150 palestrantes, 8 congressos 📣 Já emitiu sua credencial para participar do HIS18? Estamos no último lote! Saiba mais →

​​Curitiba conta com novo local de cuidado e atenção à saúde da mulher

Publicidade

Com foco na saúde e bem-estar da população feminina da capital, o Hospital VITA, localizado no Batel, acaba de implantar mais uma área de atendimento. Trata-se do Centro Avançado de Cirurgia Ginecológica VITA, onde serão realizados exames preventivos e de rotina visando a saúde feminina em primeiro lugar.

O serviço oferece procedimentos como: histeroscopias diagnósticas e cirúrgicas (inspeção da camada interna do útero) para realização de biopsias endometriais, retirada de DIU quando o fio não está visível, reposicionamento de DIU (Mirena e de Cobre), lise de sinéquias uterinas (aderências uterinas), miomectomia (retirada de miomas submucosos), endometrectomia (ressecção da camada endometrial), polipectomia (retirada de pólipo), entre outros.

“Será realizada também inserção de DIU, com e sem sedação, e exames colposcópicos para aquelas pacientes que tiverem seus preventivos alterados, visando sempre a prevenção de câncer do colo uterino e lesões causadas pelo vírus do HPV, revela a médica ginecologista Dra. Monica Zomer, responsável pelo novo serviço.

Dra. Monica conta que também será disponibilizado um serviço de videolaparoscopia (que visualiza a cavidade abdominal com uma imagem de alta definição, vista por uma microcâmera que passa a imagem intra-abdominal para um monitor) de excelência que tem como objetivo a alta precoce e o retorno às atividades laborais com menos dor no pós-operatório, além de um resultado estético melhor. Os procedimentos realizados por videolaparoscopia compreende o tratamento de endometriose, infertilidade, cistos ovarianos, miomas intramurais e subserosos, sangramento uterino anormal, reanastomose tubarias, entre outras doenças.

Segundo a médica, diversos problemas ginecológicos podem comprometer o trabalho, o casamento, a saúde e o bem-estar da população feminina. “Em se tratando de endometriose que é uma doença, que acomete cerca de 10% da população feminina, muitas vezes é silenciosa podendo levar a infertilidade e acabar com o sonho que muitas mulheres tem que é ser mãe, ou pode evoluir para quadros de dor intensa no período menstrual, ou até mesmo fora dele, dores insuportáveis durante as relações sexuais, acabando em muitas situações comprometendo a vida do casal”, destaca.

Frequente na idade reprodutiva, a endometriose é uma doença ginecológica caracterizada pela presença do tecido do endométrio, camada que reveste o interior do útero, fora de seu local habitual. Ela explica que o diagnóstico é feito por meio de uma avaliação ginecológica clínica detalhada e pode ser investigada com exames laboratoriais e de imagem.

Outro problema que compromete a saúde da mulher é o mioma uterino – tumor benigno localizado no útero e que atinge, geralmente, mulheres de 30 a 50 anos de idade. De origem genética, o mioma uterino pode apresentar crescimento excessivo e, considerando a localização dele dentro do útero, pode causar hemorragias com coágulos, cólicas intensas, aumento do útero. A maioria das mulheres, cerca de 75%, não apresentam nenhum sintoma, quando ocorrem, os mais comuns são: sangramento intenso durante a menstruação, cólicas, urgência de urinar, dor abaixo do umbigo ou sensação de pressão na região. Já o diagnóstico se dá exatamente pelos sintomas da paciente e pela ultrassonografia. “Quando os miomas são pequenos e assintomáticos e não estão presentes na camada submucosa (parte interna do útero) não precisam de tratamento, somente a observação e acompanhamento por meio do ultrassom. No caso de miomas maiores, é necessário tratá-los e retirá-los”, alerta.

 

       
Publicidade

Deixe uma resposta