This site is operated by a business or businesses owned by Informa PLC and all copyright resides with them. Informa PLC's registered office is 5 Howick Place, London SW1P 1WG. Registered in England and Wales. Number 8860726.

HOSPITALAR 2019 Já emitiu sua credencial gratuita? Clique aqui

“O hardware não vai morrer”, Cristiane Nascimento

By 12 de maio de 2016 Mercado, TI e Inovação

A CMO da GE Healthcare, Cristiane Nascimento contou para o Portal Saúde Business como que a empresa traz o conceito de inovação para solucionar cada etapa do cliente integrando sistemas de software.

O stand da GE Healthcare na última JPR , Jornada Paulista de Radiologia, estava com poucos equipamentos, alguns de ressonância e outras inovações, mas a CMO destacou que o novo posicionamento da empresa é o conceito de solução em software.

“O produto em si representa muito mais do que os aparelhos de áreas mais específicas, porque o mercado passa a buscar soluções para cada área do hospital”, explicou a tendência forte no mercado atualmente.

Cristiane Nascimento“Qual é o impacto desse produto? O que ele pode trazer a mais para me auxiliar? E quais benefícios estão por trás? Foram as dúvidas e demandas que percebemos no mercado”, analisou Cristiane. “Os médicos querem um produto que resolva problemas que ele já conhece há muito tempo, como custo operacional, fila de espera e fazer o agendamento, por exemplo.”

Podemos perceber que a finalidade maior é resolução de problemas do dia-a-dia do cliente. O preço, o high end, low end não têm tanta importância se esse produto entrega sistemas integrados que proporcionem maior eficiência para eles. “Os hospitais têm muitos sistemas rodando em paralelo e um dos desafios é integrar e fazer operar em uma plataforma única”, explicou ao se referir do novo portfólio da GE Healthcare.

O serviço associado ao maquinário é uma demanda bastante pertinente para a GE Healthcare que fez uma parceria com o SENAI justamente para treinar os técnicos dos clientes e o curso é tão importante que é custeado pela própria empresa que contrata esses técnicos. Com o passar do tempo, o treinamento foi tomando uma direção diferente e hoje é bem mais clínico do que técnico.

Cristiane Nascimento percebeu que é importante entregar flexibilidade para o cliente e criar modelos diferenciados para cada um deles. “Alguns buscam não ter que tomar nenhum risco e outros assumem riscos caso isso reduza o custo operacional”, mas com certeza ela afirma: “O hardware nunca vai acabar, é um meio de plugar todas as plataformas digitais, mas estamos trabalhando para esse digital ser mais inteligente, analítico e preditivo”

O pós-venda também é crucial para associar o hardware ao serviço da companhia e com o passar do tempo, as empresas adquirem maturidade com a educação para usar o software de maneira bem mais otimizada.

Nathalia Nunes

About Nathalia Nunes

Fonoaudióloga formada pela FMUSP, com MBA em Economia e Gestão em Saúde na UNIFESP e apaixonada por comunicação, negócios e tecnologia em saúde. Na Live, trabalho com Marketing, Pesquisa e Conteúdo, tanto na produção de materiais editoriais e de pesquisa, quanto na difusão de temas e ações relacionados a negócios em saúde.

Leave a Reply