This site is operated by a business or businesses owned by Informa PLC and all copyright resides with them. Informa PLC's registered office is 5 Howick Place, London SW1P 1WG. Registered in England and Wales. Number 8860726.

⚠️ Hospital Albert Einstein, Rede D'Or, Amil, DASA, Fleury... todos no HIS. E você? Clique aqui

Startups de saúde já levantaram US$ 15 bilhões este ano

By 11 de julho de 2018 Mercado

Citamos ontem em entrevista como o mercado precisa ser cauteloso na “descoberta” de novos produtos, e manter a segurança do paciente sempre em primeiro lugar. Muitos acreditavam que o escândalo da Theranos poderia esfriar os investimentos e despertar dúvidas em relação às healthtechs. Pelo contrário, até agora, 2018 tem sido um grande ano para as startups de saúde.

A indústria biofarmacêutica, por exemplo, se manteve aquecida nas fusões e aquisições com a Takeda Pharmaceutical comprando a Shire por US$ 62,2 bilhões, a Sanofi adquirindo a Bioverativ por US$ 11,6 bilhões e a Ablynx por US$ 4,8 bilhões. Também tivemos a Juno Therapeutics sendo comprada pela Celgene por US$ 9 bilhões, logo depois de adquirir a Impact Biomedicines por US$ 1,1 bilhão.

De acordo com o Pitchbook da Forbes, o ritmo do primeiro semestre foi o melhor em pelo menos 10 anos. Até agora foram arrecadados US$ 15 bilhões, 70% a mais do que no mesmo período do ano passado. Um movimento a ser observado é a concentração desses investimentos em poucas empresas. Em 2017, 855 empresas foram investidas nos seis primeiros meses, enquanto no primeiro semestre de 2018, o número caiu para 779.

Em operações relevantes, a Humacyte, desenvolvedora de regenerativos vasculares, arrecadou US$ 150 milhões, e após o investimento da Fresenius, foi avaliada em quase US$ 800 milhões. Também na casa dos US$ 100 milhões está a Kaleido Bioscience, empresa de estágio clínico que desenvolve drogas focadas em microbiomas.

Os principais destaques vão para o pódio Moderna, que busca criar drogas utilizando-se de RNAm, Grail, desenvolvedora de testes sanguíneos para detecção de câncer, e Healtflow, sobre imagens cardíacas, com respectivamente US$ 500 milhões (avaliado em US$ 7 bilhões), US$ 300 milhões (avaliado em US$ 3,2 bilhões), e US$ 240 milhões (avaliado em US$ 1,5 bilhões).

A análise também apontou empresas que não corresponderam às expectativas, como a Intarcia Therapeutics, que arrecadou US$ 615 milhões em 2017, mas quando o FDA rejeitou sua solução para diabetes, se viu obrigada a interromper o programa e demitir seus funcionários. Outra empresa que está em dificuldades após grande arrecadação (US$ 510 milhões) é a Outcome Health, processada por investidores e sofrendo com o abandono de seus maiores clientes.

Ainda assim, as notícias boas compensam os resultados ruins isolados do primeiro semestre.

Fernanda Fortuna

About Fernanda Fortuna

Engenheira Biomédica pela Universidade Federal do ABC, Fernanda passou um ano na Escócia estudando Engenharia Mecânica. Após retornar ao Brasil, emprendeu na área de robótica e reabilitação. Apaixonada por tecnologia e saúde, hoje atua na curadoria de conteúdo para os eventos Saúde Business Fórum, Hospitalar e Healthcare Innovation Show.

Leave a Reply