This site is operated by a business or businesses owned by Informa PLC and all copyright resides with them. Informa PLC's registered office is 5 Howick Place, London SW1P 1WG. Registered in England and Wales. Number 8860726.

HOSPITALAR 2019 Já emitiu sua credencial gratuita? Clique aqui

Ambulatórios nas empresas podem ser úteis no uso do PS?

By 5 de março de 2015 Colunas, Gestão, Hospital
ambulatórios

Em todo o mundo, o uso das emergências dos hospitais tem aumentado substancialmente. No Brasil, de acordo com o Mapa Assistencial 2014 da Agência Nacional de Saúde Suplementar, o número de consultas em pronto-socorros aumentou de 49,8 milhões em 2012 para 57,4 milhões, ou seja, um incremento de mais de 15% em um ano. Sabe-se que as consultas em pronto socorros podem custar até quatro vezes mais que usamuma consulta ambulatorial, somente em custos assistenciais. Os custos relacionados à ausência do trabalhador do seu posto, à baixa resolutividade e ao aumento consequente do uso de métodos diagnósticos impactam ainda mais a conta final.

A literatura apresenta algumas estratégias para reduzir o número de consultas em serviços de emergência, como (1) utilização de serviços de orientação e suporte telefônico 24 horas por dia (2) aumentar a oferta de serviços ambulatoriais (ambulatórios em empresas, atenção primária, integração com a rede assistencial) (3) incentivos financeiros para reduzir o uso da emergência (aumentando a co participação) (4) aperfeiçoar o relacionamento entre as pessoas e o serviço de atenção primária à saúde e à rede assistencial.

Um recente estudo publicado na revista Journal of Occupational Environmental Medicine por pesquisadores da Johns Hopkins University analisou a relação entre a oferta de ambulatórios médicos nas empresas e a procura de serviços de emergência pelos empregados. Os pesquisadores identificaram alguns setores que utilizaram a emergência com maior frequência (manutenção, nutrição e transporte) e constatou redução significativa, que chegou a 28% no grupo de maior risco (ou 223 dólares por membro por ano), no número de consultas no pronto socorro após a implantação do centro médico na empresa.

A criação de centros médicos, alinhados com a rede assistencial e com o sistema de saúde ocupacional, pode ser uma boa ferramenta de gestão para buscar maior resolutividade, maior integração das informações e a possibilidade de alinhamento com os programas de promoção de saúde, pois muitas pessoas que procuram os serviços de emergência possuem doenças crônicas e vários fatores de risco. Ao procurarem o pronto socorro recebem, muitas vezes, tratamento sintomático, pontual e sem caráter educativo em saúde, perdendo-se a oportunidade para contribuir para melhorar a gestão pessoal de saúde do trabalhador.

Alberto Ogata

About Alberto Ogata

Leave a Reply