This site is operated by a business or businesses owned by Informa PLC and all copyright resides with them. Informa PLC's registered office is 5 Howick Place, London SW1P 1WG. Registered in England and Wales. Number 8860726.

HOSPITALAR 2019 Já emitiu sua credencial gratuita? Clique aqui

JFSP confirma que Receita Federal não pode reter mercadoria importada

By 24 de agosto de 2017 Colunas, Mercado

“O Fisco não pode reter a mercadoria importada como forma de impor o recebimento da diferença de tributo ou exigir caução para sua liberação, devido em razão da reclassificação fiscal”

A Justiça Federal de São Paulo confirmou os termos da liminar deferida em 09/03/2017 para determinar que o Inspetor Chefe da Receita Federal tomasse as providencias necessárias para conclusão e liberação de mercadorias importadas provenientes do Japão.

No procedimento administrativo, o Fisco interrompeu despacho aduaneiro sobre argumento de que a classificação da mercadoria não estaria correta, lavrando o Auto de Infração.

Sentindo-se lesada, a empresa K. I. Ltda buscou reverter a situação em juízo a fim de afastar o ato sob o argumento de que a retenção de mercadoria viola os termos da Súmula 323 do STF e, portanto, havendo discussão sobre a classificação fiscal do produto não deve, o Fisco, impedir a conclusão do despacho para nacionalização dos produtos.

Em liminar, a empresa obteve sucesso e viu assegurado seu direito de acesso à mercadoria com a imediata liberação dos produtos, ao contrário do que prevê o Fisco, sem prestar caução. O advogado que atuou no caso, Dr. Pedro Cassab, sócio do escritório Cassab e Latini Sociedade de Advogados, afirmou que ao reter a mercadoria o Inspetor Chefe estaria violando o texto da Constituição Federal por, além de outras razões, impedir o livre exercício de atividade econômica de sua cliente o que, a passos largos, criaria um verdadeiro caos no dia-a-dia da empresa. Ainda sobre o caso, o advogado sustentou que divergência na classificação fiscal do produto não deve ser vista como fraude na importação e, portanto, é direito constitucional dos importadores discutir o tema em procedimento próprio da Receita ou até mesmo em Juízo não sendo, pois, passível de retenção pelo Fisco a mercadoria com suspeita de divergência.

 

Pedro Cassab

About Pedro Cassab

Sócio do escritório Cassab Law - Advogados

Leave a Reply