150 palestrantes, 8 congressos 📣 Já emitiu sua credencial para participar do HIS18? Estamos no último lote! Saiba mais →

Centro de Diagnósticos do Hospital e Maternidade Santa Joana inaugura serviços com foco em diabetes na gestação e doenças da tireoide

Publicidade

A unidade oferece estrutura completa para diversas doenças da gravidez e para a realização de exames de laboratório e imagens

O Centro de Diagnóstico do Hospital e Maternidade Santa Joana acaba de inaugurar uma unidade especial voltada para doenças endocrinológicas na gestante. A ideia é oferecer diagnóstico e tratamento em um único lugar para patologias comuns na gravidez: diabetes gestacional, que se caracteriza pela alteração das taxas de açúcar (glicose) no sangue durante a gravidez; diabetes pré-gestacional, que engloba pacientes que já eram diabéticas antes da gestação; e doenças da tireoide, que abrange hipertireoidismo e hipotireoidismo.

Segundo a dra. Maíra Pontual Brandão, da Unidade Integrada de Doenças Endocrinológicas do Hospital e Maternidade Santa Joana, a tireoide pode apresentar distúrbios na sua função e/ou na sua forma e tamanho. As disfunções dela ocorrem quando existe uma produção hormonal em excesso, no hipertireoidismo; ou deficiente, no hipotireoidismo. “Ambas as situações são prejudiciais ao organismo. As consequências de falha nesta produção hormonal são potencialmente graves tanto para a mãe como para o bebê. Infertilidade, descolamento placentário, parto prematuro, baixo peso ao nascer, aborto, perda gestacional, doença hipertensiva específica da gestação e hemorragias pós-parto são as potenciais consequências das disfunções da tireoide não tratadas na gestante”, explica a especialista.

Além disso, de acordo com o Dr. Erivelto Volpi, cirurgião de cabeça e pescoço da Unidade Integrada de Doenças Endocrinológicas do Hospital e Maternidade Santa Joana, as alterações hormonais típicas da gravidez podem descompensar o funcionamento da tireoide, causando o hipertireoidismo ou o hipotireoidismo, esse último mais comum no período gestacional. Além disso, pode causar a presença de nódulos malignos ou benignos. “O estado perfeito da tireoide é muito importante para o bom desenvolvimento da gravidez. Caso a gestante não identifique e trate o hipotireoidismo, por exemplo, ele pode causar problemas para o feto, como a diminuição do QI (quociente de inteligência) e falta de desenvolvimento cognitivo”, afirma o especialista. Além do Dr. Erivelto, estão à frente dos novos ambulatórios da instituição as endocrinologistas Maíra Pontual Brandão e Antonela Siqueira.

O Centro de Diagnóstico do Santa Joana oferece uma estrutura completa para diversas doenças da gravidez e para a realização de exames de laboratório e imagens. As grávidas podem realizar o acompanhamento da gestação de baixa e alta complexidade com especialistas e equipamentos de ponta. Os grandes destaques são os serviços inaugurados este mês: o ambulatório de doenças endocrinológicas na gestação, que engloba diagnóstico e tratamento para hipertireoidismo, hipotireoidismo, diabetes gestacional e diabetes pré-gestacional; e o serviço de cirurgia da tireoide. “Com o serviço integrado a uma instituição que conta com a expertise voltada às mães, conseguimos garantir maior rapidez para diagnóstico de doenças, além de proximidade e comunicação entre todos os especialistas que atendem a gestante, como obstetra, endocrinologista e cirurgião. Assim, fazemos com que a gravidez aconteça de uma forma mais equilibrada e saudável”, ressalta o Dr. Erivelto.

Dentre outros serviços prestados pelo Centro de Diagnóstico, merece atenção o de Medicina Fetal, que é considerado uma referência para a classe médica, oferecendo prevenção, diagnóstico e tratamento das mais variadas doenças fetais. Uma equipe de especialistas em gestações de alto risco, aliada a uma tecnologia avançada com equipamentos de última geração para a realização de exames, garantem à gestante a segurança que ela e seu bebê necessitam em todos os momentos. A instituição ainda conta com o serviço de diagnósticos de doenças do assoalho pélvico e o serviço de fisioterapia do assoalho pélvico de preparo para o parto normal.

De acordo com o Dr. Erivelto, o tratamento de hipotireoidismo é feito por meio de medicamentos com hormônios tireoidianos, que complementam a função dessa glândula no corpo da gestante; ou remédios para controlar a produção de hormônio quando a mulher apresenta hipertireoidismo. O diagnóstico é feito por meio de exames físicos, de ultrassom ou de sangue. “O mais importante é a mãe se atentar ao pré-natal, onde doenças como essa podem ser identificadas com antecedência”, finaliza o profissional.

       
Publicidade

Deixe uma resposta