depois da conclusão da ressonância, o dispositivo retorna automaticamente para o seu programa padrão adequado ao paciente.

Essa evolução tecnológica traz mais comodidade aos pacientes. Agora, eles passam por apenas uma programação do DCEI – Dispositivo Cardíaco Eletrônico Implantável, que é a visita prévia ao médico para verificação da integridade do sistema e acionamento do sensor. A partir desse momento, o paciente pode realizar quantos exames de RM forem necessários dentro de um período de até 14 dias. A programação do dispositivo será alterada automaticamente apenas durante a realização do exame.

“A tecnologia MRI AutoDetect, além de oferecer acesso aos exames de ressonância magnética para portadores de marcapasso, simplifica o processo e facilita a rotina de tratamento de médicos e pacientes, já que não é necessária uma segunda visita ao especialista depois do exame. Além disso, a tecnologia reduz o tempo em que o marcapasso está em modo MRI, ou seja, operando de forma especial e diferente do adequado a cada paciente, já que o equipamento retoma a programação adequada imediatamente ao término do exame”, explica Alexey Peroni, cirurgião cardiovascular e diretor médico da BIOTRONIK.

Os marcapassos Edora e Evity também foram concebidos para proporcionar mais conforto aos pacientes, já que o tamanho dos dispositivos é um dos menores da categoria, com apenas 10 centímetros cúbicos de volume, 20,8 g de peso e 48 mm de comprimento. Além disso, eles oferecem tratamento eficaz e completo em recursos, para as mais diversas características de cada paciente, sem comprometer a longevidade da bateria, que é de até 14 anos, dependendo dos parâmetros de programação.

A tecnologia MRI AutoDetect, presente na linha Edora e Evity, foi nomeada finalista no SXSW® South by Southwest Conference & Festival Interactive Innovation Awards 2018, destacando a dedicação da BIOTRONIK à inovação, tão importante para pacientes, médicos e administradores de saúde.

Quais pacientes serão beneficiados?

Com o crescimento da longevidade da população, a quantidade de pessoas que necessitam de dispositivos DCEI, como os marcapassos, também aumentou. Segundo a Eucomed (Federação Europeia de Fabricantes e Fornecedores de Tecnologia Médica), somente em 2017, mais de 45 mil pessoas no Brasil implantaram um dispositivo cardíaco. Da mesma forma, também é crescente o número de indicações de exames de ressonância magnética para esses pacientes, já que o recurso é amplamente utilizado no Brasil e no mundo para o diagnóstico de doenças neurológicas, degenerativas, tumores e lesões ortopédicas, graças à sua excelente resolução de contraste em tecidos moles. Estudos médicos de 2011 indicam que, devido às comorbidades normalmente associadas à idade, de 50% a 75% dos pacientes com marcapasso, ou DCEI, tem indicação para realizar exames de ressonância magnética.

Até alguns anos atrás, os usuários de marcapasso simplesmente não podiam fazer a ressonância magnética e ter um diagnóstico mais preciso de outros problemas de saúde. Isso porque havia um risco potencial de aquecimento, deslocamento de eletrodos e alterações na programação do dispositivo devido aos campos magnéticos e dos pulsos de radiofrequência gerados durante o exame. Essas interferências poderiam causar danos irreversíveis e até mesmo o esgotamento precoce da bateria do equipamento. Desde 2011, quando a BIOTRONIK lançou no País o sistema ProMRI® esta realidade mudou, e agora há um avanço tecnológico ainda maior com os dispositivos MRI AutoDect.

** Kalin R, Stanton MS. Current Clinical Issues for MRI Scanning of Pacemaker and Defibrillator Patients.

Pacing and Clinical Electrophysiology. 2005; 28: 326–328.

       
Publicidade

Deixe uma resposta