This site is operated by a business or businesses owned by Informa PLC and all copyright resides with them. Informa PLC's registered office is 5 Howick Place, London SW1P 1WG. Registered in England and Wales. Number 8860726.

Economia prateada: Pandemia coloca holofote nos 60+

By 14 de julho de 2020 Destaques, Mercado

A pandemia está redesenhando nossas vidas: da percepção sobre a saúde ao modo como consumimos e vivemos. De todas as transformações em curso, um destaque é a alteração da percepção sobre o envelhecimento e sobre o próprio relacionamento com as pessoas maduras. Com esse holofote direcionado para temas como a longevidade e a finitude, temos que fazer algumas reflexões importantes sobre o futuro: tento individual, quanto coletivo.

A pesquisa Plano de Vida & Legado – conduzida pela agetech Janno em parceria com a MindMiners –, traz dados interessantes sobre a percepção dos brasileiros sobre a temática: sete em cada 10 entrevistados com mais de 60 anos afirmam que estão refletindo mais sobre a finitude durante a pandemia; quatro em cada 10 estão com medo de morrer; dois em cada 10 começaram o planejamento de fim de vida durante o distanciamento social. Mas, o que esses números revelam na essência?

Vamos por partes. Sobre a constatação da própria longevidade, viver mais – em uma perspectiva bastante prática – significa ter que poupar por mais tempo. Entretanto, os brasileiros começam a se planejar mais próximos da aposentadoria. Entre os entrevistados da pesquisa com mais de 45 anos, 19% já se planejaram; 27% entre os que têm entre 55 e 64 anos e 30% dos brasileiros 60+ se planejaram para o envelhecimento. Entre as mulheres, essa é uma pauta mais distante, em especial entre as com mais de 65 anos: somente 18% das entrevistadas – com idade entre 45 e 54 anos – começaram o processo de se planejar; 25% com idade entre 55 e 64 anos; e 24% somente aos 65 anos iniciaram o planejamento. Entre os homens, os índices são 20%, 33% e 45%, respectivamente. Entre 10 brasileiros, apenas dois já fizeram algum tipo de planejamento financeiro para a velhice. Mesmo sabendo que a longevidade exige um novo plano financeiro, pouco são os que realmente calcularam o valor que precisam poupar: 32% afirmam que nunca pensaram no tema; 23% já fizeram o cálculo.

Sobre a finitude, o momento é delicado. As inúmeras mortes de pessoas acometidas pela pandemia do novo coronavírus – sobretudo as prateadas – evidenciam a fragilidade humana e o ageismo. De invisíveis ao centro do debate sobre a pandemia da Covid-19, os maduros brasileiros passaram a ser vistos com um olhar de cuidado, proteção e preconceito. A gravidade da doença revelou uma mudança social que estava em curso, mas que tende a se acelerar pela consciência coletiva sobre o tamanho da população com mais de 60 anos. No país, esses brasileiros formam um exército de 30 milhões de pessoas que tiveram hábitos comportamentais e de consumo alterados.

Esse contexto aponta para uma reflexão e tomada de decisão essencial: o brasileiro precisa se planejar tanto para a longevidade, quanto para a finitude. Somos um dos piores países para se morrer: no ranking Qualidade da Morte, conduzido pela Economist Intelligence Unit, o país ocupa a 42ª posição entre 80 países. No cotidiano, 74% dos brasileiros não falam sobre a morte. Quando a ameaça à vida ganha proporções globais e palpáveis – como temos visto nesta pandemia – o assunto é ainda mais urgente. Mas, é importante lembrar que falar sobre finitude não se trata de abordar somente o luto, a perda, a saudade. Planejar a finitude é, acima de tudo, assegurar a liberdade de tomar as próprias decisões e honrar o legado. Planejar e organizar os documentos mais importantes da vida é essencial para auxiliar a família a lidar, com o mínimo de estresse, com questões como heranças, dívidas e outras pendências.

No mundo tem surgido startups que têm trabalhado com a temática da finitude. No Brasil, cito a Janno – da qual sou cofundadora –; no Japão, a Next Japan, um serviço que organiza, limpa e separa as roupas e objetos na casa da pessoa falecida, em especial, no caso de quem morava sozinho. Entre as norte-americanas, destaco a Cake (aplicativo que ajuda os usuários a comunicarem seus últimos desejos a entes queridos, médicos e advogados) e o Endwell Project (movimento que está ressignificando a experiência da morte por meio de conteúdo qualificado).

Por último, gostaria de falar que temos que pensar sobre o que fazer com os anos a mais que ganhamos de presente. A longevidade traz uma gama de possibilidades, mas também de responsabilidades – e, talvez, a principal delas é a ressignificação da vida após os 60 anos. Essa nova geração de maduros, que tanto revolucionou os costumes e a forma de viver na sua juventude, é chamada mais uma vez para inovar: na forma de viver a maturidade e a finitude.

Sobre a autora

Layla Vallias é cofundadora do Hype50+, consultoria de marketing especializada no consumidor sênior e da Janno – startup agetech que tem como missão apoiar brasileiros 50+ em seu novo plano de vida. Foi coordenadora do Tsunami60+, maior estudo sobre Economia Prateada e Raio-X do público maduro no Brasil e diretora do Aging2.0 São Paulo, organização de apoio a empreendedores com soluções para o envelhecimento em mais de 20 países. Mercadóloga de formação, com especialização em marketing digital pela Universidade de Nova York, trabalhou com desenvolvimento de produto na Endeavor Brasil.

Portal Saúde Business

About Portal Saúde Business

Formar e informar o executivo de saúde é o que fazemos todos os dias. Há mais de 15 anos desenvolvendo um conteúdo proprietário e centrado nos principais gestores do país, acompanhamos as notícias e tendências que impactarão no dia-a-dia dos hospitais, operadoras, centros diagnósticos, farmacêuticas e clínicas do país.