🚀 HIS18 Já conferiu os primeiros palestrantes do HIS? Já são mais de 15! CLIQUE AQUI

“Devemos expandir os modelos de atenção aos idosos”,diz Francisco Vignoli

Publicidade

Reduzir os gastos crescentes em saúde e garantir a sustentabilidade financeira do setor não são desafios exclusivos do Brasil. Atualmente, são pautas discutidas em vários países desenvolvidos e em desenvolvimento. Para a discussão desse tema, conversei com o médico Francisco Vignoli, fundador da empresa B2 Saúde.

De acordo com a pesquisa realizada este ano pelo Pnad/IBGE, o número de trabalhadores brasileiros com mais de 60 anos chega a 6,48 milhões e, a perspectiva é que a população idosa triplique até 2030.

Para que as empresas possam equilibrar o orçamento das suas despesas com o benefício do plano de saúde, atrelado ao número de funcionários idosos, as organizações devem se mostrar em primeiro lugar preocupadas e receptivas a discutir essa questão. Vignoli aponta que pouquíssimas empresas estão realmente preparadas ou mostram interesse nessa pauta. Algo relacionado com a nossa cultura, como podemos acompanhar com a Reforma da Previdência. Um outro agravante seria que até hoje, não foi aprovada uma lei que criaria uma previdência privada para a saúde.

O país está envelhecendo, nascem cada vez menos brasileiros e a força de trabalho que sustenta as aposentadorias e pensões não cresce no mesmo ritmo, ou seja, no caso da Previdência, o caos é total porque o Brasil tem também uma massa jovem que se encontra desempregada, cerca de um milhão e meio de desempregados.

pirc3a2mides-etc3a1rias-absolutas

Se a base é pequena o colapso é inevitável. Dessa forma, para acompanhar esse novo perfil populacional, o nosso país necessita expandir os modelos de atenção aos idosos.  Como por exemplo,  os programas de prevenção e promoção à saúde que contribuem diretamente na manutenção da qualidade de vida.

Para Vignoli, a saúde no Brasil e em outros países de maneira geral apresenta um nível baixo de educação. Quando falamos de promoção à saúde relacionamos a medicina do estilo de vida, que nada mais é que a questão da conscientização e mudanças de hábitos para o alcance de um bem-estar pleno. Ele pondera, que através do processo educativo 60% do custo médico poderia ser reduzido, e isso não se limita apenas a alimentação, cuidados pessoais, mas também ao próprio uso dos planos de saúde.

“O Brasil esqueceu a aplicação da palavra educação, os governantes olham para a saúde como um processo econômico inflacionário, que de certa forma se tornou, visto que o governo delega isso para a iniciativa privada”, afirma Vignoli.

O uso consciente dos recursos de saúde cria maior consciência de valor na população, por essa razão não deve deixar de ser estimulado, pois segundo o Instituto Coalizão Saúde apenas 10% dos idosos de renda média poderão arcar com uma cobertura de plano de saúde privado. Entretanto não é um processo educativo que se limita simplesmente ao usuário, deve se estendido para toda a cadeia de serviço.

       

Publicidade

Deixe uma resposta