This site is operated by a business or businesses owned by Informa PLC and all copyright resides with them. Informa PLC's registered office is 5 Howick Place, London SW1P 1WG. Registered in England and Wales. Number 8860726.

Brasil se une aos EUA para desenvolver vacina contra Zika

By 12 de fevereiro de 2016 Mercado

Foi anunciado nesta quinta-feira (11/02) pelo ministro da Saúde, Marcelo Castro, o primeiro acordo internacional para desenvolvimento de vacina contra o vírus Zika. A parceria será entre o Instituto Evandro Chagas do Pará, órgão vinculado ao Ministério da Saúde, e a Universidade Texas Medical Branch dos Estados Unidos. O governo brasileiro disponibilizará US$1,9 milhão nos próximos cinco anos para a condução da pesquisa.

Leia Mais: Zika vírus: OMS declara emergência internacional
Laboratórios ampliam em 20 vezes testes para o zika vírus
O cenário do zika vírus no Brasil

Segundo Marcelo Castro em comunicado à imprensa, o acordo é um passo importante para o desenvolvimento de uma vacina para o vírus Zika e a previsão inicial é que os pesquisadores brasileiros e americanos concluam o imunizante nos próximos dois anos. Ele ainda explica a escolha da parceria: “A Universidade do Texas Medical Branch foi escolhida por ser um dos principais centros mundiais de pesquisas de arbovírus, e um dos mais especializados no desenvolvimento de vacinas. Assim como o Instituto Evandro Chagas, que também é referência mundial como centro de excelência em pesquisas científicas”.

O acordo prevê a instituição de um Comitê de Coordenação que irá se reunir, pelo menos, duas vezes ao ano para analisar o progresso e os resultados alcançados no âmbito da cooperação. Está prevista também a participação de outros organismos de saúde internacional, como a Organização Mundial de Saúde.

Ainda segundo pesquisador do Instituto Evandro Chagas, Pedro Vasconcelos, planeja-se que já no primeiro ano de parceria sejam feitos os primeiros ensaios pré-clínicos, simultaneamente no Brasil e nos Estados Unidos. Ele explica que em Galveston, na cidade do Texas, serão realizados testes em camundongos e, em Belém, em macacos e que essa testagem simultânea garantirá maior agilidade ao processo, possibilitando que, já no segundo ano, possam ser iniciados os ensaios clínicos.

O investimento em novas tecnologias é um dos eixos do Plano Nacional de Enfrentamento ao Aedes e à Microcefalia que está sendo executado pelo governo federal com envolvimento de 18 ministérios e outros órgãos federais, além da parceria com os governos estaduais e municipais. O plano foi criado para conter novos casos de microcefalia relacionados ao vírus Zika e oferecer suporte às gestantes e aos bebês. Ele é resultado da criação do Grupo Estratégico Interministerial de Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional e Internacional. O plano é dividido em três eixos de ação: Mobilização e Combate ao Mosquito, Atendimento às Pessoas e Desenvolvimento Tecnológico, Educação e Pesquisa).

*Com informações do Portal da Saúde – Ministério da Saúde em 11/02/2016.

Nathalia Nunes

About Nathalia Nunes

Fonoaudióloga formada pela FMUSP, com MBA em Economia e Gestão em Saúde na UNIFESP e apaixonada por comunicação, negócios e tecnologia em saúde. Na Live, trabalho com Marketing, Pesquisa e Conteúdo, tanto na produção de materiais editoriais e de pesquisa, quanto na difusão de temas e ações relacionados a negócios em saúde.

Leave a Reply