This site is operated by a business or businesses owned by Informa PLC and all copyright resides with them. Informa PLC's registered office is 5 Howick Place, London SW1P 1WG. Registered in England and Wales. Number 8860726.

Desemprego no Brasil dificulta acesso à saúde

By 29 de janeiro de 2016 Mercado

09Em 2015 o desemprego no Brasil aumentou 42,5% que, segundo o IBGE, é a maior alta da série histórica. Isso pode ampliar a dificuldade já enfrentada por pelo menos 54% da população, que não consegue pagar por todas as terapias que precisa.

Cerca de 75% dos brasileiros compram medicamentos com os próprios recursos, sem nenhum tipo de auxílio. Essa realidade já representava um desafio crescente, devido ao aumento das despesas com saúde geradas pelo envelhecimento da população.

Leia Mais: Desemprego e saúde: O que tem a ver?
Planos de saúde perdem 164 mil beneficiários em 12 meses
500 mil pessoas perderam seu plano de saúde! E agora?

Os idosos já representam 7,4% dos 201 milhões de brasileiros e, com a expectativa de vida de 71 anos para homens e 78 para mulheres, esse percentual continuará aumentando nos próximos anos. Essa mudança torna uma série de doenças mais frequentes, como câncer, hipertensão, diabetes e problemas neurológicos.

Tais doenças requerem tratamentos complexos e/ou contínuos, o que eleva as despesas com saúde. As dificuldades de acesso a terapias, que acabariam sendo agravadas gradualmente com o novo perfil demográfico, que podem sofrer um crescimento acelerado pelo desemprego e pelas consequentes limitações financeiras da população.

Segundo presidente-executivo da Interfarma (Associação da Indústria Farmacêutica de Pesquisa), Antônio Britto, o cenário desperta preocupação, pois o corte de despesas com saúde é uma das últimas coisas que as famílias fazem, mas que pode ser uma medida necessária quando o desemprego aumenta e a renda cai.

Hoje, os medicamentos têm 34% de seu valor composto por tributos, sendo o ICMS o mais alto entre eles. Apesar disso, esse imposto deve aumentar em 12 estados; aumento médio de 1,2%, gerando impacto no preço dos medicamentos.

Em 2009, o estado do Paraná reduziu o ICMS de 18% para 12% e, com isso, aumentou o acesso a medicamentos. O aumento das vendas elevou também a arrecadação deste imposto pelo governo, que saltou 115% no Paraná, enquanto nos principais estados do país, a arrecadação havia aumentado apenas 9%.

O Brasil estás muito acima da média mundial de tributos sobre impostos: no país cobra-se 34%, enquanto a média mundial é de 6,3%. Países como Portugal, Holanda, Itália e Espanha não cobram mais do que 10%.

Portal Saúde Business

About Portal Saúde Business

Formar e informar o executivo de saúde é o que fazemos todos os dias. Há mais de 15 anos desenvolvendo um conteúdo proprietário e centrado nos principais gestores do país, acompanhamos as notícias e tendências que impactarão no dia-a-dia dos hospitais, operadoras, centros diagnósticos, farmacêuticas e clínicas do país.

Leave a Reply