NEWSLETTER Assine gratuitamente e atualize-se semanalmente Assine

Opinião: Podemos ganhar com o fim da CPMF

Por 9 de janeiro de 2008 Mercado

O leitor já se perguntou aonde irão parar os R$ 40 bilhões que foram tirados da saúde pública e do Bolsa Família com a extinção da CPMF? Por acaso o leitor acha que essa extinção vai beneficiar toda a sociedade com o aumento da competitividade e redução generalizada dos preços? Pois bem, só o Doutor Pangloss acredita nessa parvoíce. Não haverá redução proporcional de preços, até mesmo porque a demanda está aquecida por crescimento que ultrapassa os 5%. Esse dinheiro será predominantemente incorporado à margem de lucro de grandes empresas, que são responsáveis por 72% da arrecadação da CPMF, e não reverterá em benefício significativo para o grosso da população.
O dinheiro que antes pagava intervenções cirúrgicas no SUS e sustentava crianças pobres nas escolas será substancialmente apropriado pelos mais abastados e, graças à supressão da fiscalização propiciada pela extinção da CPMF, contribuirá para irrigar a economia informal e a sonegação. Trata-se de uma das maiores transferências de renda do setor público para o setor privado e dos pobres para os ricos de que se tem notícia. Um desastre tributário e social.
Com efeito, cometeu-se erro crasso que ameaça não apenas a saúde pública brasileira, mas também penaliza a saúde econômica do País. No afã de derrotar um governo de grande popularidade, foram usados argumentos que não resistem a análises elementares. Por exemplo, o argumento de que a CPMF incide mais sobre a população de baixa renda e que, portanto, trata-se de imposto “injusto”, é de uma indigência mental que espanta. A metade mais pobre dos brasileiros responde por apenas 1,8% da arrecadação direta da CPMF. Entre as pessoas físicas, 61% da arrecadação vem de indivíduos com renda anual superior a R$ 100.000,00.
Claro está que, como os empresários embutem os seus custos com impostos nos preços dos produtos, qualquer tributo indireto é regressivo. Mas, nesse sentido, vários outros impostos indiretos, como o ICMS e o PIS/COFINS são bem mais regressivos. A arrecadação da CPMF representa apenas 1,38% do PIB, enquanto que a do ICMS é de 7,39% e a do PIS/COFINS 4,76%. Porém, é na devolução da CPMF à sociedade que seu caráter progressivo se revela com nitidez. No período 1997/2006, 45% dos recursos da CPMF foram aplicados na saúde pública, 37% na previdência social e 17% no Bolsa-Família ou em outros programas de transferência de renda.
Outro dos argumentos esgrimidos era o de que a supressão da CPMF não teria impacto relevante na receita tributária, dado que há excesso de arrecadação. Na realidade, é a CPMF que contribui para o aumento da arrecadação, permitindo o equilíbrio fiscal. Único tributo que abrange o setor informal, a CPMF é fácil de arrecadar e difícil de sonegar, o que a torna essencial para a fiscalização tributária. Entre 2001 e agosto de 2007, a fiscalização provinda da CPMF permitiu arrecadar preciosos R$ 43,6 bilhões.
Por trás de todo esse imbróglio há uma verdade incontestável: o país precisa discutir uma reforma tributária consistente. As recentes medidas adotadas pelo Executivo colocam ênfase muito maior no corte de gastos (R$ 20 bilhões) do que no aumento de impostos (R$10 bilhões) para lidar com o rombo deixado pela extinção abrupta da CPMF, o que sinaliza respeito à decisão tomada pelo Senado e reconhecimento de que é possível diminuir paulatina e racionalmente a carga tributária. Essa é a oportunidade de se estabelecer diálogo de alto nível entre governo e oposição. Assim, 2008 poderá ser o ano em que não apenas a economia brasileira se consolide no rumo do desenvolvimento sustentando, virando um jogo que todos perdíamos, mas também um ano no qual o debate político não seja pautado por interesses eleitoreiros, criando as condições para um jogo que todos possamos ganhar.
O artigo foi publicado na Gazeta Mercantil/Caderno A – Pág. 6, no dia 8 de janeiro.
Aloizio Mercadante é Senador pelo PT de São Paulo, economista e professor licenciado da PUC e da Unicamp
As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicadas refletem unicamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da IT Mídia ou quaisquer outros envolvidos nesta publicação.

Portal Saúde Business

Sobre Portal Saúde Business

Deixe uma resposta