This site is operated by a business or businesses owned by Informa PLC and all copyright resides with them. Informa PLC's registered office is 5 Howick Place, London SW1P 1WG. Registered in England and Wales. Number 8860726.

+100 PALESTRANTES Saiba quem estará nos palcos do HIS19. 🎙 Clique aqui

Unimeds de Avaré e Bauru iniciam união administrativa

By 5 de agosto de 2014 Mercado

A tendência de concentração que já há alguns anos tem movimentado o mercado brasileiro de saúde suplementar – derrubando pequenas operadoras e unindo carteiras de clientes das grandes – parece estar arrebatando também as cooperativas médicas, responsáveis por 18,7 milhões de vidas até março de 2014, ou cerca de 37% do total de pessoas que pagam por planos de assistência privada.

Um indicativo são as mudanças anunciadas na região noroeste paulista: a Unimed de Avaré deu o pontapé do projeto de união administrativa com a Unimed Bauru – movimento já observado, por exemplo, na Unimed Betim, em Minas Gerais, incorporada pela Unimed-BH.

A fusão entre as cooperativas do interior paulista está em fase de estudos, iniciados após uma reunião, realizada em 14 de julho, entre os presidentes das duas cooperativas (Benami Francis Dicler e Orlando Costa Dias, respectivamente) e o superintendente da Unimed do Brasil, Adriano Leite Soares.

Atualmente, a cooperativa de Avaré tem 15,7 mil beneficiários, enquanto a irmã bauruense tem aproximadamente 88,8 mil. “Com o aumento das exigências da ANS e das demandas por serviços de saúde, a operação passou a ser muito custosa”, explica Edevard José de Araújo, diretor de marketing e desenvolvimento da Unimed do Brasil.

Para Benami, da Unimed de Avaré, a operação vai fornecer melhores condições de prestação de serviços aos usuários ao remunerar melhor os cooperados e solucionar deficiências de atendimento em Avaré e sua região de abrangência. Além disso, a Unimed Bauru poderá injetar recursos para a abertura de um hospital, na implantação de um Pronto Atendimento ou em investimentos para a rede credenciada.

Os dois presidentes firmaram um acordo para contratação de uma empresa de consultoria especializada em fusões corporativas, para apresentar uma proposta formal aos cooperados (que precisará ser avaliada e aprovada em assembleias das duas cooperativas) e, em seguida, à Agência Nacional de Saúde Suplementar.

Mercado
Segundo Araújo, a fusão entre cooperativas fisicamente próximas é benéfica por dois motivos: diluição dos custos administrativos e, claro, dos riscos com a sinistralidade. “Se eu tiver ali dois ou três pacientes com uma doença grave, que custem muito, há prejuízo de todo o orçamento e da margem das cooperativas, que já é muito pequena.”

Além disso, fusões podem ser benéficas para a melhoria e ampliação dos serviços médicos prestados pelas cooperativas envolvidas. Com mais caixa disponível e menos riscos, é possível investir mais na rede de serviços da prestadora “menor”. “Pode ser inclusive parte do acordo [de fusão]”, explica Araújo.

A Unimed Brasil vê o movimento com bons olhos. O enxugamento, explica o diretor da Unimed do Brasil, pois o número de cooperativas do tipo no Brasil “não é lógico”. No entanto, esse movimento não deve ser tão rápido quanto entre as operadoras convencionais, uma vez que este tipo de operação “tem toda uma questão política por trás”.

“Se a ANS, ao regular [o setor de saúde suplementar], diminuiu o número de operadoras, ocorre uma melhoria no sistema. Isso tudo é feito seguindo os ritos legais. A Unimed que vai incorporar tem que assumir o cliente, sem prejuízos, e segue uma serie de regras”, pondera.

Portal Saúde Business

About Portal Saúde Business

Formar e informar o executivo de saúde é o que fazemos todos os dias. Há mais de 15 anos desenvolvendo um conteúdo proprietário e centrado nos principais gestores do país, acompanhamos as notícias e tendências que impactarão no dia-a-dia dos hospitais, operadoras, centros diagnósticos, farmacêuticas e clínicas do país.

Leave a Reply