🚀 HIS18 Já conferiu os primeiros palestrantes do HIS? Já são mais de 15! CLIQUE AQUI

Como alcançar as metas de saúde populacional?

A relação entre saúde populacional e cuidado individual é reforçada pela dicotomização da medicina em prática clínica e saúde pública. Tanto a saúde individual não pode ser vista fora do contexto sócio-econômico em que está inserida quanto, em um aspecto mais amplo, a saúde populacional não pode ser vista sem cuidados contínuos, de acordo com cada necessidade dos indivíduos ali inseridos.

Para que as metas de saúde populacional sejam atingidas, é preciso acontecer o planejamento e acompanhamento da saúde individual.

Há muitas vertentes diferentes para a definição de estratégia de saúde populacional, mas um ponto em comum é a importância do uso de dados e a geração de inteligência a partir desses inputs.

A ideia é que um cuidado proativo, de gestão de saúde populacional feita com base em dados seja tido como um norte para resultados mais adequados para os pacientes. O impacto de um cuidado adequado pode ser visto no controle das doenças crônicas, na redução de uso de serviços médico-hospitalares de forma desnecessária, no aumento da qualidade de vida e até no alcance das metas de saúde com base em valor.

Mas como os provedores conseguem engajar nesse novo formato de cuidado?

Definir um time interdisciplinar forte

É conhecido que não se alcançam resultados diferentes com as mesmas estratégias. Para isso, adicionar visões diferentes – e até explorar as experiências diversas dos indivíduos da equipe atual  – pode ser significativo na melhoria do cuidado e na reconstrução de uma estratégia de saúde populacional.

Em épocas de forte automação, um exemplo de profissional que tem crescido na indústria automobilística, por exemplo, é o antropólogo. Parece inusitado, mas, em épocas de driverless cars, ou seja, os carros que não têm necessidade de um ser humano na direção, é preciso programar o veículo de acordo com códigos éticos e morais da sociedade em que estamos inseridos. Todos aqueles dilemas de escolha de ação desse tipo de carro precisam ser discutidos em um contexto de sociedade – não somente de tecnologia.

Utilizar tecnologia para maximizar o potencial do trabalho

A tecnologia é capaz de fechar o ciclo na gestão do cuidado populacional e pode ser usada em diferentes etapas do processo.

Desde a identificação de grupos de pacientes com necessidade de intervenção até a coordenação do cuidado por diferentes provedores, a tecnologia contribui para que o acompanhamento do trabalho, dos indivíduos e dos recursos seja feito de forma mais próxima, aumentando a qualidade de vida dos pacientes inseridos no cuidado e diminuindo as possibilidades de ineficiência durante o processo.

A integração entre um conjunto de tecnologias precisa acontecer de forma eficiente para para que tanto o cuidado clínico quanto os controles administrativos possam promover a sustentabilidade do programa.

Para isso, as ferramentas de analytics, monitoramento remoto e integração de dados são essenciais e cumprem um papel importante na garantia do cuidado da carteira de pacientes.

Desenhar um mapa estratégico e um plano de gerenciamento

Uma vez que a organização decide quais os objetivos com os recursos disponíveis internamente, é importante decidir como cada um vai ser usado e qual o impacto deles nas metas.

Desenvolver estruturas organizacionais e nomear as ferramentas e os times adequados é importante para a criação de um ambiente que produz sistemas de cuidado mais custo-efetivos e de maior qualidade.

Recolher feedback sobre os fluxos e sobre a satisfação do paciente

Entender as métricas de sucesso e como o participante central dessa equação vê o processo de cuidado é fundamental para a melhoria contínua ou, em casos mais extremos, a completa virada do programa de saúde populacional. A palavra de ordem para este tipo de estratégia é engajamento. Sem a participação do paciente e a maior atuação no seu próprio cuidado, tais programas não atingem seus potenciais.

Por fim, a saúde populacional é necessária para o sucesso das estratégias de saúde. Para isso, as organizações serão dependentes de dados e análises para implementar ações e buscar mudanças.

       

Deixe uma resposta