150 palestrantes, 8 congressos 📣 Já emitiu sua credencial para participar do HIS18? Estamos no último lote! Saiba mais →

Brasileira assume a presidência da Federação das Sociedades de Cardiologia de Língua Portuguesa

Publicidade

A cardiologista brasileira Gláucia Moraes de Oliveira assumiu a presidência da Federação das Sociedades de Cardiologia de Língua Portuguesa – FSCLP. A transmissão de cargo foi em Vilamoura, Portugal, no final de abril. Além das Sociedades Brasileira e Portuguesa de Cardiologia – SBC e SPC, fazem parte da Federação, como associados, a Sociedade Angolana de Doenças Cardiovasculares, os Colégios de Cardiologias das Ordens dos Médicos de Moçambique e Cabo Verde.

Gláucia Moraes de Oliveira é diretora da Sociedade Brasileira de Cardiologia, professora do Departamento de Clínica Médica da Disciplina de Cardiologia da Faculdade de Medicina da UFRJ e coordenadora do curso de pós-graduação em Cardiologia da UFRJ.

Na palestra que concedeu ao assumir o cargo, Gláucia lembrou que a comunidade dos países de língua portuguesa é constituída por cerca de duzentos e quarenta milhões de pessoas e mantém relações de cooperação política e econômica. “Porém, o intercambio na área de saúde é precário, principalmente no que tange a saúde cardiovascular”, ressaltou a presidente da FSCLP. Gláucia constatou que as desigualdades sociais, mesmo nos países ditos desenvolvidos da comunidade, estão claramente associadas às doenças incluindo, as cardiovasculares. “As nações de língua portuguesa têm Índices de Desenvolvimento Humano diversos que variam de muito elevado em Portugal e Macau a baixo em Angola e Moçambique. Observamos uma clara associação entre o IDH, a expectativa de vida e as taxas de mortalidade por doenças cardiovasculares”, comparou.

A presidente da Federação ainda traçou caminhos que possam levar à queda da incidência das doenças cardiovasculares nas nações de Língua Portuguesa. “É necessário melhorar as condições sociais e econômicas com elevação e distribuição da renda, acesso à educação, saneamento e habitação adequados, promoção de atenção básica e métodos preventivos de saúde, que reduzam ou eliminem os fatores de risco”, detalhou Gláucia. Segundo ela, estas medidas são eficazes na capacidade de promover saúde e bem-estar, além de reduzir as taxas de mortalidade de forma relevante.

A Federação das Sociedades de Cardiologia de Língua Portuguesa – FSCLP, criada em 2014, tem como finalidade promover o desenvolvimento da cardiologia a serviço da saúde da população dos países e territórios onde a língua portuguesa é oficial. A FSCLP estimula o estudo e a investigação de problemas científicos relacionados com as doenças cardiovasculares, promove o estudo dos aspectos sociais das cardiopatias e da prevenção, assistência e apoio aos doentes cardíacos, edita e divulga documentos científicos entre os seus membros, patrocina a presença de cardiologistas lusófonos em reuniões internacionais, entre outras atividades.

       
Publicidade

Deixe uma resposta