This site is operated by a business or businesses owned by Informa PLC and all copyright resides with them. Informa PLC's registered office is 5 Howick Place, London SW1P 1WG. Registered in England and Wales. Number 8860726.

Ortopedistas se mobilizam contra os Planos de Saúde

By 16 de fevereiro de 2004 Mercado

Os ortopedistas de todo o Brasil, por meio da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia (SBOT), se mobilizam para garantir o repasse do reajuste dos Planos de Saúde para consultas e procedimentos médicos. No período de 1996 a 2002, a Agência Nacional de Saúde (ANS) concedeu aumentos
para as operadoras que hoje acumulam 114%. Percentuais que não foram repassados aos médicos, informa a Assessoria de Imprensa da SBOT. Para tentar reverter esta situação, começou a circular por todo o País um Termo de Compromisso a ser assinado por médicos de todas as categorias se comprometendo em não mais atender fora dos valores estabelecidos pela recém-criada Classificação Brasileira Hierarquizada de Procedimentos Médicos (CBHPM). Mais de mil médicos já aderiram. “Ao assinarem esse Termo, os médicos assumem, inclusive, estarem cientes das punições cabíveis para o descumprimento dele”, afirma Neylor Pace Lasmar (ex-médico da Seleção Brasileira de Futebol) e atual presidente da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia (Sbot). Ele faz uma comparação com o salário mínimo enquanto em 1996 o valor de uma consulta correspondia a 23% do salário mínimo hoje, está em torno de 10%.
Lasmar considera que a recuperação dos valores pagos aos médicos, com base nessa nova classificação, representa mais que a valorização profissional: o resgate da dignidade da categoria. Tanto que o primeiro ato de sua gestão foi exatamente criar o Conselho Nacional de Defesa Profissional da Sbot, com representantes de todos os Estados. Segundo Lasmar, não se trata de defender reajustes para o consumidor, mas, sim, o justo repasse dos aumentos já aplicados pelas operadoras de planos de saúde.
A definição da nova tabela conseguiu mobilizar representantes de todas as especialidades médicas, que se reuniram e estudaram as novas mudanças nos últimos 40 meses. Foi a primeira vez que as sociedades abriram mão de estabelecer seus próprios procedimentos em prol deuma “tabela” única.
Lasmar pondera, ainda, que essa falta de repasse compromete a formação continuada dos médicos e a manutenção de consultórios e clínicas. Pesquisas da Sbot junto a seus associados revelou que 66% dos ortopedistas atravessam momentos “difíceis” em seus consultórios e clínicas por registrar uma receita igual ou inferior às despesas.
Essa realidade acarretou problemas para centenas de médicos. Só no Rio de Janeiro 90% das clínicas ortopédicas fecharam. Já, em São Paulo, nos últimos seis anos, a falência chegou a 50%.

Portal Saúde Business

About Portal Saúde Business

Formar e informar o executivo de saúde é o que fazemos todos os dias. Há mais de 15 anos desenvolvendo um conteúdo proprietário e centrado nos principais gestores do país, acompanhamos as notícias e tendências que impactarão no dia-a-dia dos hospitais, operadoras, centros diagnósticos, farmacêuticas e clínicas do país.

Leave a Reply