This site is operated by a business or businesses owned by Informa PLC and all copyright resides with them. Informa PLC's registered office is 5 Howick Place, London SW1P 1WG. Registered in England and Wales. Number 8860726.

Como a análise de big data está impulsionando o mercado da saúde no Brasil

By 25 de junho de 2020 Destaques, Mercado

Diante do potencial do Big Data na saúde, as aplicações existentes hoje apenas engatinham. No futuro, ela mudará drasticamente a forma e a velocidade dos diagnósticos, a indicação de tratamentos e a criação de estratégias epidemiológicas preventivas. A tecnologia que está sendo desenvolvida e aperfeiçoada para estruturar e interpretar os dados hoje tem diversas aplicações, que tendem a ganhar outra escala conforme esse mercado amadurece.

Um dos usos mais imediatos envolve principalmente as áreas operacionais da medicina, como o business intelligence do setor. Com dados operacionais de um grupo médico plenamente integrado, as aplicações de inteligência artificial podem extrair informações sobre como organizar turnos e equipes, dividindo o capital humano sem ociosidade nem deficiência, distribuição de remédios de forma otimizada e inteligente, controle de estoques e inventário planejados de acordo com modelos de previsão, integração inteligente de prontuários, laudos e exames de imagem que poupam tempo tanto do paciente quanto dos profissionais de saúde envolvidos, e mesmo a redução de custos dentro de um grupo médico com empresas de vários perfis.

Outra aplicação de análise de Big Data que deve ter um grande impacto quando alcançar escala é a unificação de prontuários médicos, que permitirá a previsão de problemas de saúde na população graças a uma análise mais profunda de dados epidemiológicos. Registros completos com dados pessoais, informações demográficas, histórico médico, alergias e resultados de exames laboratoriais compartilhados por sistemas seguros, serão uma mina de ouro para prevenção, diagnóstico e tratamento de diversas condições clínicas.

No caso de grupos médicos que têm usado big data para melhorar suas rotinas, o atendimento e a eficiência dos serviços, as interfaces para acessar esses dados estão cada vez mais intuitivas. Isso permite que mesmo gestores não especializados em ciência de dados manipulem dos dados a fim de tomarem decisões rápidas e eficientes com base na análise de padrões, como alterações na estrutura de uma equipe para atender uma demanda prevista de atendimentos, controlar estoques ou mesmo otimizar o tempo de atendimento alterando rotinas.

Sobre o autor 

Guilherme Sakajiri é Head of Health da Semantix

Portal Saúde Business

About Portal Saúde Business

Formar e informar o executivo de saúde é o que fazemos todos os dias. Há mais de 15 anos desenvolvendo um conteúdo proprietário e centrado nos principais gestores do país, acompanhamos as notícias e tendências que impactarão no dia-a-dia dos hospitais, operadoras, centros diagnósticos, farmacêuticas e clínicas do país.