🚀 HIS18 Já conferiu os primeiros palestrantes do HIS? Já são mais de 15! CLIQUE AQUI

Atrasos de repasse preocupam hospitais de alta complexidade

Publicidade

Constantes atrasos nos repasses de recursos federais a hospitais públicos que prestam atendimento de alta complexidade têm mobilizado os dirigentes do setor em todo o Brasil. É o caso do superintendente do Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais da Universidade de São Paulo (HRAC/USP) – Centrinho, de Bauru (SP) -, José Alberto de Souza Freitas, que tem ido com freqüência a Brasília em busca de soluções para o problema.
As ações do superintendente foram iniciadas ainda em 2003 por meio de contatos com diversos representantes da saúde na esfera do governo federal, além de sucessivas audiências com deputados e senadores. Juntos, os atrasos desde outubro no repasse dos recursos do convênio entre o SUS (Sistema Único de Saúde) e o Centrinho – e entre o SUS e a Funcraf (Fundação para o Estudo e Tratamento das Deformidades Craniofaciais), principal parceira do hospital – totalizam mais de R$ 4 milhões.
Para contornar o quadro desfavorável, as instituições de alta complexidade têm feito uso de sua reserva de caixa nos últimos meses, o que não é suficiente para reverter a situação. Como efeito em cadeia, o atraso nos repasses também gera atraso de pagamento aos funcionários contratados pela Funcraf – quase metade do total do quadro do hospital, que é de cerca de 900 pessoas. No caso dos servidores contratados pela USP, não há atraso de pagamento.

       
Publicidade

Deixe uma resposta