This site is operated by a business or businesses owned by Informa PLC and all copyright resides with them. Informa PLC's registered office is 5 Howick Place, London SW1P 1WG. Registered in England and Wales. Number 8860726.

Pernambuco faz 14 mil cirurgias de hérnias em um ano

By 3 de março de 2020 Mercado

O estado de Pernambuco realizou 14 mil cirurgias de correção de hérnias da parede abdominal no período de um ano, de acordo com dados divulgados pelo DataSus. Do total, apenas 20 foram realizadas de forma minimamente invasiva.

Aproximadamente 28% das cirurgias ocorreram em Recife (4 mil) – a cidade com maior número de operações. O Nordeste é a segunda região do brasil que mais realiza correções de hérnia, com 82 mil cirurgias, atrás apenas do sudeste, com 103 mil.

Segundo a Sociedade Brasileira de Hérnia (SBH) as cirurgias de reparo de hérnia representam grande volume de operações realizadas do país, com 286,6 intervenções no último ano. “Não existe um tratamento medicamentoso capaz de reparar a hérnia, apenas a cirurgia, que é indicada para a maioria dos pacientes”, explica o presidente da SBH, cirurgião Christiano Claus.

O cirurgião do aparelho digestivo que atua em Recife e é associado da SBH, Maxwell Stanford, a hérnia é um defeito na musculatura que permite a passagem de parte de um órgão ou de uma porção de gordura através da abertura do músculo. “Trata-se de um rompimento ou uma falha na parede abdominal, que pode surgir devido a uma cirurgia prévia ou devido a uma fraqueza natural da parede. É mais comum ocorrer em regiões como o umbigo e a virilha”, explica. “Corrigimos esse defeito com o uso de uma prótese em formato de tela, para evitar a recidiva”.

A obesidade, o tabagismo e a diabetes podem aumentar o risco de recidiva da hérnia.

Portal Saúde Business

About Portal Saúde Business

Formar e informar o executivo de saúde é o que fazemos todos os dias. Há mais de 15 anos desenvolvendo um conteúdo proprietário e centrado nos principais gestores do país, acompanhamos as notícias e tendências que impactarão no dia-a-dia dos hospitais, operadoras, centros diagnósticos, farmacêuticas e clínicas do país.