🚀 HIS18 Já conferiu os primeiros palestrantes do HIS? Já são mais de 15! CLIQUE AQUI

Apps de saúde crescem em países emergentes

Publicidade

Mudanças sempre foram uma constante no mundo, mas a rapidez com que elas têm ocorrido nas duas últimas décadas é inegável. Dentro do universo da Saúde, a autonomia das pessoas no cuidado de si mesmo está entre as grandes transformações vigentes. O avanço tecnológico, incluindo a infinidade de aplicativos que estão surgindo, certamente tem impulsionado essa tendência. Para tentar mensurar esse movimento, a empresa Mobile Ecosystem Forum (MEF) publicou um relatório sobre mHealth e wearables, em parceria com a fabricante de segurança AVG Technologies.

O levantamento retrata os motivos para o uso e consumo de cerca de 15 mil usuários mobile em mais de 15 países, dos cinco continentes, e mostra que as mulheres são as maiores entusiastas dos aplicativos. A pesquisa indica que a adoção de aplicativos voltados para saúde (health) e prática de exercícios físicos (fitness) cresce em todo o mundo, sendo mais de um terço em relação ao ano anterior, passando de 11% para 15%; assim como o uso de apps ligados à medicina, crescendo de 8% para 10%.

mulheres-apps

Os países emergentes, da África, Ásia e América Latina, parecem, segundo relatório, serem os países com mais interesse nesse tipo de aplicativo, obtendo crescimento mais acentuado no uso.

tabela-apps-emergentes

tabela-apps-emergentes2

 

 

LEIA MAIS

Telemedicina, e-Health e m-Health: o que elas nos reservam?

Outros dados:

• Globalmente, 44% dos usuários de mídias mobile já presenciaram um médico ou profissional da saúde fazendo uso de aparelhos como smartphones ou tablets durante uma consulta, para oferecer um diagnóstico ou tratamento;
• O uso de aplicativos de Saúde & Fitness cresceu um terço ao redor do mundo no último ano;
• Mais da metade dos usuários mobile usa apps para relaxar ou para treinar sua mente. 20% usam para ajudá-los a gerenciar seu peso;
• No Brasil, 26% dos usuários usam aplicativos para ajudar na prática de exercícios e 21% para controlar o peso;
• África do Sul e Nigéria são os países que apresentaram maior crescimento;
• No Brasil o crescimento em ambas as categorias (apps médicos e apps de saúde e fitness) foi de 5%;
• O único país que apresentou queda no uso desse tipo de aplicativos foi os EUA, com -5% no uso de aplicativos de Saúde & Fitness.
África, Ásia e América Latina

• Sul-africanos são os mais empolgados com o uso de apps de Saúde & Fitness (22% contra a média global de 15% de uso), enquanto os nigerianos são os mais propensos a usar apps médicos (o uso mais do que dobrou em um ano, passando de 7 para 17%);

• Na Índia e no México o crescimento do uso de apps de saúde & Fitness foi de 7%;

• No Qatar e na Arábia Saudita mais da metade dos consumidores já presenciou o uso de apps médicos em consultas com profissionais da saúde.

Para a CEO da MEF, Rimma Perelmuter, as tecnologias de mHealth e wearable representam uma grande oportunidade de crescimento e colaboração para o setor. De acordo com esta visão, o Saúde Business Forum deste ano, organizado pela Live Healthcare Media, terá o tema colaboração (Partner to Win) como pano de fundo do evento, sendo discutido pela perspectiva científica e filosófica, assim como tecnológica.

As mudanças tecnológicas estão tão rápidas que há quem questione se os seres humanos serão capazes de lidar de maneira sustentável em meio a elas. A filósofa e escritora Viviane Mosé fez essa provocação durante o Saúde Business Forum do ano passado (“Viviane Mosé: mudança acontece com um pé na idade média e outro no futuro), afinal.

O levantamento inclusive aponta que a falta de confiança é o maior obstáculo para o crescimento da indústria mobile, sendo citada por 40% dos entrevistados como fator número um para evitar baixar itens a partir do smartphone ou tablet.

       
Publicidade

Deixe uma resposta