✉️ NEWSLETTER Assine gratuitamente e atualize-se semanalmente Assinar

Dr. Cesar Gomes Victora recebe o Prêmio Hospitalar – Personalidade do Ano na Área da Saúde

Publicidade

O professor emérito de Epidemiologia na Universidade Federal de Pelotas (RS) é um dos mais reconhecidos pesquisadores brasileiros na área de saúde e nutrição materno-infantil, amamentação, coortes de nascimento e desigualdades sociais

A Hospitalar, que esta edição comemora 25 anos, homenageou o Dr. Cesar Gomes Victora com o Prêmio Hospitalar – Personalidade do Ano na Área de Saúde. A premiação aconteceu no dia 23 de maio, no Teatro Santander, em São Paulo, durante o tradicional jantar de confraternização com lideranças, empresários e profissionais da saúde. Instituído em 2005, o Prêmio é oferecido anualmente aos profissionais que se destacaram no setor e que contribuíram para o desenvolvimento da saúde brasileira.

Dr. Victora é professor emérito de Epidemiologia na Universidade Federal de Pelotas (RS) e é um dos mais reconhecidos pesquisadores brasileiros na área de saúde e nutrição materno-infantil, amamentação, coortes de nascimento e desigualdades sociais. PhD em Epidemiologia da Assistência Médica pela Escola de Higiene e Medicina Tropical da Universidade de Londres, professor visitante das Universidades de Harvard, Oxford, Londres e Johns Hopkins, Victora realizou extensas pesquisas em diversos estados brasileiros e atuou como pesquisador e consultor em mais de 40 países, assessorando a Organização Mundial da Saúde (OMS) e o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef).

Em 2017 recebeu o Prêmio Gairdner, a mais importante premiação científica do Canadá e uma das mais respeitadas mundialmente na área de ciências da saúde, que distingue anualmente sete cientistas por suas contribuições à pesquisa em medicina e saúde global (cada premiado é considerado potencial candidato ao prêmio Nobel). O especialista também foi vencedor na categoria Saúde Global, com o prêmio-título John Dirks Canada Gairdner Global Health Award, que reconhece avanços científicos que produziram profundo impacto para a saúde em países em desenvolvimento.

Com mais de 600 publicações científicas e 22 mil citações no Web of Science, dirigiu o primeiro estudo a detectar a relação direta entre a amamentação exclusiva e a prevenção da mortalidade infantil. Essas pesquisas deram origem às curvas de crescimento infantil da OMS, adotadas atualmente em mais de 140 países. O professor coordenou também um consórcio internacional de pesquisa incluindo cinco coortes de nascimentos (estudo do conjunto de todos os indivíduos nascidos no mesmo intervalo de tempo, ao longo de toda a sua vida) em países de renda baixa e média, reunindo informações sobre a saúde de 11 mil crianças, monitoradas do nascimento à idade adulta. A análise do impacto da nutrição precoce sobre o desenvolvimento de fatores de risco para doenças crônicas na vida adulta levou os pesquisadores a elaborar o conceito de “janela de oportunidades”, preconizando que intervenções nutricionais em saúde materno-infantil devem priorizar os primeiros mil dias, do início da gestação aos dois anos de vida.

Mais recentemente, o trabalho de Victora voltou a mobilizar a comunidade científica internacional ao fornecer as primeiras evidências epidemiológicas dos efeitos da amamentação sobre a inteligência, que persistem até a vida adulta. Os resultados indicaram que crianças que foram amamentadas por mais tempo até a idade de dois anos apresentaram melhores níveis de inteligência (QI), escolaridade e renda aos 30 anos.

Coordenador do Centro Internacional de Equidade em Saúde da UFPel, o professor é um dos fundadores e atual diretor da estratégia “Countdown to 2030 for reproductive, maternal, newborn, child, and adolescent health and nutrition”. A iniciativa reúne governos, agências internacionais e instituições científicas para monitorar o progresso mundial em relação aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, da Organização das Nações Unidas (ONU), com foco sobre cobertura e equidade de intervenções efetivas para prevenir mortes evitáveis de mulheres e crianças em 81 países em desenvolvimento.

       
Publicidade

Deixe uma resposta