This site is operated by a business or businesses owned by Informa PLC and all copyright resides with them. Informa PLC's registered office is 5 Howick Place, London SW1P 1WG. Registered in England and Wales. Number 8860726.

+100 PALESTRANTES Saiba quem estará nos palcos do HIS19. 🎙 Clique aqui

“O hardware não vai morrer”, Cristiane Nascimento

By 12 de maio de 2016 Mercado, TI e Inovação

A CMO da GE Healthcare, Cristiane Nascimento contou para o Portal Saúde Business como que a empresa traz o conceito de inovação para solucionar cada etapa do cliente integrando sistemas de software.

O stand da GE Healthcare na última JPR , Jornada Paulista de Radiologia, estava com poucos equipamentos, alguns de ressonância e outras inovações, mas a CMO destacou que o novo posicionamento da empresa é o conceito de solução em software.

“O produto em si representa muito mais do que os aparelhos de áreas mais específicas, porque o mercado passa a buscar soluções para cada área do hospital”, explicou a tendência forte no mercado atualmente.

Cristiane Nascimento“Qual é o impacto desse produto? O que ele pode trazer a mais para me auxiliar? E quais benefícios estão por trás? Foram as dúvidas e demandas que percebemos no mercado”, analisou Cristiane. “Os médicos querem um produto que resolva problemas que ele já conhece há muito tempo, como custo operacional, fila de espera e fazer o agendamento, por exemplo.”

Podemos perceber que a finalidade maior é resolução de problemas do dia-a-dia do cliente. O preço, o high end, low end não têm tanta importância se esse produto entrega sistemas integrados que proporcionem maior eficiência para eles. “Os hospitais têm muitos sistemas rodando em paralelo e um dos desafios é integrar e fazer operar em uma plataforma única”, explicou ao se referir do novo portfólio da GE Healthcare.

O serviço associado ao maquinário é uma demanda bastante pertinente para a GE Healthcare que fez uma parceria com o SENAI justamente para treinar os técnicos dos clientes e o curso é tão importante que é custeado pela própria empresa que contrata esses técnicos. Com o passar do tempo, o treinamento foi tomando uma direção diferente e hoje é bem mais clínico do que técnico.

Cristiane Nascimento percebeu que é importante entregar flexibilidade para o cliente e criar modelos diferenciados para cada um deles. “Alguns buscam não ter que tomar nenhum risco e outros assumem riscos caso isso reduza o custo operacional”, mas com certeza ela afirma: “O hardware nunca vai acabar, é um meio de plugar todas as plataformas digitais, mas estamos trabalhando para esse digital ser mais inteligente, analítico e preditivo”

O pós-venda também é crucial para associar o hardware ao serviço da companhia e com o passar do tempo, as empresas adquirem maturidade com a educação para usar o software de maneira bem mais otimizada.

Nathalia Nunes

About Nathalia Nunes

Fonoaudióloga formada pela FMUSP, com MBA em Economia e Gestão em Saúde na UNIFESP e apaixonada por comunicação, negócios e tecnologia em saúde. Na Live, trabalho com Marketing, Pesquisa e Conteúdo, tanto na produção de materiais editoriais e de pesquisa, quanto na difusão de temas e ações relacionados a negócios em saúde.

Leave a Reply